O Feminismo em 1968: o que foi e no que se transformou

A transição e evolução do movimento que, ao longo dos anos, deu cada vez mais voz às mulheres

Já é de anos a história compartilhada e contada pelo mundo sobre a luta das mulheres pela igualdade de direitos, ou seja, a luta feminista, que se deu há mais de 100 anos, e teve sinceros marcos que precisam e devem ser destacados, pontuando, é claro, aqueles que trouxeram mais que resultados, mas a certeza de que as vozes que falam em nome do movimento, com o passar dos anos, fortificou-se não só socialmente, mas historicamente também. O final da década de 1960 foi responsável por gerar a segunda onda feminista, que agitou o questionamento de mulheres por todo o mundo, principalmente na França. Com o passar do tempo, através de diversos acontecimentos marcantes, o feminismo tornou-se palavra de imposição e poder. A partir daí a luta ganhou mais motivos para continuar e ser propagada.

 O desenrolar desse grande movimento traz muito para ser dito. Com todas as dificuldades já enfrentadas pelas mulheres, foi possível ser percebido por elas a falta do igual, daquilo que as faziam tão presentes e escutadas quanto os homens eram. A primeira onda feminista se deu pela busca por poder político no final do século XIX e início do século XX, como, por exemplo, no direito ao voto. Naquele momento, a revolução só começava, e cada detalhe desse processo de libertação e desconstrução de sociedade desigual foi relevante, trazendo, com toda potência, o motivo pelo qual milhões de mulheres se uniram. Após a primeira onda, o debate se estendeu grandemente entre 1960 e 1980.

O objetivo desse grande movimento em 1968 foi direcionado especialmente às mulheres francesas, que trouxeram questões de necessária discussão. A professora e doutora em Geo-história da Universidade Estadual do Rio de Janeiro Amanda Danielli indica que os objetivos dessa lutas passaram a incluir outras propostas, como a defesa da contracepção, o fim da proibição do aborto e o entendimento de que era necessário mudar a legislação sobre o estupro. “Há uma noção corrente de que 68 equivaleria a uma segunda onda do movimento feminista, associado à contracultura, à organização da esquerda a partir das universidades e à luta pelo direito ao aborto, especialmente na França”, conta Amanda.

Tais tópicos parecem ser bastante atuais, mas é apenas a compreensão de que a luta nunca finalizou e o feminismo sempre estará presente. Donas de casa e trabalhadoras foram às ruas pelo fim da opressão, misoginia e autoritarismo dominante por parte de seus patrões, pais, e até companheiros. A juventude não seu calou. Se em 1968, na França, houve a certeza de que valia a pena todo o esforço para continuar batalhando, atualmente os motivos só estenderam, ainda que em alguns países tenham havido mudanças.

mulheres de maos dadas

Em 1 de maio de 1968, jovens mulheres caminham protestando pelas ruas de Paris

O ano de 1968 foi marcante também pela conhecida “Queima dos Sutiãs”, um protesto público em Atlantic City que reuniu cerca de 400 mulheres que repudiaram o concurso de beleza Miss America num ato de empilhar saltos, maquiagens, roupas e acessórios que, por pouco, não se transformaram em uma grande fogueira, pois o local não era público. Tudo girava em torno da busca pelo encerramento da exploração comercial feminina na mídia. A historiadora e pesquisadora Larissa Ribeiro ressalta que a participação das mulheres nesse contexto diz muito sobre o feminismo articulado naquele momento. “O posicionamento tomado auxiliou na emersão do papel da mulher na luta política”, conta Larissa.

mulher com sutia

Americana segura seu sutiã para protestar em Atlantic City em 1968

O ontem que refletiu no hoje  

Apesar de 68 não ter sido o boom do movimento, a criação que se fez precisa do Dia Internacional do Combate à Violência Contra a Mulher e a lei do Estatuto da Mulher Casada, que aconteceram pouco antes, no início da década, só contribuíram para outros avanços notados até os dias atuais, como o I Congresso Nacional das Trabalhadoras Domésticas (21 de Maio, 1968) e também, futuramente, incontáveis pequenas e grandes vitórias para as mulhere. É possível reconhecer as datas marcantes para o movimento na nesta linha do tempo (link http://feminismo.org.br/historia/), que traz cada detalhe, cada um com sua importância. E a luta permanece.

mulher com cartaz

Mulher segura cartaz que diz, em francês, “meu corpo é meu”

LEGENDA3: Mulher segura cartaz que diz, em francês, “meu corpo é meu”

O que um dia foi realidade, hoje tornou-se história que o mundo precisa absorver. Se na França o grito e o manifesto de cada uma delas significou algo, foi certeza de que ecoaria por todos os cantos e traria a união por um propósito mais que digno de atenção. Para as pesquisadoras Amanda e Larissa, uma revolução, porém, que ainda precisa ser conversada e evoluída. “Infelizmente, a questão como um tema, um problema menor porque o universo acadêmico ainda é um espaço primordialmente masculino, que em larga escala reproduz a lógica patriarcal”, divide Amanda. Para Larissa, as crianças deveriam aprender desde cedo o contexto em que vivem. “O tema não chega para todos, isso é um fato. Porque não é interessante, politicamente falando, que as pessoas pensem, questionem, problematizem”, afirma a historiadora.

Enquanto houver desigualdade, o feminismo existirá, e a história continuará sendo vivenciada e escrita na memória de todas aquelas que se envolveram ou ainda irão participar, mesmo que brevemente, da luta pelo bem mais precioso: a liberdade de ser a melhor versão de mulher possível. Seja através da segunda onda, em 68, ou de todas as próximas que estão por vir, é garantida a força e as vozes que se transformam em uma só, espalhando batalha, persistência e, acima de tudo, o espaço merecido no social, intelectual e em tudo aquilo que é feminino.


 Nathália Martins 

Reportagem realizada para a disciplina de Oficina Multimídia

Um comentário sobre “O Feminismo em 1968: o que foi e no que se transformou

  1. Pingback: FEMINISMO NO MAIO DE 68 – Maio de 1968

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s