Política

Os 7 momentos marcantes da CPI da Covid

Confira as descobertas e alguns dos momentos mais importantes da investigação

Após mais de 5 meses desde o início da Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga possíveis crimes ligados a pandemia, o relator Renan Calheiros apresenta seu parecer. O relatório final divulgado nessa quarta-feira (20) indicia 68 pessoas, dentre elas o presidente da República. Diante do fim da Comissão, relembre alguns dos momentos que mais repercutiram no decorrer CPI.

I. Óbito também é alta  

A advogada Bruna Morata, representante dos médicos que denunciaram a Prevent Senior, discursou sobre os procedimentos adotados pela companhia.  Dentre eles a obrigação do repasse do kit covid, comprovadamente ineficaz, e a redução do oxigênio de indivíduos que estivessem internados há algum tempo. O caso que foi comparado a Auschwitz brasileira, chocou os senadores e repercutiu na internet.

Trecho do depoimento de Bruna Morata à CPI

II. Mudança na bula da Cloroquina

O presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, confirmou a acusação do ex-ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta de que foi sugestionada uma alteração na bula da cloroquina, para que o medicamento pudesse ser indicado no tratamento contra a covid.

Só quem pode modificar a bula é a agência reguladora, isso se solicitada por quem desenvolveu o medicamento. “Quando houve uma proposta de uma pessoa física fazer isso, me causou uma reação um pouco mais brusca. Eu disse: ‘Olha, isso não tem cabimento, isso não pode’. E a reunião, inclusive, nem durou muito mais depois disso”, disse Barra Torres.

III. Depoimentos de quem perdeu parentes na pandemia

A órfã Giovanna Gomes Mendes da Silva, 19, que depôs na CPI, perdeu os pais para a covid-19 e emocionou inclusive o interprete de libras com seu relato. “Eu, meus pais e minha irmã, nós éramos muito unidos, quem conhece sabe, onde a gente estava, nós estávamos juntos. Então quando meus pais faleceram, a gente perdeu as coisas que a gente mais amava. E eu precisava da minha irmã e ela precisava de mim. Eu me apoiei nela, e ela se apoiou em mim”, disse Giovana.

Além do depoimento de Giovanna, outras pessoas foram ouvidas, como o taxista Márcio Antônio do Nascimento Silva, que perdeu um filho para a doença no ano passado. Márcio conta como reagiu as falas do presidente Bolsonaro sobre as mortes.

“Eu escutei lá no meu coração: ‘E daí que seu filho morreu?’. Isso me gerou muita raiva, muito ódio. Isso me fez muito mal, eu daria a minha vida para o meu filho ter chance de ter se vacinado”, desabafou o pai.

IV. Pfizer ignorada mais de 100 vezes

A Vacina da Pfizer, foi a primeira a receber o registro definitivo da Anvisa no país. Apesar disso, de acordo com Carlos Murilo, presidente da farmacêutica na época, pelo menos cinco propostas foram apresentadas ao Brasil, somente no ano passado, e todas elas foram ignoradas.

De acordo com os documentos apresentados pelo senador e vice presidente da CPI, Randolfe Rodrigues, ocorreram 101 tentativas de contato por e-mail, com o governo brasileiro. Somente após seis meses de silêncio, o Brasil fechou com a farmacêutica em março desse ano.

V. Relatos de pacientes atendidOs pela Prevent Senior

O advogado Tadeu Frederico Andrade, foi paciente da Prevent Senior e contou em seu depoimento à CPI que seu prontuário foi fraudado pela corporação. Internado na unidade intensiva de tratamento há um mês, foi direcionado, sem autorização da família, a receber tratamento paliativo, quando o paciente não tem mais uma possibilidade de melhora.

“Sou uma testemunha viva da política criminosa dessa corporação e de seus dirigentes”, afirmou Tadeu.

VI. Pazuello e a crise de oxigênio em Manaus

A capital do estado de Amazonas viveu um colapso em janeiro desse ano, quando a falta de oxigênio nas unidades de saúde, provocou a morte de centenas de pessoas. De acordo com a Advocacia-Geral da União (AGU), o Ministério da Saúde foi alertado antes da situação ficar insustentável. Mas o ex-ministro da saúde, Eduardo Pazuello, questionado sobre o assunto na CPI, se esquivou da responsabilidade e culpailizou o governo do Amazonas.

De acordo com o relator, Renan Calheiros, Pazuello mentiu ao menos 14 vezes durante seu depoimento na Comissão. As mentiras foram referentes as ordens do presidente ao ex-ministro, o tratamento precoce, a crise de oxigênio, e outras questões relacionadas a gestão da pandemia.

Pazuello afirmando que Manaus ficou sem suprimento de oxigênio por três dias, quando na verdade a situação durou mais de 20 dias. Fonte: Senado Federal

VII. Gabinete paralelo DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O primeiro ministro da saúde do governo Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta, denunciou à CPI, a existência de um gabinete paralelo de aconselhamento ao presidente. Esse grupo teria como objetivo discutir questões relacionadas a pandemia, direcionando o presidente, sem considerar as ponderações da Organização Mundial da Saúde (OMS) ou do Ministério da Saúde, na época chefiado por Mandetta.

A hipótese, negada por outros depoentes favoráveis ao governo, logo se confirmou, devido a divulgação de um vídeo em junho desse ano, pelo site Metrópoles. A gravação revelava uma reunião no Palácio do Planalto, presidida por Bolsonaro, a qual participavam entre outros, a médica Nise Yamaguchi, Osmar Terra, do MDB e o virologista Paulo Zanotto. Estes debatiam sobre o enfrentamento a covid-19, negando a vacina e apostando em um kit comprovadamente ineficaz no tratamento da doença.

Beatriz Pontes – 7° período

Com revisão de Aline Meireles – 4 º período

LEIA TAMBÉM: Nova variante do Coronavírus chama atenção de especialistas

LEIA TAMBÉM: Ministério da Saúde confirma dose de reforço na vacinação contra a Covid

3 comentários em “Os 7 momentos marcantes da CPI da Covid

  1. Régia Moreira

    Muito bom! Tomara que a investigação da CPI produza a justiça que esperamos.

  2. Pingback: Os 7 momentos marcantes da CPI da Covid | FAX SINDICAL

  3. Porque só a Prevent Senior???E as operadoras para gente rica???Lá ninguém vai!!!A advogada Bruna Morata se envolveu demais. Ela, os jornalistas e os senadores etc não sabem como é ser paciente num hospital público. É fácil BATER nos pobres.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s