Um final digno, mas longe de ser perfeito

re6_teaserposter_look2_brazilHá exatos 15 anos um filme causou muita polêmica ao ser lançado no cinema. Inspirado na franquia de games de sucesso, o longa “Residente Evil- O Hóspede Maldito” estreava, causando raiva nos fãs da saga original e encantando o grande público. Essa semana a última obra da série foi lançada, Trata-se de “Resident Evil 6: O Capítulo Final”, que promete findar de vez a história da protagonista Alicia Marcus, ou Alice (Milla Jovovich).

Contextualizando, depois de passar anos fugindo e se escondendo dos monstros que já exterminaram sete bilhões de humanos, um holograma ordena que Alice deve ir até a “Colméia”, Quartel General, da Umbrella Corporation, entidade responsável pela epidemia, para roubar o antivírus que salvará a humanidade. O problema é que para chegar lá, a protagonista terá que enfrentar os maiores desafios de sua vida e descobrir segredos de seu passado.

Desde o início do filme, o diretor e roteirista Paul W.S. Anderson teve o cuidado de relembrar tudo o que aconteceu ao longo dos outros cinco filmes, já imaginando que mesmo aqueles que acompanham desde 2002, não lembrariam de tudo o que rolou. Essa intenção de fechar de vez toda a história, ainda é repetida quando a trama fecha todas as pontas soltas, explicando pequenos detalhes que até então eram desconhecidos.

A premissa e a intenção até são boas, mas o desenrolar nem tanto. Com reviravoltas clichês, o longa mais parece um jogo de videogame repetitivo, que apresenta conflitos desnecessários, presentes ali só para render cenas de ação extremamente explosivas e violentas, bem estilo Michael Bay. Outro problema nesses takes de luta é que a montagem deles foi muito infeliz. A estética de cortes frenéticos escolhida pelo diretor faz com que o espectador não entenda nada o que está acontecendo na cena, só é possível ver sangue, tiro e explosão. A beleza de uma boa luta não foi explorada.

Se Paul W.S. Anderson pecou na direção e no roteiro, Milla Jovovich – mais uma vez – demonstrou que ela é a atriz perfeita para interpretar Alice. A Ucraniana se destaca no longa, mesmo com as falas e ações previsíveis. Mesmo com tantos pontos negativos, “Residente Evil 6: O Capítulo Final” promete fazer muito sucesso com o grande público, se consagrando de vez como a franquia de filmes inspiradas em games mais bem-sucedida da história do cinema.


Iago Moreira- 7º Período

Um comentário sobre “Um final digno, mas longe de ser perfeito

  1. Pingback: Diversão para todas as idades |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s