Projeto ‘Visitação Escolar’ leva alunos de escolas públicas à Bienal

Antes mesmo da abertura dos portões, as filas já se formavam na entrada da Bienal do Livro. Eram caravanas de alunos vindas de diversos municípios do Estado do Rio para a 18ª edição da feira literária, no Riocentro. Por meio do projeto “Visitação Escolar”, a Bienal Rio 2017 disponibilizou 145 mil ingressos gratuitos para alunos de escolas públicas. Os alunos dos colégios particulares pagavam meia-entrada.

Bienal-livro-rio-01

Interior da Bienal. Foto: Marcello Zambrana / Light Press / Divulgação

Para ter direito à gratuidade, as escolas fizeram uma inscrição no site da Bienal. De acordo com os organizadores, o projeto social tem o objetivo de aproximar os estudantes do universo dos livros, colaborando para a criação do hábito da leitura e conscientizando-os para a importância da formação intelectual. Foi destinado exclusivamente aos alunos de 7 a 14 anos e seus acompanhantes, durante cinco dias, especialmente programados para os alunos participarem das atividades de forma mais confortável e organizada. Os dias reservados ao projeto foram 1, 4, 5, 6 e 8 de setembro, no horário de 9h às 17h.

Bienal-livro-rio-02

Crianças brincando na Bienal Rio 2017. Foto: Francisco V. Santos / AgênciaUVA

Nesses dias, a criançada fez o Riocentro vibrar. Às 10h, os três pavilhões já constumavam estar lotados de alunos, do Ensino Fundamental até a universidade. Eles buscavam o contato com os livros, os autores de literatura infanto-juvenil e, principalmente, as atividades recreativas, como o teatrinho Entreletras e o espaço Geek & Quadrinhos. A Escola Estadual Covanca, municipalizada pela prefeitura de Magé, trouxe 35 alunos do 4º ao 9º ano. A diretora e professora de história Simea Pio disse que teve total apoio do poder público e os alunos não tiveram nenhuma despesa. “O interesse dos alunos é tão grande que a escola trata o evento da Bienal como um prêmio para os alunos que tiveram melhor aproveitamento escolar no primeiro semestre”, contou Simea.

Bienal-livro-rio-03

Alunos da Escola Estadual Covanca, de Magé-RJ. Foto: Francisco V. Santos / AgênciaUVA

Mas nem todos tiveram a mesma sorte. Alegando dificuldades financeiras, a Prefeitura do Rio chegou a cortar a participação dos alunos da rede municipal. Após a repercussão negativa junto à população, voltou atrás e, conforme divulgado nos jornais “O Globo” e “JB”, informou que alunos de 33 escolas visitariam a Bienal na sexta-feira (8/9), último dia do projeto. No entanto, a exemplo de Magé, muitas escolas de outros municípios foram à Bienal. A professora Monique Muniz saiu de São Gonçalo para a feira literária com alunos da Escola Municipal Oscarina da Costa Teixeira. Para ela, a Bienal é um bom programa de incentivo à leitura, porque os alunos têm contato com uma diversidade de títulos e gêneros literários, diferente dos livros didáticos a que estão acostumados na escola. Os alunos participaram de diversas atividades e estavam animados com a atividade fora da escola.

Bienal-livro-rio-04

Professora Monique Muniz, de Magé-RJ. Foto: Francisco V. Santos / AgênciaUVA

Não foram só as escolas do projeto Visitação Escolar que participam da festa literária. Muitos colégios particulares aproveitam o desconto e encheram os pavilhões com seus alunos. O Colégio Fernando Costa, de Seropédica, levou 80 alunos do 6º e 8º anos. Cada aluno investiu R$ 70 no passeio. O professor de geografia Eduardo Azevedo acompanhou as turmas e ficou impressionado com o interesse dos estudantes na aquisição de livros. “Cada aluno gastou, em média, R$ 200 para levar o máximo de títulos para casa”.

Bienal-livro-rio-05

Vista do pátio interno da Bienal. Foto: Francisco V. Santos / AgênciaUVA

Além do interesse pelos livros, a garotada foi para a Bienal atraída por produtos tecnológicos – e-books, games etc – e por atividades que fazem uso da internet, como canais literários, clubes de leitura e resenhas online. Sem dúvida esse mundo literário virtual está abrindo caminhos para a formação de novos leitores. Prova disso foi que, quando profissionais das escolas que estavam na Bienal foram perguntados pela equipe da AGÊNCIAUVA se o mundo conectado ajuda ou atrapalha o interesse das crianças pela leitura, a maioria dos entrevistados respondeu:  “Ajuda, desde que a internet seja uma ferramenta para incentivar o hábito de ler”.

Bienal-livro-rio-06

Alunos do Colégio Fernando Costa, de Seropédica-RJ. Foto: Francisco V. Santos / AgênciaUVA


Francisco Santos – 5º período

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s