Arte

Entenda como o incêndio na Catedral de Notre Dame é uma perda para a história da arte

A professora de arte contemporânea, Luciene Aragon, comenta sobre a tragédia

A professora de arte contemporânea, Luciene Aragon, comenta sobre a tragédia

Professora de arte contemporânea da Universidade Veiga de Almeida comenta tragédia

Incêndio em um dos maiores símbolos da arquitetura gótica do começo do último século chocou o mundo na última segunda-feira (15). Carregada de história, as obras da catedral de Notre Dame foram iniciadas em 1163 e, mesmo com o tempo, resistiu a diversas intempéries durante os anos, servindo de ponto turístico gratuito para a França atual.

O século doze foi marcado por transformações na Europa e por isso, tinha necessidade de renovação. Para Luciene Aragon, professora da disciplina de arte contemporânea, a França foi o centro da evolução da arte. “Houve a criação de uma nova classe social – os burgueses – e por isso, novas rotas de negociação”, explica. A estrutura gótica se desenvolveu nesta mesma época e era uma das características mais marcantes da Catedral. Diferenciava-se das já estruturadas arquiteturas românicas e traziam leveza para as construções religiosas. “As igrejas românicas eram muito escuras, o gótico traz o desenvolvimento da técnica de vitrais e dos arcos nervurados, criaram abóbodas maiores e paredes com mais aberturas. Criou-se uma maior luminosidade dentro daquele espaço”, comenta.

Notre-Dame tornou-se simbólica pois passou mais de um século sendo construída e, atualmente, com mais de 850 anos, possui cerca de 128 metros de altura e está na parte antiga da cidade de Paris. A professora explica que por ser secular, a Catedral passou por diversos regimes políticos e, portanto, por uma série de revoluções. “A catedral sofreu um ataque durante a revolução francesa e uma área, chamada Galeria de Reis, foi completamente destruída. Nesse momento a população durante o processo de perseguição a realeza atacam esculturas sem entender que elas, na verdade, se referiam aos reis judaicos”. A galeria tinha 28 estátuas e seus fragmentos foram soterrados. Foram reencontrados apenas em 1776 e doados para o Museu Cluny, de arte medieval de Paris.

Cabeças de estátuas destruídas durante a Revolução Francesa, agora em exposição no Museu Cluny. Foto: Luciene Aragon

Luciene revela também que parte das lendas em volta de Notre-Dame são o que a tornam interessante. Histórias como a de Quasimodo – um corcunda que vivia nas torres do sino da igreja, viraram o livro escrito por Victor Hugo, chamado “O Corcunda de Notre Dame”. Este personagem foi retratado baseado no livro pelos estúdio Disney, criando a produção de mesmo nome.

Pessoalmente, a professora tem uma ligação especial com Notre Dame. “Eu estava passando por uma série de questionamentos na minha vida, então eu fiz essa viagem para Paris e foi uma época de muita reflexão para mim. Eu aguardei a oportunidade de passar o Natal dentro da Catedral debaixo de chuva, junto com uma multidão”. Lá haviam pessoas de todos os lugares, falando todas as línguas o que criou um momento de acolhimento e significação.

Luciene Aragon em frente a Catedral em Dezembro de 2013. Foto: Luciene Aragon

“A França tem uma grande importância na mudança da história ocidental e do mundo. Lugares como Notre Dame, que são monumentos artísticos, são também lugares sagrados e pertencem a humanidade”, finalizou Luciene.

LEIA TAMBÉM: Doadores milionários se mobilizam para reconstruir Notre-Dame


Arielle Curti – 7º Período L

0 comentário em “Entenda como o incêndio na Catedral de Notre Dame é uma perda para a história da arte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s