Comportamento Cultura Entretenimento Entrevistas Participe da notícia

Ninguém Faz Samba só Porque Prefere

O Imperator – Centro Cultural João Nogueira, localizado no Méier, é um dos pontos mais importantes de cultura da Zona Norte e do Rio de Janeiro. Tendo suas operações suspensas durante um tempo, o espaço ficou inativo. Querendo a volta do espaço cultural, os moradores do Meier organizaram um movimento para reativar o local. Depois disso, seu nome foi modificado.

Um dos atrativos do local é, atualmente, uma mostra do que fora a exposição “Nó na Madeira”. Trata-se de uma exposição de objetos pessoais do artista, como seu uniforme de piloto, itens do seu clube de coração – flamengo –, troféus e presentes importantes dados ao músico. Além disso, o visitante pode entender um pouco mais de João Nogueira através de um quadro interativo, em que há a opção de percorrer os momentos marcantes da vida do sambista em formato de linha do tempo ou também pode ouvir a discografia de todos os seus álbuns.

A entrada é franca. O espaço fica de segunda à sexta das 13h às 22h e de sábado à domingo das 10h às 22h no térreo do Imperator.

WP_20150715_14_54_47_Pro

Todos os objetos foram doados por Ângela Maria Nogueira, que fora casada com o artista. O nome da mostra foi retirado de uma das músicas de maior sucesso de João Nogueira.

“Nós tínhamos até uma mesa em casa que ele ganhou de uma fã. Uma mesa pesada, de uma madeira imensa que era justamente um nó. E além de ser resistente e durar muito não quebrava. A questão do nó na madeira é por causa da consistência. Não se dobra. nem o vento, nem o tempo” comenta Ângela, ao explicar o nome da exposição.

Na mostra podemos observar um uniforme de piloto da Varig, que era usado por João Nogueira em alguns dos seus shows. João tinha o sonho de ser piloto quando criança e por isso recebeu de seu amigo o uniforme como presente. Na música Espelho o artista se refere ao sonho de infância. “(…) Andar e pilotar um pássaro de aço/Sonhava ao fim do dia ao me descer cansaço/ Com as fardas mais bonitas desse meu país (…)”.

Além disso, João Nogueira sempre foi apaixonado pelo Flamengo. Junto a outros objetos há também faixas e recordações do time. Frequentador assíduo dos jogos no Maracanã e nos treinos na Gávea o sambista criou o  “Samba rubro-negro”, para homenagear o tetracampeonato nacional conquistado pelo clube.

João Nogueira:

João Nogueira era cantor, compositor e um dos principais sambistas da história do Brasil. Nascido no Méier, bairro de vida cultural movimentada e boêmia, o artista foi criado em meio ao ambiente musical.

O sambista compôs, inicialmente, canções para o bloco carnavalesco Labareda e, mais tarde, para a escola branca e azul, Portela. Mas só começou a ficar conhecido no cenário nacional no início da década de 70, quando estourou com o sucesso “Das 200 Pra Lá”que defendia a política de expansão de nossa fronteira marítima, ao longo de 200 milhas da plataforma continental. Também emplacou hits como “Alô”, “Madureira”, “Samba da Bandola” e “Nó na Madeira”.

WP_20150715_14_55_20_Pro

Um dos grandes feitos do músico foi criar o Clube do Samba, junto com Alcione, Martinho da Vila e Beth Carvalho, como um meio de valorizar a cultura nacional. Essa iniciativa era necessária por conta do preconceito que existia na época em relação ao estilo de música.

WP_20150715_14_55_53_Pro

“Sempre teve muito preconceito em relação ao samba. (o samba) Era misturado um pouco do Candomblé com a roda de samba. Quando a polícia chegava, eles escondiam os atabaques e fingiam que estavam rezando, porque se fossem pegos apanhavam” relata a viúva. Além disso, o Clube do Samba visava discutir questões ligadas não só ao estilo, mas também à comunidade. “O João tinha a característica de ajudar as pessoas. Ele era muito preocupado politicamente com a população. O Clube do Samba não foi criado só para reunir as pessoas para fazer música, mas em relação à questão política” Completa a matriarca Nogueira

Em 1988, João Nogueira sofre um AVC. Algum tempo depois, em 2000, veio a falecer, vítima de um infarto fulminante, em sua casa no Recreio dos Bandeirantes. O artista deixou 22 álbuns, mais de 200 músicas gravadas e uma história de incentivo à cultura do samba.

Por: Luiza Esteves e Juney Freire

Agência UVA é a agência experimental integrada de notícias do Curso de Jornalismo da Universidade Veiga de Almeida. Sua redação funciona na Rua Ibituruna 108, bloco B, sala 401, no campus Tijuca da UVA. Sua missão é contribuir para a formação de jornalistas com postura crítica, senso ético e consciente de sua responsabilidade social na defesa da liberdade de expressão.

0 comentário em “Ninguém Faz Samba só Porque Prefere

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s