Bolsonaro reduz impostos sobre videogames no Brasil

O presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que reduz os impostos sobre jogos eletrônicos e acessórios relacionados nessa última quinta-feira (15). Com a mudança, as alíquotas de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) em cima dos videogames, que antes variavam de 20% a 50%, agora passam a ficar entre 16% e 40%.

Consoles e máquinas de jogos eletrônicos tiveram o seu IPI reduzido de 50% para 40%. Acessórios e partes de videogames tiveram uma diminuição de 40% para 32%. Máquinas e partes de videogames portáteis ou com telas incorporadas contaram com uma redução de 20% para 16%.

A expectativa é de que a redução dos impostos movimente o mercado dos jogos eletrônicos.

Bolsonaro se pronunciou publicamente a respeito do decreto em sua conta oficial no Twitter na manhã desta sexta-feira (16). “Sei que é pouco, mas temos que seguir critérios. Acredito que o volume arrecadado não deva se alterar, tendo em vista o aumento da demanda”, comenta o presidente.

A redução de impostos sobre os videogames vem sendo uma pauta bastante corriqueira no governo do atual presidente. Além deste caso, o plenário do Senado Federal também se encontra analisando a aprovação da PEC 51/2017, que pretende isentar de qualquer imposto os jogos e consoles eletrônicos fabricados dentro do Brasil.

A reação do público em relação a essa nova mudança vem sendo bem conflitante, principalmente entre os fãs mais assíduos de jogos eletrônicos. Para a estudante de psicologia, Shelen Vale, existem outros problemas a serem tratados com mais urgência. Já para o aluno de publicidade, Lucas Mertens, a redução é positiva, pois “pode gerar uma maior circulação de dinheiro e oportunidades de investimento na área”, comenta.

Rhuan Bastos – 6° período

Insegurança em Niterói: morte de adolescente no início da semana choca moradores

A quantidade de inocentes mortos pela Polícia Militar (PM) aumentou. Na última segunda feira (12), Dyogo Costa Xavier de Brito, de 16 anos, foi morto com um tiro de fuzil nas costas, após uma operação policial nas comunidades de Niterói pela manhã, sendo Grota uma delas, onde o adolescente morava.

Dyogo era jogador de futebol do time sub-17 do América e estava a caminho do treino quando levou o tiro. Os policias afirmaram que ele era traficante, mas, segundo o avô Cristóvão Brito, ele carregava na mochila sua chuteira, sandália e dinheiro, pertences que sumiram.

Polícia Civil declarou que policiais militares envolvidos na operação que mataram o adolescente serão chamados para prestar depoimento. (Foto: Reprodução/Twitter)

O adolescente foi socorrido pelo próprio avô e faleceu a caminho do hospital. Na comunidade, ele era conhecido como menino Coutinho e por seguir seu sonho de ser jogador, tendo como inspiração Cristiano Ronaldo. Onde vivia foram feitos protestos contra sua morte e o morador de Niterói, André Luiz Cruz, considera ter sido despreparo total das autoridades.

“Um absurdo os jovens sendo mortos sem nenhuma relevância para os policiais. Ninguém devia perder o direito de viver à toa”, desabafa.

Assim como André, a moradora Renata Duarte acredita que a polícia deveria planejar melhor os procedimentos das operações, pois acha que são instrumentos essenciais para o combate à violência.

“Inocentes ficam entre o enfrentamento de policiais e bandidos. Desse modo, essas pessoas ficam desprotegidas e o objetivo da operação se desfaz.”, declara.

Dyogo deixou, além do avô; duas irmãs mais novas por parte de pai; a mãe Josyane Costa, de 32 anos; o irmão Ryan de 12 anos; tios; amigos e o sonho de ser um jogador de futebol famoso.

Anna Clara Magalhães – 6° período

Privacidade de dados na internet: a questão que todos precisam saber

Novo documentário da Netflix sobre desinformação na internet, The Great Hack – ou Privacidade Hackeada – evidencia a temática e retoma a discussão sobre um dos casos mais enigmáticos da nossa era virtual: o da utilização de dados de mais de 87 milhões de usuários para manipulação em campanhas eleitorais pela Cambridge Analytica. A revelação em março de 2018 – a partir de uma investigação jornalística dos jornais New York Times e The Guardian – de que a empresa obteve ilegalmente informações por meio do Facebook, colocou também a rede social no pano de fundo de uma extensa polêmica desde então.

