Educação

Levantamento da FGV aponta retrocesso da alfabetização no Brasil

Falta de investimentos de munícipios brasileiros e paralisação causada pela pandemia fomentam a evasão escolar, e especialista comenta.

Com base nos dados apontados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), a alfabetização de crianças no Brasil teve um retrocesso de 15 anos durante o cenário da pandemia da Covid-19. Especialista comenta sobre os indicadores do atraso da educação, e os impactos causados pela evasão escolar em razão da paralisação das escolas no país.

De acordo com o levantamento comparado entre os anos de 2019 e 2020, o índice do número de abandono às escolas entre crianças cresceu, sendo de 1,39% em 2019, e 5,5% em 2020. Isso se deve também ao fato anterior à pandemia, em que os municípios brasileiros reduziram em 93,5% os investimentos considerados essenciais para as questões educacionais, segundo a Frente Nacional de Prefeitos (FNP).

A professora de pedagogia da Universidade Veiga de Almeida, Luciana Soares Chagas, argumenta quais são os indicadores educacionais que apontam para a evasão escolar. A professora cita o acesso ao ensino remoto que, ligado à precariedade que desestimulou tanto professores quanto alunos, tem sido um fator decisivo para a analfabetização durante a pandemia. E complementa com demais fatores.

“Nós dormimos dentro de uma realidade e acordamos com uma nova modalidade de educação imposta por uma pandemia. Acredito também que o ponto alto da evasão inicial foram os muitos pais e alunos que ficaram desempregados. Logo, para além da falta de investimento, somado ao desemprego e o medo da doença foi decisivo para a evasão dos estudantes”, enfatiza Luciana Soares.

Reunião da Frente Nacional de Prefeitos (Foto: Elias/FNP)

LEIA TAMBÉM: Confira como foi o primeiro dia do Circuito CasaCom 2021

Segundo os dados divulgados pela FNP na última segunda-feira (18), os impactos sofridos no plano educacional ocorreram em inúmeras cidades do Brasil. A instituição revela também que dos 2.912 municípios, 2.370 registrados no Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope) ainda não executaram a obrigação constitucional de dispor da liberação de 25% da receita, a qual deveria ser destinada à educação.

A FNP revela em nota ser condizente ao texto da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 13/2021), sancionada no mês de setembro pelo Senado, que isenta ou desobriga a União, os Estados, o Distrito Federal e os municípios da aplicação de percentuais mínimos da receita para o desenvolvimento do ensino e da educação, no exercício de 2020 e 2021, devido à pandemia.

“Com o prazo estendido para aplicação dos 25% das receitas vinculadas até o final de 2023, municípios poderão planejar mais adequadamente esses investimentos, beneficiando o ensino público”, diz a FNP, em nota.

Aprovação da PEC 13/2021 no Senado

Luciana Soares complementa sobre como é possível reverter a evasão escolar ou outras situações que impactam sobre a queda da alfabetização no país, e expõe como esse retrocesso educacional é afetado graças à falta de incentivo governamental.

“Fomas claras de reverter essa queda é investir em mídias, plataformas e tecnologia em educação, com promoções como já foram feitas em anos passados, com valores superinteressantes de instrumentos necessários como laptop e celulares parcelados em diversas vezes. Seria preciso repensar sobre as atitudes governamentais junto às empresas de internet para que todos tivessem acesso ao ensino qualificado. Ficar procurando wifi do amigo é algo desumano para o estudante”, declara a professora.

Luciana Soares também enfatiza a importância da formação dos profissionais da educação neste processo de formação e incentivo dos alunos. “Precisamos também ter um investimento para formar professores alfabetizadores. O mercado de trabalho está tão competitivo que o olhar está para além das competências, habilidades, atitudes, idiomas, formação e, muitas das vezes, se esquece que ler e escrever bem é que farão diferença na entrada em uma boa empresa, por exemplo”, acrescenta a professora de pedagogia.

Esse retrocesso ocorreu em detrimento não apenas da pandemia, como também a falta de políticas públicas favoráveis e decisivas para que o processo de ensino da alfabetização no Brasil não sofresse o impacto tão significativo, afetando a vida de milhares de crianças.

LEIA TAMBÉM: Bienal do Livro retorna em 2021 de maneira híbrida e com uma curadoria coletiva

LEIA TAMBÉM: Acesso à educação: populares disparam comentários no Twitter acerca da pane do Whatsapp

Luiz Guilherme Reis – 2° período

Com revisão de Bárbara Souza – 8° período

1 comentário em “Levantamento da FGV aponta retrocesso da alfabetização no Brasil

  1. Pingback: 1° Prêmio Universitário de Jornalismo da UVA será lançado no dia 27 de outubro homenageando Luís Carlos Bittencourt | Agência UVA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s