Geral Participe da notícia Sociedade

Museu da cachaça: O sabor tipicamente brasileiro

Uma casa pequena, localizada no município de Paty do Alferes, Região do Vale do Ciclo do Café, no Rio de Janeiro. É onde se encontra o Museu da Cachaça, aberto de terça à domingo, a entrada custa apenas R$1,50 por pessoa, e é, provavelmente, um dos melhores passeios da cidade.

DSC_0065A visita tem início com a mostra de uma vasta coleção de aguardente de marcas variadas de todo país, onde também é possível encontrar rótulos singulares. A sequência da visita é guiada, logo na sala seguinte é explicado sobre o preparo feito no mini laboratório, desde análise, sabor e impurezas, além de tempo de armazenamento de cada produto, entre cachaça pura, licores e batidas. A fabricação é feita em Minas Gerais, na cidade de Montes Claros, e segue para o local do museu para ser engarrafada e envelhecida. A proxima visita é na Adega, onde são encontrados diversos barris, que se dividem por números e nomes de pessoas que influenciaram nos processos de produção, e se destinam para tipos diferentes de cachaças. O cheiro de Arguardente é presente no local, o que torna a visita mais real e de certa forma, interativa.DSC_0042

O número de visitantes é sempre bem grande e todos se mostram empolgados em conhecer um pouquinho mais do produto. “É um produto tipicamente Nacional que a gente cada dia aprende mais alguma coisa, isso vem desde a época dos escravos, então é interessante você ter mais um conhecimento do produto. Apesar de eu não ser um bebedor de cachaça, mas é sempre bom a gente aprender um pouco mais” disse o carioca Gustavo Trota, que foi na cidade à passeio.

Ao final da visita é possível provar alguns sabores de licor, batida e cachaça, que também estão à venda na lojinha do museu, onde o atendimento é feito pelo Luiz, que nos conta o quanto aprende e gosta de conviver no meio de um público tão diversificado e extenso, que possui um único ideal: conhecer o produto nacional.

Os sabores disponíveis no momento são aguardente pura: branquinha, 2 anos, 5 anos, 10 anos e 20 anos. Aguardente com sabor, mais suave: canela, cravo com canela, laranja, banana, caramelada, com melado de cana, mel e limão, tomate, xiboquinha (mel, limão, gengibre, cravo com canela). Licores: gengibre, maracujá, pequi, jenipapo, jabuticaba, abóbora, goiaba e amêndoa. Batidas: amarula, café com creme, amendoim. E visa-se a possibilidade de mais quatro novos sabores de cachaça: ouro, prata, blend, e um sabor doce, que provavelmente será de banana.

DSC_0019

Por: Natália Nunes

Agência UVA é a agência experimental integrada de notícias do Curso de Jornalismo da Universidade Veiga de Almeida. Sua redação funciona na Rua Ibituruna 108, bloco B, sala 401, no campus Tijuca da UVA. Sua missão é contribuir para a formação de jornalistas com postura crítica, senso ético e consciente de sua responsabilidade social na defesa da liberdade de expressão.

1 comentário em “Museu da cachaça: O sabor tipicamente brasileiro

  1. Giancarlo Vieira

    Excelente matéria, parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s