Impeachment de Crivella: comissão envia notificação para que prefeito apresente defesa

Posteriormente, membros da comissão de impeachment vão preparar relatório para que plenário discuta caso

A comissão que preside o processo de impeachment do prefeito Marcelo Crivella, formada por Luiz Carlos Ramos Filho (Podemos), Paulo Messina (PROS) e Willian Coelho (MDB), divulgou na última sexta-feira (05) que a defesa tem dez dias para apresentar seus argumentos.

Na terça-feira (2) a Câmara dos Vereadores aprovou por 35 votos a favor e 14 contra a abertura do processo de impeachment do atual prefeito da cidade do Rio. As denúncias foram apresentadas pelo ex-fical da secretaria de Fazenda do município, Fernando Lyra, exonerado.

LEIA TAMBÉM: Câmara dos Vereadores aprova abertura do impeachment do Crivella

crivella

No facebook, Marcelo Crivella diz que a investigação “não faz o menor sentido”.  Foto: Reprodução/ Agência Brasil

Fernando Lyra apresentou um texto em que diz que empresa a Brasil Outdoor LTDA, que consta no consórcio do qual Crivella está sendo investigado, recebeu 1,5 mil multas que não foram pagas. No documento, entregue aos parlamentares, também é citado que outra empresa, a Cemusa Rio S.A., e outra companhia, a ADShell, deviam juntas ao Município mais de R$ 8,2 milhões entre 2002 e 2004. A Câmara do Rio aceitou a investigar essas acusações.

Próximos passos do impeachment:

  • Crivella apresenta defesa com o prazo de 10 dias;
  • Membros da comissão de impeachment vão preparar relatório para que o plenário discuta;
  • Relatório final será votado pela Câmara dos Vereadores;
  • Atingindo, pelo menos 34 votos a favor, o pedido de impeachment é aceito;
  • Caso aprovado, o prefeito é afastado do cargo. Caso rejeitado, o pedido de impeachment é arquivado.
jorge

Jorge Felippe, primeiro na linha de sucessão da prefeitura do Rio de Janeiro. Foto: Reprodução/ Facebook

Com a aprovação dos vereadores, a substituição seria feita pelo vice prefeito, Fernando MacDowell que morreu em 2018. Nessas circunstâncias, a Lei Orgânica do Rio diz que o Presidente da Câmara Municipal, Jorge Felippe (MDB), assume a prefeitura. Além disso, ele teria que convocar eleições diretas, que aconteceriam dentro de um prazo de 90 dias – conforme prevê o artigo 104 da Lei Orgânica do Rio. O trecho determina a escolha do novo prefeito pelos eleitores nos casos em que o impeachment acontece até o terceiro ano de governo.

No dia 26 de março, a Câmara Municipal vetou por 33 votos a favor e 15 contra, a possível mudança na Lei Ogânica que previa eleições indiretas. Com isso, os vereadores escolheriam entre eles alguém que pudesse substituir o prefeito Marcelo Crivella.

LEIA TAMBÉM: Mais um pedido de impeachment contra prefeito Crivella é protocolado


Tainá Valiati – 7o período

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s