Relatório do IPCC reafirma: a temperatura da Terra está subindo

O documento aborda novamente a meta sugerida pelo IPCC de limitar o aquecimento da Terra em até 1,5°C e discute itens como sustentabilidade, crescimento populacional, desmatamento e hábitos alimentares. Há ênfase para a importância das florestas e para a redução da prática agropecuária.

Considerada a maior floresta tropical do mundo, a Floresta Amazônica foi destaque no documento. Segundo o IPCC, a meta de não passar de 1,5°C só será possível com a “ajuda” de florestas como a Amazônica, as quais são capazes de realizar o chamado sequestro de carbono: capturar esse gás e lançar oxigênio na atmosfera. O relatório ainda afirma que se o desmatamento da Amazônia atingir 40%, ele se tornaria irreversível.

As florestas tropicais exercem importante papel na regulação da temperatura do planeta. (Foto: reprodução)

Além da já conhecida relação entre desmatamento e aquecimento global, especialistas em clima defendem que para salvar o planeta também é necessário mudar os hábitos alimentares. Este, talvez, seja um dos aspectos mais modernos, com relação ao meio ambiente, com os quais o ser humano precisa se preocupar.

Nesse sentido, a pecuária e o cultivo de arroz são duas questões que merecem atenção. Os bovinos produzem metano, gás que contribui para o aquecimento global, e o liberam em grande quantidade; e a inundação para irrigação das plantações de arroz cria ambiente ideal para bactérias que também produzem metano. Assim, esses dois elementos juntos são responsáveis por cerca de metade das emissões de CO2 na atmosfera.

Campo de arroz no Vietnã. (Foto: reprodução)

A forma como o ser humano se alimenta tem afetado substancialmente o meio ambiente e precisa ser colocada em questão. Para a nutricionista Julia Rabelo, a alimentação não é só uma necessidade biológica dos seres, mas também é um ato político, econômico e social.

“Cada vez mais, a sociedade está percebendo que consumir produtos de origem animal não é ético, sob o ponto de vista dos Direitos Animais, e não é sustentável, já que a pecuária é a principal causadora dos maiores impactos ambientais, afetando negativamente, solo, água e ar”, afirma Julia.

Os estudos apontam para a necessidade de mudanças nos hábitos alimentares. A nutricionista garante que dietas vegetarianas bem planejadas são adequadas do ponto de vista nutricional e podem ser adotadas em todos os ciclos da vida. Inclusive, essa alimentação tem sido utilizada para tratamentos ou prevenção de diversas doenças crônicas.

“A dieta vegetariana é a solução para melhorar a saúde da população e contribui para a redução da exploração animal e dos problemas ambientais”, explica.

A pecuária é a atividade econômica que mais contribui para o aquecimento global. (Foto: reprodução)

Diante disso, partidos da Alemanha discutem a possibilidade de aumentar os impostos sobre a carne, na tentativa de desestimular o consumo deste item. Alguns políticos alemães afirmam que, segundo pesquisas, a quantidade de gases oriundos do setor pecuário pode ser comparada a quantidade gerada pelos meios de transporte.

O relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas recomenda a diminuição do consumo de carne; o uso sustentável da terra, evitando a expansão das fronteiras agrícolas e, principalmente, o desmatamento. Além disso, é preciso cessar a queima de combustíveis fósseis, que representam a maior parte do lançamento de CO2 no planeta. No entanto, quanto maior a demora para tomar atitudes, menor é a chance de reverter ou, ao menos, amenizar as consequências do desequilíbrio ambiental.

Thatiana Cordeiro – 6° período

Disney+ anuncia preço de sua assinatura que vai incluir ESPN+ e Hulu

Em 2018, a Disney anunciou que, assim como outras empresas, também teria sua própria plataforma de streaming, seguindo uma tendência atual do mercado. Em busca de expandir o seu catálogo, a companhia apresentou o preço de um pacote que oferecerá o conteúdo presente no Espn+ e no Hulu. O pacote vai custar US$ 12 e estará disponível para assinatura, a partir de 12 de novembro, apenas nos Estados Unidos.

