Um suspense falho

paixão-obsessivaCiúmes, descontrole e a possessividade exacerbada no amor. Essas questões – amplamente discutidas no cotidiano  – são o tema central do novo longa de suspense “Paixão Obsessiva”. A trama, que simboliza a estreia da consagrada produtora Denise Di Novi (“Amor a Toda Prova, “Golpe Duplo”) como diretora, relata as relações conturbadas entre as personagens e até onde vão os limites de um comportamento neurótico e destrutivo.

Tessa Connover (Katherine Heigl) é uma mulher fria, controladora e uma mãe exigente, que reluta para lidar com o fim de seu casamento com David (Geoff Stults). Quando descobre que seu ex-marido pretende se casar novamente, dessa vez com Julia Banks (Rosario Dawson), ela embarca em uma jornada perigosa, com o objetivo de destruir a relação do novo casal, e trazer o passado problemático de Banks à tona.

A partir deste momento, a personagem de Heigl passa a usar de todo o seu poder de manipulação para intervir na vida de David e Julia. Usando como desculpa a preocupação com a filha Lily, que está sob a guarda do pai, ela consegue montar uma verdadeira teia de terror para Banks, que se vê cercada pela presença da ex-mulher do noivo onde quer que vá. Assim, as atitudes de Tessa vão se tornando cada vez mais calculistas e a face de uma mulher solitária, triste e sem limites, começa a ser revelada.

Apesar de ser denominado como suspense, o filme peca por não prender a atenção do espectador nas cenas de conflito. O ritmo devagar do longa também é um fator que  não contribui para o desenvolvimento de uma história surpreendente, e se atém principalmente aos clichês já saturados das produções hollywoodianas.

UNFORGETTABLESendo assim, a estreia de De Novi na direção não convenceu. A fotografia nada traz de novo e os momentos de tensão acabaram passando quase despercebidos. O roteiro de Christina Hodson é outro ponto que deixou falhas na obra,  por não desenvolver e explorar os rumos da trama para além do que se espera. O longa acabou ficando com o aspecto de mais do mesmo, entre tantos outros filmes.

Ainda que tenha muitos erros, o filme acerta, ao menos, em abordar a questão dos relacionamentos abusivos e suas consequências psicológicas nas vítimas, que se veem muitas vezes envergonhadas em compartilhar seus traumas. No geral, a trama cumpre a função de entreter, mas não entrega o suspense esperado.


Thainara Carbalho – 50 período

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s