A partir de testes de personalidade realizados no Facebook – mídia que hoje conta com mais de 2,3 bilhões de usuários diários – a empresa britânica Cambridge Analytica traçou minuciosamente perfis psicológicos de eleitores dos Estados Unidos, na campanha do então candidato à presidência Donald Trump e, no Reino Unido, na campanha de saída do país da União Europeia (episódio conhecido como Brexit). Não obstante, os métodos da empresa também atingiram outras campanhas políticas ao redor do mundo como a de Trindade e Tobago (2009) e a da Argetina (2015) – casos também destacados no documentário.

Capa do documentário americano The Great Hack (Privacidade Hackeada, em português)

Apesar de ter anunciado o fim de suas operações meses após o escândalo, as possíveis implicações morais e legais da atuação da Cambridge Analytica ainda são objeto de investigação. Recentemente, foi divulgado que um aplicativo que utiliza inteligência artificial para modificar o rosto das pessoas de forma cômica, poderia ser terrivelmente nocivo no que se refere à privacidade, o que preocupou muitos usuários brasileiros. Será que realmente há privacidade no mundo virtual? Até que ponto nossos dados estão 100% seguros?

Para o diretor do centro de pesquisa em direito e tecnologia InternetLab, Francisco Brito, a resolução desse problema deve partir, sobretudo, do governo. “É papel do Estado regular e proteger o cidadão. O usuário deve estar mais atento sim, mas é importante não culpabilizá-lo pelos problemas de mau uso de seus dados”, afirma Francisco. Nesse sentido, ele destaca a importância da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) no Brasil, legislação aprovada em 2018, mas que só entrará em vigor a partir de agosto de 2019. “Acho que ela protege o cidadão a medida que implementa regras básicas, como a necessidade de consentimento ou regulamentação de hipóteses em que a permissão não é requerida”, diz o diretor.

Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso em foto gerada pelo aplicativo FaceApp

Os recentes avanços da inteligência artificial, possibilitados pelo extenso número de dados disponíveis e, sobretudo, pelos algoritmos avançados, também facilitam as táticas corporativas de marketing que miram o usuário. Dessa forma, produções como o documentário Privacidade Hackeada são importantes para conscientizar os cidadãos acerca da temática, como comenta a pesquisadora de tecnologia e comunicação Adriane Figueirola: “Isso tudo nos faz pensar, nesse momento ainda muito incipiente, que cada vez mais as estratégias serão hiper segmentadas e que os dados podem ajudar muito o marketing a usar metodologias precisas para atingir o funil de vendas”, comenta Adriane.

Leandro Victor – 7º período

WhatsApp e Instagram vão mudar de nome

O WhatsApp e o Instagram serão renomeados e chamados de “WhatsApp do Facebook” e “Instagram do Facebook”. A mudança tem como objetivo que os usuários saibam que ambos os aplicativos pertencem ao Facebook. A confirmação veio da própria empresa através do site The Verge. “Queremos ser claros sobre os produtos e serviços que são parte do Facebook”, disse a companhia em comunicado oficial.

Inicialmente, os aplicativos não terão seus nomes trocados no display dos dispositivos dos usuários, mas nas lojas digitais sim. A troca será realizada tanto na Google Store do Android quanto na App Store da Apple. A Oculus, que também faz parte do conglomerado de Mark Zuckerberg, foi a primeira a receber a mudança em seu nome.

A Oculus é uma empresa focada em realidade virtual. (Foto: Reprodução/Oculus)

Usuária frequente de ambos os aplicativos, Sara Aragão comenta sobre a mudança: “Eu, pessoalmente, não gostei tanto dessa alteração nos nomes. Primeiro porque não tem uma boa sonoridade e segundo que todo mundo vai continuar chamando os aplicativos pelos seus nomes atuais. Afinal, houve apenas uma adição”, disse Sara.

O Facebook comprou o Instagram em 2012 pagando US$ 1 bilhão. Já em 2014, foi a vez do WhatsApp ser adquirido pelo valor total de US$ 22 bilhões.

