Saúde Sociedade

Pandemia não foi a única responsável por crescimento da insegurança alimentar no Brasil, afirma economista

Falta de políticas públicas e aumento de desemprego ajudam a entender o porque mais de 33 milhões de brasileiros não tem nada para comer

De acordo com o 2° Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da COVID-19 no Brasil, publicado na última quarta-feira (8), cerca de 33 milhões de brasileiros passam fome, e apenas quatro em cada dez famílias possuem acesso pleno a uma alimentação com nutrientes básicos. Em comparação com o primeiro inquérito, realizado em 2020, houve um aumento de 7,2 % de pessoas com insegurança alimentar e mais de 14 milhões de pessoas que estão com fome.

Estes dados são os piores do século XXI no país desde 2004, ano em que foi criada a Escola Brasileira de Insegurança Alimentar (Ebia) e se começou a acompanhar os números da fome e insegurança pelo país. Nunca se viu estatísticas tão altas de pessoas que vivem com incertezas se vão ter algum alimento para consumir.

Dados oficiais sobre a insegurança alimentar mostram o crescimento da fomente no país (Fonte: VIGISAN/REDE PENSSAN)

Na análise de Durval Meireles, professor de Gestão e Economia da Universidade Veiga de Almeida, é importante ressaltar que, mesmo antes da pandemia de COVID-19, o Brasil já apresentava um baixo crescimento econômico, com cerca de apenas 1 %, e, com a ascensão do vírus, o fechamento do comércio e não funcionamento da economia informal foram fatores determinantes para que muitos cidadãos ficassem sem fonte de renda fixa e por consequência, começassem a enfrentar graves dificuldades financeiras.

“Como a economia praticamente paralisou, exceto os setores essenciais, nós o aumento do desemprego, causando uma queda expressiva na renda dos brasileiros que até hoje não foi recomposta, ainda mais com o aumento da inflação, em que o preço dos alimentos cresceu expressivamente. Isso se deu por conta da crise detonada pela pandemia, e agora pela Guerra da Ucrânia, com o aumento dos preços das commodities internacionais e do petróleo”, explica.

Brasileiros que fazem parte da estatística de insegurança alimentar relatam como é a sensação de não ter alimentação o suficiente para viver (Reprodução/Twitter)

A conduta do governo federal no combate à fome é muito questionada, pois órgãos importantes como o Consea (Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional) foram descontinuados e políticas públicas não foram trabalhadas o suficiente para que os números da fome tivessem uma diminuição. Professor Durval analisa que, no quesito de adoção de políticas públicas, o governo não foi efetivo como deveria ser e lida mal com questões sociais.

“Precisa haver políticas públicas coerentes, pois apesar de existirem auxílios financeiros, é preciso criar políticas que consigam de fato trazer benefícios para a sociedade e para o meio ambiente”, sugere o economista.

Questionado se o aumento da insegurança alimentar no Brasil foi impulsionado pela pandemia de COVID-19 ou se outros fatores históricos e sociais também são responsáveis, o professor afirma que, além do baixo crescimento da economia, fatores como a mudança da mão de obra humana por inteligências artificiais e a ineficiência do Estado potencializaram esses problemas.

“A mudança de pessoas por máquinas e robôs ajudou a aumentar o desemprego, então precisa haver uma política de requalificação de pessoas para trabalhar nesse novo mundo digital”, observa o docente. Além disso, para o economista, o estado brasileiro peca e sofre na questão tributária, necessitando modernizar-se: “Outro fator grave é que mais de 60 milhões de pessoas possuem nome sujo no SPC Serasa, e isso também explica o porquê do Brasil crescer tão pouco economicamente”, finaliza.

Foto de capa: Pexels

Maria Eduarda Duarte (7° período), com revisão de Leonardo Minardi (7° período) e Gabriel Folena (5º período)

LEIA TAMBÉM: Junho violeta: um mês de combate à violência contra os idosos

LEIA TAMBÉM: Pesquisadores desenvolvem sorvete de alto valor proteico com plantas alimentícias não-convencionais

0 comentário em “Pandemia não foi a única responsável por crescimento da insegurança alimentar no Brasil, afirma economista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s