Comportamento Diversidade Humana Sociedade

O cotidiano dos refugiados

As circunstâncias dos refugiados na Síria não melhoraram o suficiente. Eles ainda estão enfrentando as dificuldades de ter que atravessar países a pé, não serem aceitos aonde quer que buscam abrigo, ausência de comida e água, tudo isso na companhia de crianças indefesas que não compreendem o porquê de passarem por isso e não terem assistência. Essa situação se repete no mundo todos os dias em países não tão noticiados como Cisjordânia, Palestina, a Faixa de Gaza e o Líbano. Para que o mundo tenha consciência do problema e não se esqueça de que eles precisam de ajuda, a UNRWA está correndo o mundo com o ensaio fotográfico “Uma Longa Jornada” que está no Centro Cultural dos Correios do Rio de Janeiro até o dia 10 de janeiro.

A estrutura metálica construída para apoiar as quarenta fotos da exposição tem três funções muito importantes. A primeira e mais óbvia, é que ela permite que o espaço seja aproveitado de tal maneira que uma sala tenha mais de quatro paredes e assim carregue mais imagens. A segunda é que os pequenos corredores criam um certo nível de dificuldade para se passar entre eles, representando uma pequena porcentagem da dificuldade dos espaços em que os refugiados passam para fugir da violência. Por fim, o gradeado possibilita que cada imagem seja observada por trás dela, criando a ilusão de que todos aqueles nas fotos estão em uma prisão, mesmo que metafórica.

As fotografias foram divididas por períodos e decorrem desde 1967 até 2013 falando sobre a tristeza da guerra, que afeta inocentes, a destruição do campo de batalha, as faces daqueles afetados pela luta de outros, e da ajuda prestada pela Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA). Essa organização trabalha trazendo assistência médica, educacional e até mesmo recreativa para aqueles que por tanto tempo só viram destruição e hostilidade aonde quer que fossem.

Os organizadores da UNRWA falam sobre sua função no cenário mundial: “A Agência desempenha um papel essencial há mais de 60 anos na oferta de serviços vitais para o bem-estar, o desenvolvimento humano e a proteção dos refugiados da Palestina – enquanto se aguarda a solução justa para a sua situação. Sua missão é ajudar os refugiados da Palestina a alcançarem seu pleno potencial de desenvolvimento humano em meio às circunstâncias difíceis em que vivem”.

Além das impactantes fotos, cinco curtas metragens são apresentados bem no centro do “labirinto” de metal. Neles são mostradas as reações das pessoas que, pela primeira vez, veem suas fotos na fuga do país. Uma senhora viu a si mesma mais jovem em meio a muita destruição e falou sobre como não se deixou abalar e seguiu em frente, jamais perdendo as convicções que a colocaram naquela cidade.

Theresa Jatobá, produtora da mostra explica o porquê de “Uma Longa Jornada” merecer tanto destaque. “Ela [Uma Longa Jornada] conta a história da herança palestina cheia de dignidade e sofrimento, apresentando uma narrativa visual única da prolongada crise de refugiados. Por meio das fotografias históricas e filmagens, convidamos o espectador a testemunhar um dos mais longos casos de migração forçada da história moderna, revelando os desafios enfrentados pelos refugiados da Palestina e a habilidade e resiliência daqueles que resistem”.

A exposição já passou pelos países de Jerusalém, Amã, Dubai, Gaza, Roma, Turim, Nova York, Jacarta, Marrakesh e pelos estados de Brasília e São Paulo. Sempre provocando comoção e reflexão, o ensaio nos ensina a valorizar a vida e saber que sempre há uma forma de se ajudar o próximo. No Brasil, essa corrente do bem pode ser criada através de doações monetárias a organizações não-governamentais como a Unicef, Save the children, Adus, etc. Ou ainda doando seu tempo ao voluntariado, angariando doações de alimentos, cobertores, itens de higiene e tudo aquilo essencial para a sobrevivência de qualquer ser humano. Afinal, se todos têm direito a uma vida digna, por que ainda não aprendemos que somente um movimento coletivo pode promover esse justo estilo de vida?


Luana Feliciano – 2° Período

Agência UVA é a agência experimental integrada de notícias do Curso de Jornalismo da Universidade Veiga de Almeida. Sua redação funciona na Rua Ibituruna 108, bloco B, sala 401, no campus Tijuca da UVA. Sua missão é contribuir para a formação de jornalistas com postura crítica, senso ético e consciente de sua responsabilidade social na defesa da liberdade de expressão.

0 comentário em “O cotidiano dos refugiados

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s