Breno Silva – 7° período

Apple suspende programa que avalia gravações feitas por usuários através da Siri

A Apple revelou na última semana de julho/19 que contrata prestadores de serviços para ouvir gravações da assistente virtual Siri. O fato foi veiculado em uma reportagem feita pelo The Guardian, ressaltando que é possível ouvir detalhes particulares dos usuários.

O ponto principal da reportagem, de acordo com um dos empregados que trabalhou para o veículo, é que ativações acidentais da Siri podem também ser gravadas e enviadas para os prestadores de serviço. Assim, eles poderiam ouvir informações pessoais dos clientes, que foram transmitidas sem essa intenção.

De acordo com a reportagem, as gravações são guardadas e enviadas para a prestadora de serviços com o objetivo de estudar e analisar os padrões de falas das pessoas. Dessa forma, seria possível melhorar a capacidade de escuta e de interpretação da Siri.

Siri é a assistente virtual da Apple (Foto: Banco de Imagens/Google)

“Já houve inúmeros casos de gravações com discussões privadas entre médicos e pacientes, acordos de negócios, acordos aparentemente criminosos, encontros sexuais e por aí vai”, disse o informante. “Estas gravações são acompanhadas por dados de usuário mostrando local, detalhes de contato, e dados de aplicativo.”

A fonte também falou que a companhia terceirizada não orienta que seus funcionários mantenham a privacidade dos usuários da Apple, o que poderia gerar consequências ruins. “Se houver alguém com intenções nefastas, não seria difícil identificá-las”, disse a fonte.

Ao site The Verge, a Apple comunicou que está suspendendo temporariamente o processo de avaliação da Siri. “Estamos comprometidos em trazer uma ótima experiência com Siri enquanto protegemos a privacidade de usuários”, diz o comunicado.

“Enquanto conduzimos uma análise aprofundada, estamos suspendendo globalmente a avaliação da Siri. Adicionalmente, como parte de um update de software futuro, usuários terão a habilidade de escolher se participam ou não da avaliação”, disse a empresa.

A Amazon e o Google também possuem programas de avaliação via assistente virtual que analisam gravações de seus usuários. A diferença é que os consumidores escolhem se querem ou não participar do processo.

Breno Silva – 7° período

Bandai Namco anuncia lançamento de estúdio para desenvolvimento de jogos mobile

A Bandai Namco Entertainment anunciou que irá abrir um estúdio direcionado para o desenvolvimento de jogos mobile. O estúdio, chamado de Bandai Namco Mobile, será estabelecido em Barcelona, na Espanha, com o objetivo de criar, desenvolver e distribuir jogos para dispositivos móveis para mercados além do asiático.

O Diretor de Operações da Bandai, Tatsuya Kubota, comentou sobre a nova empreitada da companhia: “A escolha de se estabelecer em Barcelona não foi difícil. A cidade não é apenas uma das mais bonitas no mundo, mas também é um pólo para desenvolvimento de videogames internacionais e lar para o melhor talento que a indústria mobile pode oferecer.”

A Bandai Namco é uma desenvolvedora japonesa fundada em 2006. (Foto: Bandai Namco/Divulgação)

Dentre as propriedades intelectuais de posse da Bandai Namco estão títulos como: Naruto, One Piece e Dragon Ball. A expectativa é que essas marcas ganhem jogos pelo estúdio, que deve ser inaugurado em 2020, após importantes contratações.

Breno Silva – 7° período

Música e saúde mental: uma parceria importante

Letras de música abordam temas como depressão e ansiedade, e se tornam grandes aliadas nos tratamentos de saúde

Não é novidade a utilização da música de forma terapêutica nos mais diversos ramos da psicologia. A própria técnica, conhecida como musicoterapia, além de auxiliar no tratamento de problemas físicos, emocionais, mentais e sociais, contribui também para desenvolver as mais diversas habilidades do paciente. Ela continua sendo uma das terapias complementares mais procuradas para tratamento e reabilitação.

Aos poucos, além da musicoterapia, a música passou a exercer um outro papel. Muitos artistas demostram cada vez mais interesse em expor nas canções temas que possam se aproximar das experiências do público. Para a psicanalista Thamires Gracio, é preciso lembrar que muitas pessoas precisam de ajuda, mas acabam não indo atrás dela e a música pode ajuda nesse processo.

