Da sala de aula

Durante quarentena, utilização de jogos de tabuleiro cresce dentro das residências

Pandemia faz famílias apostarem em formas lúdicas de divertimento em casa para vencer o tédio e divertir a criançada

Em meio à pandemia que assola o mundo, os hábitos cotidianos mudaram e momentos divertidos de lazer, que antes eram corriqueiros, hoje deram lugar, muitas vezes, ao tédio provocado pelo isolamento social forçado na maioria das casas brasileiras. Impedidos de frequentar shoppings, parques, cinemas e demais lugares de entretenimento, famílias de todo o Brasil tentam, de alguma forma, manter vivo o espírito alegre, mesmo estando confinadas em casa.

Mãe de uma criança de 7 anos e de um adolescente de 15, a analista de sistemas e moradora do bairro de Vila Isabel, Caroline Dias dos Santos, 39 anos, conta o quanto está sendo difícil conter os ânimos dentro de sua residência, já que desde o nascimento de seus filhos, ela sempre optou pelas atividades ao ar livre. “Esse Coronavírus caiu como uma bomba aqui em casa. Meu trabalho está paralisado e o mundo também parece que estagnou. Meus filhos e eu sempre frequentamos a Quinta da Boa Vista nos fins de semana, saímos para ir ao shopping ou até mesmo visitar minha mãe, que mora em Saquarema, mas nenhum desses programas a gente consegue fazer mais. Está difícil!”, confessa a analista de sistemas.

Sem poder fazer programas externos com os filhos, Caroline fala sobre as maneiras que arranjou para se divertir junto deles durante a pandemia. Ela já se utilizou de karaokê, jogos de tabuleiro e de jogos virtuais na internet. “A gente precisa fazer de tudo para não ficar no ócio e também não deixar as crianças sem fazerem nada. Tenho medo que os vizinhos me expulsem do prédio algum dia (risos). Já fizemos a noite do karaokê e cantamos até onze da noite. Nos dias em que não tem cantoria, a gente joga paciência no computador, banco imobiliário e outros jogos de tabuleiro. Vale de tudo para manter a gente ativo de qualquer forma”, garante a mãe.

Famílias investem tempo com jogos de tabuleiro. (Fonte: DepositPhotos)

O advogado Alexandre Gomes, 45 anos, residente do município de Nova Iguaçu, conta que também está tendo que se “desdobrar em dois” para dar conta de seus dois filhos, um de 12 e outro de 9 anos, que se sentem entediados durante a pandemia. Por esse motivo, tem resgatado jogos que antes não tinham vez em sua casa, pois seus filhos preferiam ficar na frente do videogame.

“Está sendo difícil! Estou em home office e, embora esteja trabalhando em casa, o serviço é árduo. Minha esposa e eu já fizemos de tudo para deixar as crianças ativas e animadas. Antes, elas ficavam muito no computador ou no Playstation. Hoje, eu busco reviver alguns jogos da minha infância, como aqueles de cartas que a família toda brinca junto. Está sendo divertido e ao mesmo tempo enriquecedor. Conseguimos ter uma aproximação das crianças, que antes não tínhamos”.

A psicóloga Roberta Koshlop explica que os jogos facilitam que o cérebro tenha um raciocínio rápido e eficiente, além de serem uma ferramenta enriquecedora para unir os membros familiares, que habitualmente se distanciam devido ao estresse do dia a dia. “Esse período de distanciamento social deve ser enfrentado com muita calma por parte de pais de crianças e adolescentes. Quem antes não tinha contato direto com os filhos por causa do trabalho precisa agora encontrar meios para vencer o tédio em casa.

Desenvolver jogos lúdicos e que possam fazer a interação com toda a família ajuda a melhorar o pensamento rápido, tornando-o mais eficaz. Jogos de tabuleiro, como o quebra-cabeça, pega-varetas e de perguntas e respostas são muito bons para conseguir desenvolver partes motoras do cérebro que ajudam no raciocínio”, garante a especialista.

*Matéria produzida pelo aluno Helio Uchôa para a disciplina Teoria e Técnica da Notícia, ministrada pela professora Maristela Fittipaldi.

Agência UVA é a agência experimental integrada de notícias do Curso de Jornalismo da Universidade Veiga de Almeida. Sua redação funciona na Rua Ibituruna 108, bloco B, sala 401, no campus Tijuca da UVA. Sua missão é contribuir para a formação de jornalistas com postura crítica, senso ético e consciente de sua responsabilidade social na defesa da liberdade de expressão.

1 comentário em “Durante quarentena, utilização de jogos de tabuleiro cresce dentro das residências

  1. Maristela Fittipaldi

    PARABÉNS, Hélio! Bjs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s