Arte Geral

Nova exposição do CCBB comemora os 100 anos da Semana de Arte Moderna de 22

Com a proposta de resgatar a experiência da era moderna para a contemporaneidade, a exposição gratuita encerra no dia 22 de Setembro

A exposição “Brasilidade – Pós Modernismo” começou na quarta-feira (01) no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) no Rio de Janeiro, com entrada gratuita, e vai encerrar no dia 22 de novembro. A mostra celebra o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, por meio de pinturas, rememorações e conquistas nas artes plásticas.

Com a participação de 51 artistas de diversas gerações, estados e etnias, a exposição conta com Anna Bella Geiger, Nelson Leirner, Shirley Paes Leme, Flávio Cerqueira, Ge Viana, Leonora de Barros e Tunga.

A fim de evidenciar a essência da arte brasileira atual, cuja a existência se deve às transformações e rupturas sociais do Modernismo – em que foi proposto a liberdade artística, valorização nacional e quebra do conceito Parnasiano – foi necessário um longo processo de reconhecimento, aceitação e integração.

Com curadoria de Tereza de Arruda, esse coletivo artístico exposto não é idealizado por uma visão histórica, mas sim, direcionado a uma perspectiva contemporânea. As obras foram produzidas a partir da década de 1960 até a atualidade. Algumas são inéditas, ou seja, com uma atmosfera mais madura e tecnológica.

A exposição é composta por pinturas, fotografias, desenhos, esculturas, arquiteturas e novas mídias que captam a diversidade artística nacional em diversos meios linguísticos. Essa combinação artística traduz a brasilidade diversificada, miscigenada, regional e cosmopolita, popular e erudita, folclórica e urbana.

Dividida em seis núcleos, a exibição aborda temas relevantes à brasilidade, como liberdade, identidade, natureza, futuro, estética e poesia. Estes temas provocam assim, uma reflexão crítica sobre como a globalização no geral consegue afetar a cultura brasileira, e estimula a valorização da identidade nacional.

A exposição está dividida entre o térreo e o primeiro andar, mas as obras de Nelson Leirner se encontram bem na entrada. Sua mostra sintetiza sua ampla atuação e observação, como a série Figurativismo Abstrato, composta de colagens em cores vivas, com imagens populares do imaginário infanto-juvenil, formada pela sobreposição de milhares de adesivos meticulosamente coletados.

As obras da série Missa Móvel atentam para a diversidade no sincretismo, composta por elementos provenientes de distintas crenças e costumes. Já a série Sotheby’s, composta de colagens sobre a capa da tradicional casa de leilão Sotheby’s, é ironicamente uma observação e crítica ao mercado de arte mundial a ditar preceitos e valores.

LEIA TAMBÉM: Arte e cultura se reinventam durante o isolamento

No primeiro andar encontramos uma mistura de poesia, pintura, fotografia, escultura, arquitetura, e materiais audiovisuais dos demais protagonistas dessa exposição. O estudante de história Rafael Cruz, de 18 anos, afirma que a exposição traz com evidência a questão da brasilidade, de forma a retratar a história do nosso país de uma maneira artística muito interessante por trazer um viés crítico.

“Em minha concepção a exposição foi interessante, porque trouxe justamente a questão da brasilidade. A maioria das obras expostas retrataram a história do nosso país de uma forma artística muito interessante, algumas até com um viés crítico acerca da situação brasileira”, disse o estudante.

Para o estudante de física e também artista Gabriel Vieira, de 18 anos, a proposta dos autores dessa exposição foi aplicada com sucesso ao conseguir retratar o conceito de brasilidade pós-moderno em uma mistura de representações reais e imaginárias.

“Na minha visão foi uma exposição bem completa que conseguiu expressar totalmente o conceito do pós-modernismo no Brasil que mescla e opõe o real com o imaginário”, conclui Gabriel Vieira.

Com a pandemia da Covid-19 e os novos protocolos sanitários, é necessário agendar um horário para apreciar a exposição. Para curtir este evento e prestigiar as obras nacionais, acesse o site oficial do CCBB.

LEIA TAMBÉM: Itaú Cultural Play: plataforma de streaming gratuita se dedica ao cinema brasileiro

Beatriz Braulio – 1º período

Com revisão de Bárbara Souza – 8° período

12 comentários em “Nova exposição do CCBB comemora os 100 anos da Semana de Arte Moderna de 22

  1. Rafael Cruz Vieira

    Muito bom!!!

  2. Texto muito bem escrito!! Fui à essa exposição semana passada e amei cada detalhe💛

  3. Muito interessante. Adorei!!!!

  4. Maria Luiza Ferreira

    Texto muito bem escrito, adorei!

  5. Manuella Farias

    Interessante a proposta da exposição, adorei a matéria

  6. Rayssa Cardoso

    Resenha muito bem escrita e objetiva. Excelente texto!

  7. Ótimo texto e conteúdo!

  8. Excelente texto, me deixou muito interessada em visitar a exposição!

  9. Ótimo texto!

  10. Amei, super relevante. Já quero ver 😍

  11. Gabriel Vieira

    Trabalho muito bem executado, adorei!

  12. Sandra Siqueira

    Texto bastante objetivo. Auxilia no entendimento da mostra e instiga a nossa curiosidade. Quero voltar e observar mais detalhes que deixei passar. Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s