Política

Embaixador da Noruega no Brasil alerta a necessidade de um plano concreto contra o desmatamento

Na visita ao país como cortesia, Odd Magne Rudd e Hamilton Mourão se reunem para falar sobre o Fundo Amazônia

Na última segunda-feira (18), Odd Magne Rudd, novo embaixador da Noruega no Brasil, após a reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, coordenador do Conselho Nacional da Amazônia Legal, afirma a necessidade de um plano concreto para inibir o desmatamento. Odd Magne declara à imprensa que, apesar dos pensamentos divergentes acredita no diálogo, pois define o futuro de algo cujo impacto é global.

O vice-presidente aposta na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente para melhorar a reputação do Brasil, principalmente depois das queimadas ocorridas na Amazônia, Pantanal e Cerrado. Além do desmatamento, também foi assunto na reunião o Fundo Amazônia e as operações militares nessa região. O diplomata também declara a importância de um acordo para a questão.

“O Brasil precisa de um plano concreto para o desmatamento, precisa acordar um estilo de gestão do comitê”, disse o embaixador.

De acordo com o site do Fundo Amazônia, as maiores doações monetárias de valor histórico vêm do Governo da Noruega, da República Federativa da Alemanha e da Petrobrás. Além disso, o Fundo conta com a gerência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), responsável por captar recursos, contratar e monitorar projetos e ações apoiados.

O Fundo Amazônia, possui um Comitê Orientador (COFA), responsável por determinar as suas diretrizes e acompanha os resultados obtidos, e o Comitê Técnico (CTFA), cuja tarefa é atestar as emissões advindas do desmatamento no bioma. Contudo, em 2019, ambos os comitês foram extintos pelo governo, paralisando o Fundo.

LEIA TAMBÉM: Queimadas na Floresta Amazônica crescem mais de 80% e assustam população

Cezar Pires, mestre em Ciências de Engenharia Civil, com ênfase em Recursos Hídricos e Meio Ambiente pela COPPE-UFRJ, menciona em seu artigo “Qual o valor da Floresta Amazônica?”, que apesar de lucrativo o consumo destrutivo da floresta não possui grandes benefícios, porque envolve problemáticas ambientais e climáticas, além de acrescentar risco à biodiversidade. Mesmo assim, ele atenta às consequências de renunciar ao consumo com custos e sem rendimento econômico: descontrole na fiscalização de atividades ilegais, como de grileiros, posseiros, garimpeiros, biopirataria etc.

“É importante a exploração do valor direto da Amazônia feito com técnicas sustentáveis modernas que levem em consideração questões socioambientais, feito por empresas eficientes sob concessão e regulação pública e pagando impostos”, escreveu o mestre.

O artigo produzido em 2019, na época da paralisação do Fundo Amazônia indaga o porquê de apenas dois países serem os contribuintes. “Um Fundo para Amazônia (e outras florestas tropicais relevantes) deveria ser de responsabilidade da ONU com contribuição de todos os países. Afinal, o tripé da sustentabilidade inclui também o econômico, e não é por coincidência que a palavra tem o mesmo prefixo eco (casa) de Ecologia”, disse Cezar.

O profissional ainda defende o valor das pesquisas científicas nas descobertas por meio do estudo da biodiversidade.

“Importante também é que haja pesquisas científicas que tragam descobertas importantes para o uso direto da biodiversidade ainda desconhecida, isto é, do valor de opção. E que tenhamos processos e incentivos para que tais pesquisas não fiquem paradas em teses e em institutos de pesquisa, e sim que tragam consequências práticas reais no mercado, trazendo interesse empresarial, empregos, impostos e produtos para a vida moderna”, endossou.

Sobre a COP-26:

Entre as primeiras semanas de novembro, na Escócia, ocorrerá a vigésima sexta (26°) Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, também chamada de COP-26, onde farão presença os signatários do Acordo de Paris. Na Conferência, devem ser apresentados dados comprovando o cumprimento das metas acordadas por meio de suas ações e propostas com o objetivo de diminuir as emissões até o ano de 2030. O evento deveria ter acontecido em 2020, mas a pandemia do novo coronavírus o adiou.

LEIA TAMBÉM: Cúpula do Clima: os desafios que o Brasil enfrenta sobre o meio ambiente

Escrito por Natally Valle – 2° Período

Sob revisão de Isis Sant’ Anna – 7° período

Apenas uma estudante de jornalismo que, reconhecendo sua finitude perante a grandiosidade do Universo quando se lembra de olhar para as estrelas (Stephen Hawking), torna-se cada vez mais apaixonada pelos seus livros, pela natureza e por palavras.

1 comentário em “Embaixador da Noruega no Brasil alerta a necessidade de um plano concreto contra o desmatamento

  1. Pingback: Especialistas comentam sobre a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas | Agência UVA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s