Comunicação

Dia do Repórter Fotográfico: profissão é prestigiada nesta segunda

Ofício é antigo e já registrou grandes eventos da história da humanidade

Nesta segunda-feira (02) é celebrado o Dia do Repórter Fotográfico. Responsável por registrar a notícia através da lente de sua câmera, é ele que nos comunica os eventos da sociedade por meio de um olhar crítico e apurado reproduzido na fotografia. A necessidade de complementar o que o texto trazia e de trazer mais veracidade para o relato jornalístico, fez com que a profissão ganhasse mais relevância a partir da cobertura das guerras que marcaram o século XIX, como a da Crimeia (1854-1855).

Muito alinhado ao surgimento da fotografia, o fotojornalismo, ramo profissional do repórter fotográfico, tem o seu primeiro local de aplicação nas revistas ilustradas, considerada a principal mídia da Alemanha nos anos 1930. Apesar disso, antes do nome do ramo ser modificado, já era comum, no fim do século XIX, veículos norte-americanos veicularem imagens. Destaca-se, nesse período, a atuação do jornal Daily Herald, de 1880, incipiente nessa prática. No Brasil, o termo repórter-fotográfico é utilizado pela primeira vez em 1950 por Samuel Wainer, diretor do jornal Última Hora.

Contudo, a profissão vive o seu auge no Brasil na década de 60, no contexto da ditadura militar, como relembra o professor de fotojornalismo da UVA, Altayr Derossi. “Nessa época, o Jornal do Brasil contrata vários profissionais de imagem para registrar o momento. Posteriormente, na década de 80, o jornal O Dia também inova ao utilizar fotografia colorida em toda a sua edição”. Altayr ressalta que a missão do fotojornalismo no contexto atual é diferente da exercida no século anterior: “Devido à diminuição do impresso, vivemos hoje o fotojornalismo digital. É um novo tempo, no qual é exigido mais do profissional”, conta.

Entretanto, novas possibilidades surgem nesse cenário. A pesquisadora e fotógrafa independente, Rosa Bernardes, comenta que o momento atual é oportuno para a formação de coletivos independentes. “Apesar da dificuldade ainda de se sustentar no ramo, é perceptível que as novas facilidades tecnológicas têm ampliado esse mercado de atuação”, comenta. Autora do projeto Sertão Carioca, que resgata a cultura rural do Rio de Janeiro, Rosa destaca ainda que o independente concede mais autonomia ao profissional. “Relativo ao meu trabalho, por exemplo, eu tenho a vantagem de poder me aprofundar e estabelecer uma relação mais íntima com o meu objeto”, explica.

Fotografia da série Sertão Carioca, de Rosa Bernardes. (Foto: Reprodução/Facebook)

Leandro Victor – 7º período

0 comentário em “Dia do Repórter Fotográfico: profissão é prestigiada nesta segunda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s