Cultura Literatura

Escritora Lygia Fagundes Telles morre nesse domingo (03)

Famosa pelo clássico "As Meninas" morre de causas naturais em sua casa, em São Paulo.

“Nas minhas andanças, fui parar na África e lá conversei com aqueles homens da Unesco, os bons, não os burocratas. Um deles me disse: Cada vez que morre um velho africano é uma biblioteca que se incendeia”. Foi essa uma das lições que a escritora Lygia Fagundes Telles, que faleceu nesse domingo (03), ensinou.

A “dama da literatura brasileira”, como era conhecida, morreu de causas naturais em sua casa, em São Paulo. Nesta quinta-feira (07) será realizada uma homenagem no salão nobre da Academia Brasileira de Literatura (ABL). Lygia morre aos 103 anos. Antes, se pensou que a autora havia falecido aos 98 anos, mas após pesquisa recentemente divulgada pelo sociólogo Daniel Taddone foi confirmado o centenário.

Na certidão de casamento de Lygia, é possível ver sua data de nascimento como 19 de abril de 1918 (Foto: Reprodução/Daniel Taddone)

Ao ser questionada, em 1996, no programa “Roda Viva” da TV Cultura, se pudesse escolher entre ser bonita ou inteligente, Lygia afirmou que sempre escolheria a inteligência, e ainda dizia: “o que eu tenho de melhor é o que eu escrevo”. A escritora era defensora ativa da cultura brasileira, e emocionava a todos com seus contos e histórias que mostravam o lado mais puro do ser humano, bom ou não.

Laís Fernandes, tradutora e revisora de textos formada em letras e pós graduada em produção editorial, afirma que Lygia tinha uma escrita envolvente e elegante. Para ela, a escritora ensina, através de suas obras, a não temer a repressão e nem mesmo a morte, e que é preciso aproveitar todas as nuances que a vida traz.

“Precisamos sorrir, chorar, amar, criar, destruir, reconstruir e lutar enquanto ainda respiramos, pois tudo passa e se faz necessário deixar sementes regadas para quem aqui fica. E ela com certeza nos deixou um imenso jardim”, acrescenta.

A coordenadora do curso de Letras da UVA e doutora em Literatura Anne Morais ressalta a importância de Lygia, graças a seu sucesso e influência sendo a primeira escritora brasileira indicada ao prêmio Nobel da Literatura e sua entrada para a Academia Brasileira de Letras.

“Nesse espaço editorial marcado por homens, Lygia se destacou, e com todo louvor.  Ficamos com sua genialidade e magia vivas em suas obras e, por isso, podemos continuar aprendendo com essa mulher tão corajosa e inteligente”, aponta.

“Ela arriscou sua vida por um ideal: a liberdade de expressão. Sua atitude e coragem nos lembram que liberdade não é algo garantido, mas algo que precisamos lutar todos os dias. Os artistas brasileiros não podem esquecer isso. Lygia jamais esqueceu” acrescenta Anne.

A jornalista Cristiane Bonfim prestou homenagens, via Twitter.

A estudante de cinema Vivian Guimarães destaca a importância cultural que “As meninas” teve e ainda tem, tanto pela temática, que aborda a ditadura militar vigente no período, quanto pela forma de uso do fluxo de consciência, que mistura a narração com a voz das três amigas.

“A forma que ela abordou o fantástico em suas obras, principalmente nos contos, é surpreendente, e os acontecimentos de suspense e de romance são extremamente bem construídos. Além, é claro, da representação múltipla do feminino, num olhar muito progressista para a época. Acho que a Lygia passa muita força e coragem pelas suas personagens, principalmente as mulheres de todas as idades, mesmo que sejam erráticas.” comenta Vivian.

“Se eu puder ajudar o outro com esta palavra, missão cumprida, se quando a morte olhar nos meus olhos e disser vamos, eu digo estou pronta, eu fiz o que eu pude”, disse Lygia. (Foto: Reprodução/Daniel Taddone)

A autora publicou seu primeiro livro aos 15 anos, “Porão e Sobrado”. Cursou Direito e Educação Física na USP, mas após sua graduação seguiu com sua verdadeira paixão: escrever.

Lygia ganhou diversos prêmios, como Camões (2005), Jabuti (1966, 1974 e 2001) e Guimarães Rosa (1972). Suas obras foram traduzidas para línguas como alemão, polonês, tcheco, espanhol, francês, inglês, italiano e português de Portugal. Teve um de seus livros, “Ciranda de Pedra”, adaptado para a televisão em formato de telenovela, e também foi uma das autoras do “Manifesto dos intelectuais”, documento assinado por diversos escritores e intelectuais da época contra a censura, que teve grande repercussão na mídia.

Foto de capa: Reprodução UOL

Malu Danezi (3ª período), com revisão de Leonardo Minardi (7º período)

LEIA TAMBÉM: Oitavo dia de Bienal do Livro tem poesia como destaque

LEIA TAMBÉM: Em sexto dia de Bienal, convidados conversam sobre a importância da Política

1 comentário em “Escritora Lygia Fagundes Telles morre nesse domingo (03)

  1. Lamentamos profundamente, pois Lygia era uma das maiores artistas da atualidade. Uma grande perda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s