Crítica: Praça Paris

Poster.jpg
Com um nome bem sugestivo, “Praça Paris” já leva a perceber o local que toda a história do filme acontece, bem no centro da cidade do Rio de Janeiro. O longa, cujo foco é a relação humana, mostra as peças que o destino prega, conectando a vida de duas pessoas completamente diferentes.

Glória (Grace Passô), uma ascensorista que cresceu e ainda vivia na periferia, mais especificamente no Morro da Providência, decide ir em busca de ajuda para enfrentar seus traumas de infância. É dessa forma que aparece Camila (Joana de Verona) em seu caminho. Camila é uma uma psicanalista portuguesa que fazia seus atendimentos na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ),lugar que torna-se comum às duas. Levando uma vida tranquila, a analista não imaginava como uma paciente transformaria o seu mundo tão rapidamente, e da pior forma possível.

A partir desses encontros, Camila começa a conhecer todas as dificuldades de Glória, inclusive do seu passado, com histórias difíceis e violentas. Tudo isso faz com que a psicóloga se sinta apavorada ao se deparar com as realidades da vida, realidades que ela nunca havia achado que fossem possível existir. Dessa forma, começa a se sentir ameaçada, deixando o medo tomar conta de si, influenciando completamente seus atendimentos com a paciente. Glória a vê como um porto seguro, enquanto Camila começa a ter uma visão absolutamente oposta.

Logo quando se inicia, o longa faz com que o telespectador acredite que será um pouco pacato porém, com o desenrolar da história, percebe-se que ao filme bordará questões bem profundas e complexas, tanto em relação ao indivíduo quanto à sociedade. Com características bem detalhistas dos seus personagens, o filme te envolve completamente, despertando sentimentos confusos, difíceis, fazendo com que se reflita sobre algumas questões, como justiça. Quando as dificuldades são relatadas pelas personagens, o que seria algo completamente absurdo para o espectador passa a ser aceitável, como se existisse uma explicação para algumas atitudes mesmo que, a princípio, seja algo incoerente.

Paris

Não foi à toa que “Praça Paris” foi premiado no Festival do Rio de 2017. Abordar dois lados tão distintos, que acabam se envolvendo e conectando, foi algo muito interessante; algo que a diretora Lúcia Murat soube fazer incrivelmente bem. O filme é tão realista, que acaba mexendo muito com o lado sentimental de qualquer ser humano. Outro aspecto que chama bastante atenção é a sonorização, que faz com que o espectador sinta-se dentro da cena, pois os sons e barulhos são semelhantes ao do dia a dia de qualquer um e, dessa forma, o espectador se reconhece em algumas situações. Aliás, todos os atores absorveram muito bem o seu papel. Seus personagens despertam sentimentos profundos a quem assiste ao filme, como ódio e medo. Faz o espectador torcer para que as protagonistas encontrem novamente seu eixo, de alguma forma, e que consigam ter uma vida normal, principalmente a ascensorista Glória.

O longa te puxa para uma realidade que todos “sabem”, fazendo uma crítica à sociedade, desencadeando incômodos que todos fingem que não existem, como  a questão do indivíduo estereotipado, assim como também de relações abusivas e abusos sexuais na infância. Ele faz com que o espectador faça uma reflexão intrínseca do que é certo e errado, e de que forma isso deve ser definido, mexendo inteiramente com seu psicológico. Acredito que no momento em que o Brasil vive, mais especificamente o carioca em relação à violência, o filme apresenta muito bem isso, sem defender um lado, apenas revelando uma realidade que não é escrachada, mas sim evitada, porque incomoda. Vale a pena a reflexão!


Thayná Duarte – 4º período

 

 

Um comentário sobre “Crítica: Praça Paris

  1. Pingback: Crítica: Praça Paris – Produtora Audiovisual

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s