Saúde

Obesidade infantil: Brasil pode ocupar a vaga da 5ª posição no ranking de obesidade infantil no ano de 2030

Hábitos alimentares incorretos e sedentarismo, influenciam bastante para o surgimento da doença.

A obesidade é uma das doenças mais frequentes em todo o mundo, causada principalmente pela grande quantidade de gordura presente no corpo, trazendo más consequências à saúde. Segundo o Atlas Mundial da Obesidade, o Brasil estará ocupando a vaga da 5ª colocação no ranking de países com maior número de crianças e adolescentes em situação de obesidade, no ano de 2030. Isso vai acontecer porque muitas pessoas ainda não conseguem compreender a gravidade da doença, principalmente quando é encontrada em uma criança e necessita ainda mais cuidados.

Durante o isolamento social, muitas crianças precisaram ficar em suas casas por conta da pandemia, e, assim, não faziam muitas atividades que favorecessem a sua saúde. Com a ansiedade existente, o consumo de alimentos calóricos para aliviar a tensão foi um dos fatores principais que propiciou o aumento da obesidade infantil e do sedentarismo.

No gráfico produzido pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) é, mostrado a porcentagem de horas em que as crianças passaram praticando diversas atividades, e também o tempo em que estavam sedentárias durante a Covid-19.

( Figura 1: Média da porcentagem de tempo que as crianças passaram realizando as diferentes atividades, atividade física geral e tempo sedentário, durante o distanciamento social, conforme relatado pelos pais / créditos: unifesp.br )

De acordo com a especialista em Endocrinopediatria, Renata Dallago, a pandemia veio como um fator prejudicial na obesidade infantil, pois muitas crianças ficaram sem a prática de atividades físicas, e, por outro lado, aumentaram o uso das telas de aparelhos eletrônicos.

Para Renata, também pode-se considerar um grande vilão para a saúde das crianças a ingestão de alimentos industrializados, como: nuggets, miojo, creme de avelã, refrigerantes, sucos de caixinha, biscoitos recheados, entre outros. Ela ainda enfatiza a importância de alertar os responsáveis sobre a prática de exercícios físicos para o combate da doença.

”A prática de atividades físicas deve ser tratada igual a uma atividade escolar, se tornando obrigatória para as crianças e precisando ser cumprida, pois cada vez mais estão usando aparelhos eletrônicos, e aumentando o sedentarismo”, aponta a especialista

Por fim, a endocrinologista complementa o quanto o cuidado com a sáude é importante. As consequências relacionadas à obesidade infantil podem ocasionar sérios problemas no colesterol (devido a gordura no fígado), problemas no coração, causando a hipertensão, diabetes, entre outros fatores impactantes.

LEIA TAMBÉM: Nos EUA o uso da aspirina em início de tratamento na prevenção de infarto e AVC não é mas recomendado

A nutricionista Paola Reis explica que a obesidade ja é uma epidemia, tendo em vista que de dez crianças a serem atendidas por ela, sete possuem problema de obesidade.

Ela reforça o quanto o aumento dos casos, muita das vezes, tem influência a partir do comportamento familiar do paciente. Ou seja, a falta de tempo dos pais em promover uma refeição de qualidade à essas crianças acabam agravando ainda mais a situação, pois acabam sendo reféns de refeições rápidas e industrializadas.

”Temos um aumento desses produtos alimentícios também nas prateleiras de mercados, associados à propagandas apelativas direcionadas ao público infantil”, afirma a nutricionista

A profissional conclui que o caminho contrário a esse cenário é estudar, cuidar e ajudar o comportamento alimentar da família, dando exemplo a essas crianças de como ter hábitos saudáveis, principalmente se tratando da alimentação.

Conforme os dados expostos pelo Ministério da Saúde em junho de 2021, a estimativa é que 6,4 milhões de crianças tenham excesso de peso no país, e 3,1 milhões já evoluíram para a obesidade. Por isso, vale ressaltar a importância em obter não só uma alimentação saudável, mas, também, hábitos saudáveis no dia-a-dia.

LEIA TAMBÉM: Diversidade omitida: mulheres autistas sofrem com diagnóstico tardio

Maria Clara Coelho – 1º período

Sob revisão de Mayara Tavares – 6º período

0 comentário em “Obesidade infantil: Brasil pode ocupar a vaga da 5ª posição no ranking de obesidade infantil no ano de 2030

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s