Segundo o CEO da Disney, Bob Iger, o preço representa um desconto de 27% sobre os valores avulsos dos serviços presentes no pacote. Iger deixa claro que este pacote está restrito aos Estados Unidos, devido às limitações que o ESPN Plus e o Hulu possuem em outros países. Ele também revelou que a companhia já entrou em contato com a Amazon, Apple e Google para a distribuição do Disney+ em suas plataformas.

Disney+ chega no fim de 2019 e contará com todo o conteúdo clássico da companhia (Foto: Divulgação/Disney)

A equipe responsável pelo desenvolvimento do serviço de streaming está preparando uma forma que facilite a adesão dos assinantes. “Sabemos que é preciso e importante criar uma experiência sem atrito para o consumidor”, comentou Iger.

O Hulu foi adquirido pela Disney em maio de 2019 e conta com uma base de 28 milhões de assinantes. A diretora de finanças da Disney, Christine McCarthy, também comentou que o serviço digital do Hulu excedeu as expectativas e cresceu mais que os outros concorrentes no último trimestre.

O Disney+ contará com mais de 300 filmes em seu lançamento e entre eles estão propriedades que incluem franquias como Star Wars, Pixar e Marvel. Como qualquer outro serviço de streaming, o Disney+ também ganhará produções exclusivas.

Ainda não há uma data específica para a chegada do Disney+ no Brasil, mas a expectativa é de que ele chegue por aqui, assim como em outras partes do mundo, durante o primeiro semestre de 2020.

Breno Silva – 7° período

Clubes do Brasil fazem grandes contratações e agitam o futebol nacional

Depois da grande apresentação de Daniel Alves com a camisa do São Paulo, nesta terça-feira (6), no Morumbi, com 44 mil pessoas, e com o interesse do Flamengo no atacante italiano, Mário Balotelli, um questionamento tem sido feito no meio futebolístico: O que faz jogadores renomados, muitos com propostas milionárias para jogar em outros continentes, estarem migrando para o futebol brasileiro?

Nos últimos meses, aconteceram outras grandes contratações, como Rafinha e Filipe Luís no Flamengo; Luiz Adriano no Palmeiras; o espanhol Juanfran, ex Atlético de Madrid, que foi para o São Paulo; entre outros nomes que tem uma trajetória reconhecida no futebol mundial. O Brasil, que tem o histórico de vender suas grandes promessas para o futebol europeu e outros continentes, por valores milionários, parece estar voltando a ser uma vitrine para os jogadores.

rib3559_W8Ip4tp
Daniel Alves se emociona ao vestir camisa do São Paulo. (Foto: Divulgação/Marcos Ribolli)

Lista das principais contratações do futebol brasileiro na janela do meio do ano:

Daniel Alves (LD)– Último Clube/PSG (FRA)– Atual clube/ São Paulo

Rafinha (LD)– Último Clube/Bayern de Munique (ALE)– Atual clube / Flamengo

Filipe Luís (LE)– Último Clube/Atlético de Madrid (ESP)– Atual clube/ Flamengo

Juanfran (LD)– Último Clube /Atlético de Madrid (ESP)– Atual clube/ São Paulo

Luiz Adriano (ATA) – Último Clube /Spartak Moscou (RUS)–  Atual clube/ Palmeiras

Adriano (LE)– Último Clube /Besiktas (TUR)– Atual clube / Athletico-PR

Franco Di Santo (ATA)- Último Clube/Rayo Vallecano (ESP)– Atual clube/ Atlético-MG

Ramires (Vol)- Último Clube/Jiangsu Suning (CHN)– Atual clube/ Palmeiras

Para Jonathan Assumpção, de 24 anos, formado em jornalismo, é difícil saber exatamente o que leva esses grandes jogadores a vir jogar aqui no Brasil.

“Uma coisa é certa: não é pelo lado financeiro, visto que na Europa ganhariam um valor elevado. Talvez, seja a paixão pelos clubes, o projeto apresentado ou a certeza de estar indo para um time competitivo, o qual brigará por títulos”, conta Jonathan.

O que mais surpreende para Jonathan é a vinda do lateral espanhol Juanfran. “O projeto apresentado pelo tricolor paulista com certeza foi muito convincente. A chegada de grandes nomes do futebol em equipes brasileiras pode ter influenciado em sua escolha também, visto que o próprio Daniel Alves será seu companheiro de equipe.”

