Cinema

Um final digno, mas longe de ser perfeito

re6_teaserposter_look2_brazilHá exatos 15 anos um filme causou muita polêmica ao ser lançado no cinema. Inspirado na franquia de games de sucesso, o longa “Residente Evil- O Hóspede Maldito” estreava, causando raiva nos fãs da saga original e encantando o grande público. Essa semana a última obra da série foi lançada, Trata-se de “Resident Evil 6: O Capítulo Final”, que promete findar de vez a história da protagonista Alicia Marcus, ou Alice (Milla Jovovich).

Contextualizando, depois de passar anos fugindo e se escondendo dos monstros que já exterminaram sete bilhões de humanos, um holograma ordena que Alice deve ir até a “Colméia”, Quartel General, da Umbrella Corporation, entidade responsável pela epidemia, para roubar o antivírus que salvará a humanidade. O problema é que para chegar lá, a protagonista terá que enfrentar os maiores desafios de sua vida e descobrir segredos de seu passado.

Desde o início do filme, o diretor e roteirista Paul W.S. Anderson teve o cuidado de relembrar tudo o que aconteceu ao longo dos outros cinco filmes, já imaginando que mesmo aqueles que acompanham desde 2002, não lembrariam de tudo o que rolou. Essa intenção de fechar de vez toda a história, ainda é repetida quando a trama fecha todas as pontas soltas, explicando pequenos detalhes que até então eram desconhecidos.

A premissa e a intenção até são boas, mas o desenrolar nem tanto. Com reviravoltas clichês, o longa mais parece um jogo de videogame repetitivo, que apresenta conflitos desnecessários, presentes ali só para render cenas de ação extremamente explosivas e violentas, bem estilo Michael Bay. Outro problema nesses takes de luta é que a montagem deles foi muito infeliz. A estética de cortes frenéticos escolhida pelo diretor faz com que o espectador não entenda nada o que está acontecendo na cena, só é possível ver sangue, tiro e explosão. A beleza de uma boa luta não foi explorada.

Se Paul W.S. Anderson pecou na direção e no roteiro, Milla Jovovich – mais uma vez – demonstrou que ela é a atriz perfeita para interpretar Alice. A Ucraniana se destaca no longa, mesmo com as falas e ações previsíveis. Mesmo com tantos pontos negativos, “Residente Evil 6: O Capítulo Final” promete fazer muito sucesso com o grande público, se consagrando de vez como a franquia de filmes inspiradas em games mais bem-sucedida da história do cinema.


Iago Moreira- 7º Período

Agência UVA é a agência experimental integrada de notícias do Curso de Jornalismo da Universidade Veiga de Almeida. Sua redação funciona na Rua Ibituruna 108, bloco B, sala 401, no campus Tijuca da UVA. Sua missão é contribuir para a formação de jornalistas com postura crítica, senso ético e consciente de sua responsabilidade social na defesa da liberdade de expressão.

1 comentário em “Um final digno, mas longe de ser perfeito

  1. Pingback: Diversão para todas as idades |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s