Política

Manifestações pela Educação reúnem cerca de 150 mil no Rio

Em maioria, estudantes protestaram contra os cortes na verba destinada ao ensino superior. Protestos aconteceram em 198 cidades do país e em todas as capitais

Em maioria, estudantes protestaram contra os cortes na verba destinada ao ensino superior. Protestos aconteceram em 198 cidades do país e em todas as capitais

Manifestações de protesto contra o governo de Jair Bolsonaro aconteceram na quarta-feira (15) em diversas cidades do país. No Rio de Janeiro, os manifestantes se concentraram às 15h na Praça XV e às 17h em frente à Igreja da Candelária, no Centro do Rio. Entre as principais pautas levantadas, estavam protestos contra os cortes no ensino público superior, anunciados pelo Ministro da Educação, além de oposição à Reforma da Previdência.

LEIA MAIS: MEC anuncia corte de verbas de três universidades federais

Estudantes, professores e outras classes de trabalhadores participaram do ato, que também contou com a presença de conhecidos políticos no cenário carioca, como o vereador Tarcísio Motta, e o recém-eleito Deputado Federal, Marcelo Freixo, ambos do PSOL. A estudante Mariana Brandão, do Colégio Pedro II, saiu de Niterói para participar do ato no Centro do Rio, e destacou a importância da participação da juventude nos atos em defesa da Educação:

“É responsabilidade nossa, que somos afetados por essa política de corte de gastos, de vir aqui mostrar indignação. O governo arruma dinheiro para dar crédito para fazendeiro, banqueiro, mas não quer as universidades e escolas”, disse a estudante.

IMG_3877
Ato concentrado em torno da Candelária; Guarda Civil precisou fechar a Avenida Rio Branco para circulação de carros. Fonte: Victor Leal/Agência UVA

LEIA MAIS: Cortes na educação: estudantes de vários estados vão as ruas protestar

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro afirmou em entrevista que os estudantes que participavam dos atos pelo Brasil seriam “idiotas úteis” e “massa de manobra”. Na multidão, muitos cartazes de protestos contra Bolsonaro relembrando frases e ações polêmicas do político. Havia também, em menor número, cartazes contra o atual prefeito do Rio, Marcelo Crivella, e o governador Wilson Witzel.

Além das principais pautas, os manifestantes questionaram também as ações violentas da polícia e do exército atuando na cidade, em especial no caso da morte do músico Evaldo Rosa, fuzilado com 80 tiros que partiram de oficiais militares.

Além do mais recente, a morte do professor de jiu-jitsu Jean Rodrigo da Silva, após troca de tiros no Complexo do Alemão. No palanque, onde alguns líderes de movimentos sociais discursaram, também houve lembranças ao assassinato da vereadora Marielle Franco, ainda não solucionado após mais de um ano. E em núcleos menores, manifestantes se demonstraram contrários à prisão do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

IMG_3861
Além de estudantes, professores e trabalhadores terceirizados protestaram contra a Reforma da Previdência. Fonte: Victor Leal/Agência UVA

LEIA MAIS: Entenda como funciona a Previdência Social no Brasil

Estiveram presentes núcleos estudantis da Universidade Federal Fluminense, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), com baterias, bandeiras e palavras de ordem. A estudante de Matemática na UFF, Anna Beatriz, falou sobre os temas abordados e a importância das universidades federais para a pesquisa científica no país:

“Tirar verba da Educação não prejudica só alunos, professores e terceirizados, afeta também o desenvolvimento, as pesquisas realizadas nos centros universitários. Mas as pessoas acham que é só verba para gente ficar de bobeira, acham que é bagunça. Além disso, é importante fazer desse ato, um ato geral contra o governo. Tem muita coisa absurda acontecendo, e ainda para acontecer”, disse Anna Beatriz.

Em outras áreas da cidade, “aulões” ocorreram juntando professores e alunos de escolas públicas e privadas, que também aderiram à manifestação. Bairros como Largo do Machado, Leblon, Tijuca, Ilha do Governador, Taquara e Campo Grande tiveram ‘aulas na rua’. Na Saens Pena, Tijuca, alunos e professores da escola Oga Mitá se reuniram para protestar. Até crianças do Ensino Fundamental I participaram, construindo cartazes.

20190515_121808
Alunos e professores da escola Oga Mitá, na Tijuca, reuniram-se para manifestar-se. Até as crianças do Ensino Fundamental I participaram, construindo cartazes. Foto: Daniela Oliveira/Agência UVA

Futuramente, ainda sem confirmação, poderá ocorrer outra grande manifestação, no mês de junho. Segundo os organizadores, o ato desta quarta-feira teria reunido cerca de 150 mil pessoas.

Segundo o G1, os protestos aconteceram em 198 cidades do país e em todas as capitais.

IMG_3873
Protestos pacíficos durante a maior parte do tempo, porém houve pequena confusão no fim do dia, próximo do Pantheon Duque de Caxias. Fonte: Victor Leal/Agência UVA
IMG_3830
Movimento se concentrou na Praça XV e caminhou até a Candelária; posteriormente, se dirigiram à Central do Brasil. Fonte: Victor Leal/Agência UVA

LEIA MAIS: Especialista analisa alterações feitas pelo MEC nos investimentos em instituições federais


Victor Leal – 7º período

1 comentário em “Manifestações pela Educação reúnem cerca de 150 mil no Rio

  1. Pingback: 15 de maio de 2019: confira fotos da manifestação no Rio de Janeiro | Agência UVA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s