Saiba o que um museólogo faz e conheça as ações educativas do MNBA

Falar de museus é falar somente de obras de arte e galeria? No Museu Nacional de Belas Artes, o trabalho vai muito além. Todo esse conjunto não seria possível sem os curadores e os museólogos, e o MNBA tem a sorte de ter a competente e sempre elogiadíssima Cláudia Rocha. Ela ocupa o cargo de chefia da Divisão Técnica, área responsável pela pesquisa e processamento técnico dos acervos museológicos, arquivístico e bibliográficos do museu.

— Em 2018, completo oito anos que entrei por concurso no Ibram, lotada no MNBA. Mas já trabalhei como contratada e também como estagiária. Aliás, foi aqui o meu primeiro estágio em Museologia.

Cláudia Rocha - Museóloga (Foto - Felippe Naus)

Cláudia está sempre atenta e antenada em seu local de trabalho. Foto: Felippe Naus

Oito anos parece pouco, mas já é muito para Cláudia. Estagiária, colaboradora concursada, que antes de se tornar a chefe da Divisão Técnica, trabalhou por um bom tempo na Seção de Registro.

— Fui responsável durante sete anos pela Seção de Registro do MNBA. O setor lida com as aquisições de obras de arte e com os empréstimos de curta e longa duração. A seção documenta as aquisições cuja maior parte é pelo modo de doação, bem como as identifica e insere no banco de dados. Também documenta as solicitações de empréstimos nacionais e internacionais, atividade de grande fluxo de ações que mobiliza setores da Divisão Técnica e da Coordenação de Conservação — conta.

Cláudia Rocha mediando uma reunião em seu espaço de trabalho no museu (Foto - Felippe Naus)

Cláudia mediando uma reunião em seu espaço de trabalho no museu. Foto: Felippe Naus

Cláudia explica que a função do museólogo mudou com o passar do tempo e que, cada vez mais, é necessário que esse profissional identifique e reconheça potenciais repertórios de memória fora dos espaços tradicionais de conhecimento e cultura.

— A ideia de preservação está para além da manutenção do bem cultural. Ela inclui também a imaterialidade do conhecimento, das relações e saberes em torno de um determinado objeto ou bem cultural — afirma.

Perguntada sobre as principais características que um museólogo precisa ter, Cláudia é direta e firme ao responder:

— Sensibilidade para as questões da memória e patrimônio, que se cultiva com a constante busca do conhecimento e aperfeiçoamento.

Trabalhar na área de museus é ter a possibilidade também de exercer a tarefa de courier, como explica Cláudia.

— Se constitui em tarefa de grande responsabilidade, pois o técnico deve supervisionar e acompanhar a obra de arte até a sua instalação no espaço expositivo. O courier é o guardião da obra de arte e identifica se a obra chegou sem alterações no local a ser exposta.

Sobre viagens, ela diz já ter feito várias nessa função, nacionais e internacionais, mas a mais interessante, segundo a museóloga, foi levar uma obra do artista Vitor Meirelles a um museu na cidade de Oostend, no interior da Bélgica, no período das comemorações do Ano do Brasil na Europa, no Festival Europalia.

— Foi interessante ver tantas exposições sobre o Brasil fora do país e ver como se mobilizou pessoas, conversas e matérias na imprensa sobre o nosso país —  aponta Cláudia.

Visitar uma instituição museológica é como a leitura, uma visita à história, um hábito a ser cultivado. Mas para Cláudia há um pesar nisso.

— Infelizmente, temos muito museus concentrados na região sudeste, em áreas nobres, e uma população grande com dificuldade de acessibilidade a esses lugares. Distância e preço da condução constituem-se em grandes dificuldades, assim como o desconhecimento desses lugares e consequente ausência de hábito.

Para que seja mudado esse cenário, Cláudia aposta na educação. É a escola que, normalmente, consegue chegar a essa população e proporcionar ao menos uma visita a um museu. E cabe ao museu despertar o encantamento da criança para esses espaços, para bem recebê-la e fazê-la voltar para uma nova visita com a sua família.

Ações Educativas

É a partir desse pensamento que entra a área do Setor Educativo do MNBA, com suas atividades e projetos visando à promoção da cidadania cultural, entendida como o acesso democrático ao universo artístico do nosso patrimônio cultural.

Nesse sentido, ocorrem ações nas Galerias de Arte Brasileira dos Séculos XIX e de Arte Brasileira Moderna e Contemporânea, procurando atender aos mais diferentes públicos, em diversos projetos, de forma a diminuir barreiras, estabelecendo uma relação dialógica.

Existem também quatro projetos para diversos públicos, que são:

  • Visita ao acervo do museu: Mediações voltadas para grupos de instituições escolares da rede pública e privada, e ONGs que possuam uma ação educativa. Essas visitas mediadas objetivam promover a construção de significados e novos olhares no espaço expositivo;
  • Todo mundo no museu: Este projeto contempla visitas mediadas para famílias, com jogos e brincadeiras, nas Galerias do Museu, com objetivo de articular arte, cultura e lazer. Ao apreciarmos uma obra de arte, nos despimos do olhar cotidiano e abrimos espaço para novos significados;
  • Oficina para professores: Discutir sobre o papel do museu na educação, conhecer o MNBA, fornecer subsídios para que o professor crie estratégias pedagógicas para trabalhar o acervo do MNBA em suas aulas e incentivar a visitação ao museu;
  • Projetos inclusivos: Ver e Sentir através do Toque: projeto experimental de acessibilidade estética. Consiste em visitas mediadas com grupos de cegos e videntes, utilizando estímulos sensoriais diversos, a fim de provocar o diálogo e a troca de impressões, lembranças, comparações, tornando a visita ao museu uma experiência enriquecedora para todos os visitantes do grupo.

Leia também:

Arte, conhecimento e pesquisa: MNBA é fundamental no panorama museológico latino-americano

Passeando pelo Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro

Conservando e restaurando obras de artes

Assessoria de imprensa do MNBA cuida dos canais de comunicação do museu

Trilhando o caminho do sucesso a partir do estágio em Museologia

Visitando museus do mundo sem sair de casa pelo Google Art Project


Esta reportagem é parte do Trabalho de Conclusão de Curso em Jornalismo “Arte, pesquisa e conhecimento  — Um passeio pelo Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro”, de Felippe Naus, na Universidade Veiga de Almeida

6 comentários sobre “Saiba o que um museólogo faz e conheça as ações educativas do MNBA

  1. Pingback: Arte, conhecimento e pesquisa: MNBA é fundamental no panorama museológico latino-americano | AgênciaUVA

  2. Pingback: Visitando museus do mundo sem sair de casa pelo Google Art Project | AgênciaUVA

  3. Pingback: Trilhando o caminho do sucesso a partir do estágio em Museologia | AgênciaUVA

  4. Pingback: Assessoria de imprensa do MNBA cuida dos canais de comunicação do museu | AgênciaUVA

  5. Pingback: Conservando e restaurando obras de artes | AgênciaUVA

  6. Pingback: Passeando pelo Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro | AgênciaUVA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s