Cultura Entretenimento Geral

Guerra dos streamings: um panorama do que está por vir

Com a variedade de serviços, ocorre uma batalha cultural por clientes e audiência.

Com o passar dos anos, em que a TV ditava o que e quando se assistia, houve uma grande revolução nos meios de entretenimento. Apareceram muitos serviços de streaming, seja de música, vídeos ou para assistir filmes e séries. O que acontece atualmente é uma ascensão desses serviços em detrimento aos mais tradicionais, tomando seus lugares e, em alguns casos, mostrando um serviço até superior.

“A gente fica com essa expressão que a TV a cabo está perdendo força, mas, na verdade, ela ainda está firme nessa competição. Isso depende da faixa etária. Se for pegar uma faixa etária de pessoas mais velhas, elas não vão se desfazer dos pacotes de TV a cabo, pois é um tipo de público que já está acostumado, que nasceu e vive com essa cultura da programação, do horário, já tem uma certa dificuldade com tecnologia. Então, esse público mais velho não pretende desfazer os pacotes de TV por assinatura. Em compensação, os muito jovens já são o contrário. Eles não consideram a TV a cabo essa cultura da programação que se perdeu com horário, que não se consegue assistir, tem que esperar reprise. É uma cultura já on demand. Eles querem assistir a hora que sentem vontade, tiver disposição, assistir quantas vezes, e aí não passa pela cabeça desse publico mais jovem a possibilidade de ter a assinatura de TV a cabo em comparação ao streaming. Porém, ainda há uma convivência desses dois tipos de consumo. Tem muita gente que possui TV a cabo e adiciona o streaming como um adicional no seu pacote de ofertas. E os streamings não tem algo que a TV a cabo possui, que ainda é muito relevante para que não se desfaça assinatura, que são os jogos esportivos. Existe uma tendência de pessoas que tem planos de cancelar a TV paga, e um dos principais motivos é o custo. O streaming de certa forma é mais barato que um pacote de TV a cabo. Porém, isso ainda é muito relativo, porque a TV por assinatura oferece uma gama muito maior de programas que interessam as pessoas de terem, mas não encontram nos streamings. E em compensação, os streamings oferecem conteúdo original. É uma guerra ainda, mas ainda está cedo para se dizer quem são os vencedores e os vencidos.” Evangelo Leal Gasos, especialista em cinema, comenta sobre a batalha da TV a cabo com os streamings.

Hoje existe uma grande variedade de streamings para assinatura (Foto: reprodução / Google)

Para começar esse assunto acerca dos serviços de assinatura, nada mais justo que falar da poderosa Netflix, que foi a precursora disso tudo. O serviço começou como uma empresa que entregava DVDs pelos correios em 1997, e hoje conta com grandes investimentos em suas produções (filmes, séries, documentários, animes, etc.), conseguiu chegar ao topo e ainda se mantém até hoje apesar da concorrência acirrada. Disponível nos Estados Unidos a partir de 2007, sua expansão através do streaming começou no Canadá em 2010. Atualmente, mais de 190 países têm acesso ao serviço. Sua primeira série exclusiva de sucesso foi o House of Cards, em 2013. Muitos outros títulos de prestigio vieram com o tempo, como Stranger Things, La Casa de Papel, The Witcher, Perdidos no Espaço, O Poço, O Irlandês, dentre os muitos que fizeram a empresa chegar ao sucesso mundial.

“Olha, eu amo as produções criadas pela Netflix, tanto de séries e filmes. Eu adoro. Eu acho muito satisfatório o serviço. A plataforma atende todas as minhas expectativas”, afirma Yasmim Alves, assinante da Netflix.

Outro serviço de streaming que se popularizou muito no Brasil foi o Prime Video, serviço de assinatura da Amazon para assistir filmes e séries. O que chama a atenção da plataforma, além das suas produções originais, é o fato de ser um dos mais baratos do mercado, custando apenas R$ 9,90 por mês, além de receber outros benefícios, como ter frete grátis através do aplicativo de compras pela internet da Amazon, poder usar o seu aplicativo de música ter acesso ao serviço de streaming. O serviço até agora conseguiu bater de frente com a Netflix por possuir séries de alto nível como The Boys, American Gods, The Man in the High Castle, Good Omens, Carnival Row. Um diferencial da Amazon perante a Netflix é que a empresa parece investir mais pela qualidade que quantidade. Ou seja, é nítido que ambas criam produções de sucesso, mas enquanto a Netflix produz inúmeras series, em que algumas fazem sucesso e outras não, a Amazon investe mais em uma única série de grande investimento por vez, e, assim, consegue alavancar a audiência.