“São casos como este, em que músicas que abordam temas como autoestima, ansiedade, convívio social e saúde mental em geral, se tornam não só importantes, mas essenciais”, conta Thamires.

A profissional explica que toda a situação é vista como “mais fácil” de ser enfrentada a partir do momento que envolve música. “Faz parte de todos nós. É muito mais confortável encarar seja qual for a situação de uma maneira mais regular, sem envolver elementos de grande novidade, que podem acabar assustando e gerando um sentimento de negação no paciente, causando o subsequente afastamento do mesmo”, analisa.

“É muito comum dizer que só melhoramos de alguma coisa quando ouvimos músicas, não?”, questiona Cynthia Lopes, engenheira de 26 anos, que afirma ser hiperativa e ter dificuldade para se concentrar em várias tarefas. “Parecia impossível ler qualquer coisa que demandasse mais que cinco minutos”, conta. Por meio de recomendação de diversos colegas, ela passou a ouvir músicas mais calmas antes de iniciar tarefas que exigiam uma dedicação maior e melhorou a concentração.

“É algo de outro mundo, como uma meditação mesmo: a mente esvazia por um tempo, e você se abre para novas informações. Eu realmente me sinto mais capaz de ‘botar alguma coisa dentro da caixinha’”, diz Cynthia.

A psicanalista Thamires explica que a música está diretamente relacionada às lembranças. “Se você foca nas lembranças mais positivas, a mente consegue atingir uma área de expansão. Você se sente pronto para formar novas lembranças e adquirir novas experiências, pois sua mente já efetuou uma ligação positiva quanto a isso”.

O publicitário Lucas Rodrigues sabe bem como a música pode ajudar. “Eu tenho o costume de criar playlists para tudo e todos. Assim como possuo uma específica para atividades físicas, para leituras e viagens de metrô, criei também uma para meus amigos e para o meu namorado. Tudo isso acaba me deixando muito mais disposto e otimista para fazer seja lá o que eu deseje. Criei até mesmo uma para cozinhar, e eu nem sequer cozinho… ainda!”, conta Lucas.

A psicanalista Thamires explica ser admirável artistas tão reconhecidos abordarem essas questões de tamanha importância em seus produtos. “É algo muito grandioso, e de uma generosidade enorme. Não existe uma necessidade na indústria de que eles lancem materiais que de fato se aproximem das experiências psicológicas do público e, ainda assim, muitos artistas fazem questão de compartilhar suas histórias”.

A estudante de letras Ana Beatriz Siqueira complementa esta ideia, ao lembrar das letras da artista Sabrina Carpenter. “Eu sempre fui muito fã, acompanhei a carreira dela desde o início, mas só atualmente eu percebi a enorme ajuda que ela havia me proporcionado, por meio das suas músicas”. A jovem cita a canção Exhale como exemplo, pois a ajudou a enfrentar a luta diária contra a depressão.

“Ouvir esse single me fez perceber que eu não sou a única a passar por isso. Que essa ‘falta de ar’ não é algo único meu, e que se uma artista como ela passa por isso e consegue superar, eu também conseguiria”, comenta a estudante.

A ansiedade é uma questão comumente abordada em muitos dos hits atuais. O estudante do ensino médio Bruno Carvalho é um dos que sofrem com crise de ansiedade e crise do pânico, e acredita que a música pode ser uma grande aliada na melhora do quadro de saúde. Para ele, apesar de diversos cantores enxergarem a abordagem da ansiedade nas letras das músicas como uma oportunidade de chegar nos primeiros lugares das rádios, essas letras tem ajudado muitas pessoas. 

Para o produtor musical Thiago Lima, de 29 anos, esse tipo de temática se tornou uma questão popular e lançar músicas que envolvam algo que a sociedade está diariamente enfrentando traz uma maior possibilidade de sucesso. No entanto, para ele, também não se pode negar que esse tipo de música genuinamente traz ajuda e amparo àqueles que consumem estes produtos.

“Não é algo egoísta, muito pelo contrário. Sendo a maior intenção o sucesso ou não, se de fato isso colaborou com a ajuda de um caso, que seja, já é um passo inteiramente positivo quanto à sociedade”, comenta o produtor.