Já para o Engenheiro de Sistemas, Herbert William, a volta desses jogadores se dá pela idade avançada.

“Muitos dos jogadores que vieram para o Brasil já tem acima dos 32 anos. O futebol na Europa exige muito dos jogadores fisicamente pois os jogos são muito intensos. Outro ponto é que por terem uma idade avançada e bastante experiência, a tendência é que sobrem no Brasil. Então eles não terão dificuldade em elevar o nível do clube onde irão jogar e nem precisam de tanto esforço para isso.”

O que os especialistas dizem?

A Jornalista Raisa Simplicio, Editora e Repórter do Brasil Global Tour, acredita que a melhora na estruturação dos campeonatos em que os clubes brasileiros disputam, principalmente voltada para uma forte premiação em todos eles, e as boas gestões de alguns clubes, contribui para esse aumento de jogadores renomados jogando aqui no Brasil.

“Na década 00, havia poucos clubes com uma boa gestão. Hoje esse número é maior, com mais times tendo uma direção e estrutura profissional. Além disso, aqui se oferece o que na Europa é difícil conceder, que é mais de um ano de contrato com jogadores acima de 30 anos. Essa oportunidade de ter mais tempo no contrato é um fator que contribui para a vinda desses atletas com mercado internacional”, diz Raisa.

Sérgio Santana, Jornalista do Lance, Setorista do Botafogo, vê o futebol brasileiro com muito potencial. Ele acredita que, além da questão envolvendo o amor de infância de alguns jogadores (caso do Daniel Alves), muitos deles têm história na carreira pela Europa, mas, por conta da idade avançada, não renovam com seus clubes.

“Às vezes, é melhor brigar por título no Brasil, um futebol reconhecido, pentacampeão mundial, do que assinar com uma equipe pouco renomada da Europa, seja um time que briga para não cair ou uma equipe de divisão inferior”, explica o Jornalista.

Aspecto financeiro dos clubes brasileiros

Para Raisa, a parte financeira preocupa e é uma questão a ser discutida, ainda mais com salários batendo na casa do milhão, algo recente no futebol brasileiro.

“Acredito que parcerias sejam bem-vindas, mas é difícil ver no futebol uma delas dando muito sucesso para que consiga, por exemplo, bancar três anos de contrato do Daniel Alves. Hoje, o que acaba garantindo a possibilidade de alguns clubes pagarem altos salários, é a questão de negociações de jovens atletas”, conta Raisa.

Já para Sérgio Santana, cada caso é um caso. Segundo ele, existem equipes organizadas e desorganizadas aqui.

“Esta parte pode preocupar apenas se um dos times que fizeram grandes contratações não esteja 100% certo de que pode arcar com os custos. É só ver, apenas times com as finanças ajeitadas (São Paulo, Athletico Paraenense e Flamengo) fizeram grandes contratações. É o reflexo da gestão fora das quatro linhas”, explica.

Luhan Alves- 6º Período 

Capa de álbum mais icônica da história completa 50 anos

Há exatamente 50 anos era tirada uma das fotos mais famosas da cultura pop. A imagem, que estampa o famoso álbum dos Beatles, Abbey Road, mostra os quatro membros da banda atravessando a rua que fica em frente ao estúdio homônimo (Abbey Road), onde a banda gravou grande parte de sua discografia. De autoria do fotógrafo escocês Ian Macmillan, a imagem que compõe a mais marcante capa de LP da história, virou sinônimo dos rapazes de Liverpool, e até hoje estampa camisetas, quadros, posters e até mesmo tatuagens.

Capa do álbum Abbey Road

Aproveitando a data comemorativa, foram anunciadas novas edições do icônico álbum, que contarão com remixagens a partir das gravações originais, feitas por Giles Martin, filho de George Martin, lendário ex-produtor dos Beatles. Como prévia do relançamento, a página oficial da banda no youtube liberou a versão remixada da canção Something, uma das mais famosas do disco.

As edições remasterizadas de Abbey Road estão previstas para o dia 26 de Setembro, data em que o lançamento original comemora 50 anos.

Felipe Pereira – 8º Período