“As produções da Prime Video são de altíssima qualidade, e pelo preço em combo com os produtos da Amazon, como por exemplo o frete grátis em alguns produtos ou o Amazon Music, o valor mensal possui um retorno em produtos muito maior. E o bom da concorrência é que quem sempre sai ganhando é o assinante. Também, com a necessidade de atender os clientes, as empresas tendem a ir atrás de novas tecnologias, como transmissão e armazenamento de dados, melhores câmeras, e processadores para a edição de vídeo. E assim, fazendo o mercado nessa área (tecnologia) girar e beneficiar inúmeras pessoas ao longo dessa cadeia. A qualidade de animações, séries e documentários estão melhorando e falam sobre assuntos que antes nunca iriam falar. Como por exemplo a série da Amazon The Expanse, que mostra um provável problema futuro, político e social, entre os humanos que nasceram em Marte, na Terra e os belters (humanos que nasceram depois do cinturão de asteroides interno do sistema solar, tipo o planeta anão CERES), como ele agem ao estarem encontrando vida alienígena extra-solar”, explica Daniel Moura que é usuário do Prime Video.

Um streaming brasileiro que está em alta é o Globo Play, que conta com um acervo de novelas que marcaram época, como Fina Estampa, Flor do Caribe, entre outras. Além disso, o serviço possui algumas produções que são sucesso mundial e a empresa conseguiu trazer para a plataforma, como The Big Bang Theory, Young Sheldon, Doctor Who e Todo Mundo Odeia o Chris. A plataforma também tem edições dos seus respectivos jornais na íntegra para serem assistidos a qualquer hora.

Falando de um serviço para um público mais específico, existe a Crunchyrool. Tata-se de um streaming especializado em animes. Além de ter parceria com animes de sucesso como Naruto, Cavaleiros do Zodíaco, Dragon Ball Super, My Hero Academia, a empresa também possui seus animes originais, que foram batizados de Crunchyrool Originals, como Tower of God, The God Of High School, Gibiate e In/ Spectre. Tal serviço também tem batido recordes no Brasil, onde já chegou a três milhões de assinantes. Além disso, os animes da Crunchyrool vêm constantemente recebendo dublagens para o português, o que tem alegrado muito os fãs que assinam o serviço.

“Estou muito satisfeito com o serviço. A plataforma possui muitos títulos famosos desde dos clássicos como One Piece, Bleach, além de títulos novos que surgem com grande potencial, como Black Clover e Demon Slayer. Possui diversos títulos com a opção de dublagens internacionais como inglês, francês e até em português. Os lançamentos dos episódios simultâneos são rápidos em comparação ao lançamento dos episódios no Japão. Então, de forma geral, eu estou muito satisfeito com o serviço”, comenta Anderson Santos, assinante da Crunchyrool.

Mais dois serviços de streamings que ainda não existem no Brasil estão para chegar. O primeiro é a Disney+, serviço criado em novembro de 2019 e lançado nos Estados Unidos e em alguns países da Europa. Quase um ano depois, em 17 de novembro de 2020, será lançado no Brasil com muitas expectativas pelos fãs da empresa. Entre suas principais produções, há a série The Mandalorian, primeira série feita do universo Star Wars, que fez muito sucesso quando revelou na história o personagem Baby Yoda, vendendo muito bem pelo mundo todo. Seja por memes, brinquedos e até pela importância do Baby Yoda na trama. Outros conteúdos presentes na plataforma, e que podem convencer os assinantes, são as produções da Marvel, como seus filmes e séries originais; seus filmes clássicos que conquistaram muitos fãs, como Rei Leão, Mulan, Tarzan, Aladdin; e também com seus personagens marcantes ganhando novas séries, como Mickey, Donald, Pateta e companhia.

Por fim, outro serviço que ainda não está presente no Brasil é a HBO MAX, que chegou aos Estados Unidos em 27 de maio deste ano, mas só deve chegar ao Brasil em algum momento de 2021. Criado pelo grupo Warner Media, que tem direitos sobre HBO, Warner Bros, Cartoon Network, Crunchyrool, DC, Adult Swim, Looney Tunes, entre outros. A HBO MAX possui conteúdos de alto nível como The Big Bang Theory, Friends e Um Maluco no Pedaço. Custando 15 dólares (algo em torno de 60 reais) o serviço vem com tudo para tentar desbancar a Netflix, e, até agora, pelo menos nos Estados Unidos, tem conseguido ser o melhor concorrente.

1 comentário em “Guerra dos streamings: um panorama do que está por vir

  1. Pingback: Emmy Internacional 2020: produções brasileiras ganham destaque | Agência UVA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s