Vale ressaltar que a música não pode ser o único tratamento. De acordo com Thamires, apesar de grande suporte em qualquer questão, as músicas podem não ser o suficiente para uma melhoria absoluta. “É sempre necessário fazer uma avaliação profissional. É importante procurar um especialista”, afirma.


John Willians – 9° Período

Segundo jornalista é morto em Maricá

Jornalista do portal ‘Lei Seca Maricá’, Romário da Silva Barros, morre com tiros na cabeça

Na noite de terça-feira (18), Romário da Silva Barros, de 31 anos, foi atingido dentro do carro, na cidade de Araçatiba, em Maricá. O caso ainda está sendo investigado mas, segundo a perícia, o jornalista foi vítima de três tiros na região da cabeça. As causas do crime ainda não foram mencionadas.

Romário é o segundo jornalista morto em menos de um mês. No dia 25, o dono do jornal “O Maricá”, Robson Giorno, também foi assassinado. Ambos eram conhecidos por noticiar questões políticas da região.

Jornalista Romário da Silva Barros assassinado na última noite (18)
(Crédito: Foto Reprodução/Facebook)

 

Em nota oficial, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro repudiou o assassinato de Romário da Silva Barros e garantiu que nada vai calar a liberdade de Imprensa e o exercício da profissão. “É hora de dar um basta na violência, na intolerância, naqueles que acham que pela força, pela violência, pelo assassinato, vão calar os jornalistas”.

Pronunciamento oficial da Prefeitura de Maricá:

“A Prefeitura de Maricá vem a público manifestar a sua indignação e o seu repúdio a mais esse ato de violência contra um jornalista da cidade. Investigação imediata e a identificação e punição dos responsáveis é urgente para a população de Maricá. Um atentado contra a liberdade de expressão”.


Priscilla Romana – 7° Período

Tentativa de assalto termina em morte na zona norte

Mulher morre na madrugada de quarta-feira após tiroteio em ônibus. Bandidos conseguiram fugir

A vítima foi morta após uma tentativa de assalto na zona norte do Rio, no bairro de Campinho. Por volta de 4h 30min o ônibus em que estava a mulher, foi abordado por dois homens. O tiroteio começou quando dois policiais à paisana avistaram os bandidos dentro do veículo. O crime aconteceu na rua Intendente Magalhães, na linha 383 (Realengo-Praça da República), segundo o G1.

No instante do tiroteio, uma pessoa morreu no local e outras duas foram levadas ao hospital. A mulher morta já foi identificada, e estava indo para o trabalho no momento do acidente.

Ônibus da mesma linha em que ocorreu a tentativa de assalto.
Fonte: Google Maps

As vítimas feridas relataram que a arma seria de brinquedo. Parentes dos dois homens feridos aguardavam atendimento no Hospital Salgado Filho até as 9h20min de hoje. Familiares tentam a transferência dele para hospital particular.

Policia Militar iniciará investigações quanto ao crime.

Priscilla Romana -7° Período

Campanha de vacinação contra gripe é aberta ao público geral

Vacinação será aberta aos demais sem restrição nos postos do SUS e foi prorrogada até finalizar o estoque

A partir desta segunda-feira (3), a vacinação contra a gripe será aberta a todos e não mais ao grupo de prioridades. O estado do Rio de Janeiro será o único que manterá para o público prioritário. Após quase dois meses de vacinação, o Ministério da Saúde notou que 0% da população não estava imune e com isso postergou o prazo até esgotarem o armazenamento.

Saiba mais sobre a gripe: causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção

Dados de vacinação dos estados brasileiros (Fonte: Divulgação/Ministério da Saúde)

Segundo o Ministério da saúde, os grupos prioritários tiveram entre os dias 10 de abril e 31 de maio para se vacinar com exclusividade, e devido a isso, eles prorrogaram a campanha e abriram aos demais.

Saiba mais: Dia D de vacinação contra a gripe 2019 é nesse sábado (4)

O grupo prioritário anteriormente abrangeu:

  • Mulheres que em 45 dias deram a luz,
  • Crianças de até 6 anos,
  • Idosos,
  • Pessoas com doenças crônicas,
  • Professores,
  • Indígenas,
  • Profissionais da área de saúde

 


Priscilla Romana – 7° Período