Arte sem fronteiras

Elas transformam em arte o que para muitos é apenas lixo. Com a assessoria do projeto Arte Sem Fronteiras, coordenado pelo professor da Universidade Veiga de Almeida Tirlê Cruz e os alunos Aurélio Fagundes e Bruna Lima, as artesãs criam bolsas, tapetes, lancheiras, canecas, chaveiros e outros objetos utilizando apenas materiais reciclados. A iniciativa tem o objetivo de tornar a atividade do artesanato cada vez mais profissional, mostrando que é possível aliar arte, retorno financeiro e sustentabilidade.

Uma das artesãs parceiras do projeto é Maria Holanda. Ela é a que está há menos tempo participando, mas já colhe os benefícios do trabalho que é realizado. “O projeto é maravilhoso, é uma boa ideia e que surjam outras. Agradeço ao grupo do projeto que muito incentiva a gente, orienta e acho que, sem eles, os orientadores do projeto, seria mais difícil”, ela pondera.

logo agência uva (1)

Projeto “Arte Sem Fronteiras” [arte e foto: Helen Almeida].

Já Elvira Nascimento, que tem como uma de suas especialidades o retalho de malhas para tapetes, jogos de banheiros, entre outros, também exalta o salto de qualidade que as orientações deram em seu trabalho. “Fabricava minhas coisas, mas não tinha como vender. A gente ia fabricando sem saber direito o que fazer. Mas hoje não, hoje a gente tem como expor a mercadoria da gente, o artesanato da gente, a gente tem uma renda. Eu que sou dona de casa, trabalho com isso. Está muito bom, e o apoio que a gente tem, com a orientação vai ficando muito melhor”.

Uma das orientações citadas pelas artesãs é na parte de criação dos produtos vendidos. Auxiliado pela professora de moda da Universidade Veiga de Almeida, Lucília Ramos, o projeto organiza reuniões mensais em que elas têm espaço para opinar e dizer o que pode ser mudado, além de receberem dicas de como melhorar e colocar preços nos produtos a serem vendidos.

01

Obras das artesãs do “Arte Sem Fronteiras” [foto: Helen Almeida].

Rosemery Alves, especialista em trabalhos de reciclagem com caixa de leite, complementa a colega. “É um suporte muito bom, pois tem a reunião mensal em que as pessoas ouvem a nossa dificuldade, tentam trazer as soluções. Tem a professora Lucília, que dá todo o apoio para a parte de melhorar o produto. Ela faz reuniões com cada um dos artesãos separados e explica como a gente pode melhorar e isso é muito legal, porque você não encontra isso. É até muito caro de você conseguir uma assessoria assim, e você tem isso no projeto”, ela explica.

O Arte Sem Fronteiras disponibiliza um local no Lar Frei Luiz, na Taquara, em Jacarepaguá, no qual as artesãs podem vender seus produtos. Para elas, este é um dos diferenciais, já que o trabalho no local é muito mais produtivo do que nas feiras. Além disso, por apostar na sustentabilidade, o projeto minimiza os gastos com os artesanatos, como conta a artesã Christiane Felix.

Segundo ela, a reciclagem é importante. “A gente consegue economizar mais ao invés de comprar alguns produtos. Antigamente eu trabalhava com MDF (material de artesanato convencional), e o mesmo trabalho eu posso fazer com uma telha ou uma garrafa. O legal é isso, as pessoas admirando nosso trabalho. O projeto é muito importante, quanto mais pessoas conseguir alcançar, é bom para todo mundo”.

02

Peças do projeto “Arte Sem Fronteiras” [foto: Helen Almeida].

Adepta da arte da aplicolagem, que consiste no trabalho de papel de jornal e revistas sobre qualquer superfície, Creuza Reis reforça a colega artesã sobre a importância do trabalho com a reciclagem e o benefício lucrativo que esse tipo de prática produz. “Eu valorizo a reciclagem porque nós gastamos menos com material e estamos ajudando o meio ambiente com isso”.

Creuza ainda destaca a competitividade do meio e as raridades que se encontra no artesanato. “Se eu fosse comprar todo o material de trabalho, eu nem era artesã mais, porque não compensa. É muita competição, muita feira. E eu abracei o Arte Sem Fronteiras, porque é um projeto que bateu com que eu queria, com que eu acreditava, que era isso: a sustentabilidade, o reaproveitamento. Tenho peças únicas, eu faço e não tem como repetir, porque eu aproveito pratos quebrados, bandejas rachadas, material de madeira, que talvez fossem para o lixo”, ela ressalta.

Além de toda sustentabilidade que o projeto envolve, utilizando materiais reciclados e transformando o lixo em artesanato, as artesãs que participam do projeto levam consigo algo que vai além do lucro de suas mercadorias, como diz Rosemery Alves. “Ajuda demais na minha autoestima, é muito importante você ver o seu projeto ser reconhecido. As pessoas veem o lixo como lixo, quando você consegue pegar uma caixa de leite que o cara joga fora ou que iria para o lixo e consegue transformar numa peça que a pessoa fica encantada de ver, isso é o maior presente que eu posso ganhar em relação ao projeto, não tem dinheiro que pague. Quando a gente faz uma peça, você põe muito mais que um simples material, você põe uma parte de você. Isso não tem preço”.


Ive Ribeiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s