Política

Populares e especialistas comentam sobre representatividade nas Eleições 2020

Período eleitoral inicia com campanha que propõe fortalecer a candidaturas negras

As eleições deste ano estão repercutindo de uma maneira diferente, não só pela pandemia da COVID-19, mas pelas atuais manifestações contra o racismo. Com isso, o processo eleitoral passou por mudanças significativas que estão gerando intensas reações nas redes sociais.

A pressão por maior representatividade nas candidaturas eleitorais é um dos grandes debates. Diante o cenário atual, iniciativas como a Plataforma Antirracista nas Eleições (PANE) estão se destacando. Parte da Agenda Marielle Franco, a PANE trabalha com o incentivo às candidaturas de negros e negras em todo o país.

O estudante Gabriel Guimarães, de 18 anos, tem grandes expectativas com o aumento da presença negra nas urnas, afirmando que essa iniciativa “representa esperança”. Gabriel também acredita que medidas como essas são só o início de uma nova realidade, para envolver mais os cidadãos nos debates públicos.

“Acredito que esse incentivo será a porta de entrada para que jovens negros e negras possam participar mais dos rumos que irão tomar todo o cotidiano do povo brasileiro. E a partir desse incentivo, com uma mobilização contínua, novas táticas poderão abranger ainda mais a população negra e periférica nos principais assuntos que circundam nossas vidas”, conclui o estudante.

A iniciativa PANE garantiu que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovasse a distribuição proporcional do Fundo Especial de Financiamento de Campanha e do tempo de propaganda eleitoral para candidaturas negras. Embora a medida só seja válida a partir das Eleições de 2022, alguns pequenos resultados já podem ser vistos.

Pela primeira vez desde que o TSE passou a coletar informações sobre raça dos candidatos, em 2014, a candidatura de pessoas pretas é superior à candidatura de pessoas brancas. Dos mais de 500 mil candidatos, 49,9% se autodeclaram pretos e pardos, enquanto 47,8% se autodeclaram brancos.

O Cientista Político e Social e professor da UVA, Guilherme Carvalhido, explica que, apesar das iniciativas e dos números inéditos, a transformação do cenário político não será imediata. Mas ressalta a necessidade de inserir esse grupo o quanto antes, uma vez que a política é, de alguma forma, uma parte das negociações sociais que acontecem nos grupos políticos.

“Isso acelera a integração e a representação dessas pessoas no movimento político, o que é muito positivo. Isso trará, assim esperamos, uma composição maior da discussão das leis favoráveis a essas pessoas, para que elas se tornem representantes políticos. A questão é quanto tempo isso vai levar”, conclui.

Dentre as alterações provocadas pela pandemia, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou uma série de medidas importantes para viabilizar as eleições. As datas do primeiro e segundo turno foram alteradas (15 e 29 de Novembro), a identificação da biometria será suspensa, e horário de votação será ampliado com horários preferenciais, entre outros.

LEIA MAIS: Ministério Público atualiza portaria sobre aborto legal

Bárbara Souza – 6° período

3 comentários em “Populares e especialistas comentam sobre representatividade nas Eleições 2020

  1. Pingback: Primeiro debate entre Trump e Biden é marcado por troca de acusações, pandemia e Amazônia | Agência UVA

  2. Pingback: Profissionais do Jornalismo opinam sobre uso do fact-checking nos debates políticos | Agência UVA

  3. Pingback: Mudanças e desafios das eleições municipais durante a pandemia | Agência UVA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s