Famílias mudam suas visões acerca do autismo depois do diagnóstico

Clarice Otoni, mãe do menino Heitor (ambos na foto), conta que tinha um pensamento bem fechado em relação à condição

Para Clarice Otoni, o diagnóstico do autismo do filho Heitor de sete anos, veio a partir de uma alergia alimentar, que está correlacionada ao espectro em algumas linhas de pesquisas. “Meu filho hoje estuda, está no 2° ano do Ensino Fundamental e não possui atraso cognitivo. Ele tem as limitações de comunicação, mas adora brincar e com as terapias a percepção dele em relação ao mundo é bem melhor”. Ela conta ainda que antes de estar inserida nesse contexto do autismo tinha um pensamento fechado em relação à condição. “Minha visão do autista era aquela criança que ficava isolada e se balançava. É um processo para entender”, reflete.

heitor

Clarice Otoni e o filho Heitor, de sete anos. Visão mudou a partir do conhecimento da condição do filho. Foto: Arquivo pessoal

Já Renata Lucas conta que seu filho Luís, de dez anos, sabe que tem autismo, mas não consegue entender porque as pessoas não o chamam para festa de aniversário:

“Meu filho é uma pessoa muito boa, chama todo mundo de amigo e fica muito triste quando o chamam de maluco. Mas o pior é nunca ser chamado para comemorações, ele ama festas e sente a rejeição das pessoas”, diz Renata.

luis

Renata Lucas conta que o filho Luís, de 10 anos, normalmente não é convidado para festas de aniversário de outras crianças.  Foto: Arquivo pessoal. 

 

 

 

 

 

Clarice Otoni, mãe de Heitor, conta que as pessoas não entendem certas atitudes e, sem conhecimento, acabam ofendendo a criança ou a família. “Certa vez eu e Heitor estávamos em uma loja de colchões, quando meu filho começou a pular em cima de um deles. Autistas gostam de pular e se balançar. Foi então que veio uma mulher e disse que ele era desobediente. As pessoas, por desconhecimento, acabam excluindo os autistas e os entendendo como birrentos” explica.

Por todos esses motivos, conhecer o autismo é importante para a sociedade como um todo.

LEIA TAMBÉM: A segunda temporada de “Atypical” e a importância de se entender o autismo


Tainá Valiati – 7° período

Um comentário sobre “Famílias mudam suas visões acerca do autismo depois do diagnóstico

  1. Pingback: O mundo azul precisa do seu amor | AgênciaUVA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s