Geral

Bolsonaro demite Vélez e anuncia Abraham Weintraub como novo ministro da Educação

Presidente anunciou  troca na manhã desta segunda-feira (8), pelo Twitter. Ministério da Educação vem sendo um dos mais criticados na gestão de Bolsonaro

Presidente anunciou  troca na manhã desta segunda-feira (8), pelo Twitter. Ministério da Educação vem sendo um dos mais criticados na gestão de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro anunciou que o ministro de educação Ricardo Vélez vai deixar a pasta e será substituído por Abraham Weintraub. O ex-ministro enfrentava uma batalha interna no Ministério da Educação (MEC) acarretada por desentendimentos entre os militares e seguidores de Olavo de Carvalho. Após reunião com Bolsonaro na manhã desta segunda-feira (8), Vélez foi exonerado do cargo e o anúncio foi feito pelo presidente em sua conta no Twitter.

O novo ministro já fazia parte do governo Bolsonaro: era secretário-executivo da Casa Civil. Ele atuou na equipe do governo de transição, sendo um dos responsáveis pela área da Previdência no período. Abraham Weintraub atuou no mercado financeiro por mais de 20 anos e é formado em Ciências Econômicas pela Universidade de São Paulo (USP).

Na última sexta-feira (5),  durante o café da manhã com alguns jornalistas convidados, Bolsonaro afirmou que apesar de o ministro Ricardo Vélez ser honesto e bacana, ainda faltava gestão da parte dele, de acordo com a Folha.  O ex-ministro afirmou que não entregaria o cargo e evitou responder perguntas referentes ao comentário do Bolsonaro em evento do fórum empresarial Lide, em Campos de Jordão, também na última sexta-feira (5).

432339_115612998567772_2068118061_n
Abraham Weintraub é formado em Economia pela USP e mestre em Finanças. Foto: Reprodução/ Facebook

Crise no Ministério da Educação (MEC)
O MEC recebe um dos maiores orçamentos do governo federal e enfrenta essa crise desde metade de janeiro. Demissões, trocas de nomes importantes para os cargos, declarações polêmicas do ex-ministro Vélez e recuos em decisões são alguns pontos que fundamentam esse cenário problemático dentro do ministério.  A declaração de Vélez ao jornal Valor Econômico, ao querer uma nova abordagem para o golpe militar de 1964 e a ditadura nos livros didáticos foi a polêmica mais recente. Historiadores e educadores repercutiram muito o assunto, considerando um retrocesso.

Em janeiro, Maria Inês Fini foi exonerada da presidência do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) em que estava há três anos. Logo depois, Marcus Vinicius Rodrigues, o ex-professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV)  foi nomeado para o cargo. Dois meses depois, também foi demitido e alegou que não havia comunicação dentro do MEC. Para o cargo de secretário-executivo do MEC, quatro nomes foram anunciados em três meses de gestão. Também teve o envio da carta de Vélez a todas as escolas do país com o pedido da leitura do slogan de campanha do presidente Jair Bolsonaro e a filmagem das crianças cantando o Hino Nacional. Essas são algumas  situações que culminaram nos desgastes desnecessários da atual gestão do MEC.


Ana Carolina Aguiar – 6º período

 

 

 

 

 

 

0 comentário em “Bolsonaro demite Vélez e anuncia Abraham Weintraub como novo ministro da Educação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s