Cidade

Chacina no Jacarezinho é a mais letal na história do Rio de Janeiro

Operação da polícia na favela do Jacarézinho deixa 25 mortos e alguns feridos

Na manhã desta quinta-feira (6), o terror aportou na favela do Jacarezinho, comunidade na Zona Norte do Rio de Janeiro, que acordou debaixo de tiros, durante uma ação da Polícia Civil e entrou para a história como a maior chacina já ocorrida na cidade. Até o momento, 25 pessoas morreram baleadas, incluindo um policial civil.

O levantamento é do Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos (Geni) da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da plataforma Fogo Cruzado. As duas instituições contabilizaram as chacinas do Complexo do Alemão (19 mortos, 2007), Catumbi (13 mortos, 2007), Vila Isabel (12 mortos, 2009), Niterói/Barreto (12 mortos, 2010), Complexo do Alemão (12 mortos, 2020) e agora Jacarezinho (25 mortos, 2021) – além de outras, em cidades no entorno do Rio.

“A chacina do Jacarezinho, que até o momento conta com 25 pessoas mortas, é a maior entre as chacinas oriundas de uma operação avalizada pelas autoridades públicas em toda a história democrática do estado do Rio de Janeiro”, diz o comunicado do Grupo de Estudos em seu Twitter.

Mesmo com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de suspender as operações policiais nas favelas durante a pandemia da Covid-19, os agentes ainda podem intervir nas comunidades, porém apenas em “hipóteses absolutamente excepcionais”, e com o aval do Ministério Público (MP).

O MP afirmou, em nota, que foi avisado sobre a operação por meio de um comunicado recebido às 9h, porém, a polícia alegou que a operação começou às 6h. Logo cedo, a plataforma digital colaborativa Fogo Cruzado RJ, que relata dados de violência urbana no Rio de Janeiro, divulgou informações sobre um tiroteio na região. Era o início da operação.

Na região, dois passageiros foram atingidos por bala perdida em uma das composições do metrô, mas foram socorridos. O Metrô Rio interrompeu a circulação da linha 2, e a Supervia suspendeu a atividade de alguns ramais entre as estações mais próximas da comunidade. Três pontos de vacinação contra a Covid-19 foram fechados e também tiveram suas atividades interrompidas.

Em torno de 8h, o LabJac (Laboratório de Dados e Narrativas da Favela do Jacarezinho) publicou nas suas redes sociais vídeos e relatos de moradores da comunidade mostrando o helicóptero da polícia circulando pela área.

O conflito se estendeu por algumas horas. Impossibilitados de sair, moradores ainda tiveram suas casas invadidas por traficantes em fuga e policiais. A violência brutal e o cenário de guerra eram explícitos, reataram os moradores. “Tinham até corpos caídos em cima das lajes, mas os policiais não deixaram tirá-los de lá”, conta um residente da comunidade que preferiu não se identificar.

Polícia Civil defende sua ação
Em nota divulgada em suas redes sociais Facebook e Instagram, a Polícia Civil lamentou a morte de um de seus policiais e disse que a “ação foi baseada em informações concretas de inteligência e investigação. Na ocasião, os criminosos reagiram fortemente. Não apenas para fugir, mas com o objetivo de matar”, justificaram.

O subsecretário operacional da Polícia Civil, delegado Rodrigo Oliveira, disse que não houve erros ou excessos na operação, mas que o resultado não é para ser comemorado.

#chacinadojacarezinho nas redes
Nas redes sociais, moradores da região e ativistas de direitos humanos, por meio da hashtag #chacinadojacarezinho, comentaram o fato: “25 mortes não é operação, é chacina”, disse o advogado Joel Luiz Costa, Co-Fundador e Coordenador do Instituto de Defesa da População Negra, que morador do bairro do Jacaré.

Entidades organizadas da sociedade civil também se manifestaram. O Instituto Igarapé, que é um laboratório de ideias focado nas áreas de segurança pública, climática e digital e suas consequências para a democracia, manifestou-se por meio de nota.

“É inaceitável que a política de segurança pública do estado continue apostando na letalidade como principal estratégia, sobretudo em áreas vulneráveis. Privilegiar o confronto indiscriminado coloca nossa sociedade e nossos agentes públicos em perigo. De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), a polícia do Rio foi responsável pela morte de 453 pessoas entre janeiro e março deste ano. O número já representava 36% do total registrado em 2020, quando foram registradas 1.245 vítimas”, diz a nota.

“As primeiras informações dão conta de que a operação no Jacarezinho tinha como objetivo enfrentar uma organização criminosa que seria responsável por homicídios, roubos, sequestros e tráfico. Não se trata de ser conivente com o crime, mas o resultado visto até agora são pessoas mortas, feridas e em pânico, algumas delas surpreendidas em meio à rotina de uso do transporte público e dentro de suas casas. Esse tipo de operação não desarticula grupos criminais, apenas causa dor e gera desconfiança. O impacto social desse caso ainda é inestimável, mas certamente vai durar anos”, pontuou o Instituto. 

Rubert Colville, porta-voz de Direitos Humanos da União das Nações Unidas (ONU), disse, em coletiva de imprensa em Genebra, na Suíça, que a polícia usa a força, historicamente, de forma desproporcional e desnecessária. Ele solicitou, inclusive, uma investigação independente do caso.

“Pedimos que o promotor conduza uma investigação independente e completa do caso de acordo com os padrões internacionais”, disse Colville.

LEIA TAMBÉM: Chacina deixa quatro mortos em bar de São Gonçalo
LEIA TAMBÉM: Morte de dois jovens negros e o julgamento de Derek Chauvin desencadeiam uma nova onda de protestos nos Estados Unidos

Lucas Pires – 7 período

1 comentário em “Chacina no Jacarezinho é a mais letal na história do Rio de Janeiro

  1. Pingback: Farm é criticada em redes sociais após ação de venda com o nome de Kathlen Romeu, jovem assassinada no Rio de Janeiro | Agência UVA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s