Flamengo faz 2 a 0, vence o Emelec nos pênaltis e avança na Libertadores

Gabriel faz os dois gols no tempo normal e Diego Alves brilha nas penalidades para garantir o Rubro-Negro nas quartas de final

O Flamengo se classificou para as quartas de final da Conmebol Libertadores. Na noite de quarta-feira (31), quase 68 mil torcedores foram ao Maracanã acompanhar o jogo de volta do torneio continental, depois de uma derrota da equipe carioca por 2 a 0, no confronto de ida.

O Jogo

Na partida em Guayaquil (EQU), o rubro-negro havia perdido por 2 a 0. O time, então, entrou em campo pressionado e precisando vencer por três gols de diferença para se classificar, ou ao menos repetir o placar do jogo de ida, para levar a decisão para os pênaltis. O Flamengo fez o que se esperava e pressionou o adversário. Durante os primeiros 30 minutos da etapa inicial, o time jogou com intensidade total e praticamente não deixou o Emelec respirar.

Aos 9 minutos do primeiro tempo, Gabigol converteu uma cobrança de pênalti e abriu o placar para o Rubro-Negro. Aos 18 minutos, o artilheiro do Flamengo no ano, com 22 gols em 33 jogos, ampliou para o time carioca e igualou o confronto. Ainda na etapa inicial, o Rubro-negro criou outras oportunidades e poderia ter saído de campo para o intervalo com um placar maior.

5d4247a86f92f
Gabigol foi o destaque da partida marcando os dois gols do Flamengo no tempo normal Foto: Alexandre Vidal e Marcelo Cortes / Flamengo

No segundo tempo, o Flamengo sentiu bastante a parte física e não conseguiu repetir o bom desempenho do primeiro. Com as saídas de Gabigol, que foi substituído por causa de uma lesão muscular; e Gérson, que cansou no fim, o time carioca caiu de produção. O Emelec passou a se soltar um pouco mais, levando certo susto em alguns momentos, mas o resultado continuou igual até as penalidades.

Pênaltis

O Flamengo ficou com a vaga para a próxima fase, vencendo as penalidades por 4 a 2. E a tranquilidade que faltou na Copa do Brasil sobrou diante do Emelec. Arrascaeta, Bruno Henrique, Renê e Rafinha cobraram com a seriedade, a calma e a categoria que faltaram contra o Athletico- PR, há duas semanas, pelas quartas da Copa do Brasil. Pelo time equatoriano, Bryan Angulo e Cortez converteram, Dixon Arroyo parou no goleiro Diego Alves e Queiróz acertou o travessão.

5d42529d8b39a
Diego Alves pegou uma cobrança e viu o adversário desperdiçar outra, classificando o Flamengo para a próxima fase (Foto: Delmiro Junior/PHOTO PREMIUM)

Próxima Fase

O Flamengo não ia às quartas de final da Libertadores desde 2010. Na ocasião, o rubro-negro foi eliminado pela Universidad de Chile. Agora, enfrentará o Internacional, em um duelo de brasileiros nesta fase. Possivelmente, os jogos serão nas semanas dos dias 21 e 28 de agosto.

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO 2 (4) X (2) 0 EMELEC

Árbitro: Néstor Pitana (ARG)

Assistentes: Hernán Maidana e Julio Fernández (ambos da Argentina)

Árbitro de vídeo: Mauro Vigliano (ARG)

Cartões amarelos: Bruno Henrique, Cuéllar, Willian Arão (FLA); Arroyo, Mejía, Quintero e Cortez (EME)

Cartões vermelhos: Nenhum

Gols: Gabigol, aos 9 e 18 minutos do primeiro tempo (FLA)

FLAMENGO: Diego Alves; Rafinha, Thuler, Pablo Marí e Renê; Cuéllar, Willian Arão e Gérson (Berrío); e Éverton Ribeiro (Arrascaeta), Bruno Henrique e Gabigol (Reinier). Técnico: Jorge Jesus

EMELEC: Dreer; Caicedo, Jaime (Quintero), Mejía e Bagüí; Arroyo, Godoy (Cortez), Queiroz, Cabezas; Guerrero (Carabalí) e Angulo. Técnico: Ismael Rescalvo


Luhan Alves-6º Período 

Flamengo enfrenta Emelec em jogo decisivo pela Libertadores

Em jogo que vale o maior objetivo da temporada, o Rubro-Negro carioca precisa inverter a derrota por 2 a 0 no jogo de ida para avançar na competição

Flamengo e Emelec se enfrentam nesta quarta-feira (31), às 21h30, no Maracanã. O confronto é válido pelas oitavas de final da Libertadores e o clima da partida é de tensão total por parte do time carioca, que está em desvantagem no placar. Após perder por 2 a 0, na semana passada, em Guayaquil, o Flamengo precisa de três gols de vantagem para avançar. Qualquer vitória por dois gols de diferença, sofrendo gols, elimina o Rubro-Negro. Se vencer por 2 a 0, a vaga nas quartas de final será decidida nos pênaltis.

O rubro-negro carioca tem duas novidades na relação de jogadores que vão a campo nesta partida. A equipe terá à disposição Arrascaeta e Éverton Ribeiro, que se recuperaram de lesões, embora ainda não seja possível saber se os dois estão em boas condições para entrar em campo. A necessidade desse jogo decisivo, fez o departamento médico acelerar a recuperação. Na zaga, Thuler assume a vaga de Rodrigo Caio, que machucou a coxa no jogo contra o Botafogo.

jogadores-do-flamengo-comemoram-em-goleada-contra-o-goias-1563122544034_v2_900x506

Gabigol (e) é aposta do Flamengo contra o Emelec. Rubro-negro sonha em ter Everton Ribeiro (c) e Arrascaeta (d) nesta partida Foto: Reprodução Twitter

Já o time equatoriano, vem para o Rio de Janeiro com uma boa vantagem para se classificar para a próxima fase da Libertadores. O Emelec pode perder até por um gol de diferença, que avança na competição. O zagueiro Marlon Mejía será o substituto do argentino Vega, expulso no primeiro jogo. A dúvida da equipe gira em torno de Brayan Cabezas, titular em Guayaquil, mas que passou a semana com um desconforto muscular. Sua escalação deve ser confirmada (ou não) apenas em cima da hora. Caso não se recupere, a expectativa é de que Orejuela jogue.

A torcedora Lorrany Alves, de 18 anos, acredita que o técnico Jorge Jesus tenha tirado uma lição da primeira partida contra o Emelec, pondo em vista os erros cometidos no jogo.

“Espero que o time tenha analisado bem a tática de jogo do rival, explorando bem as fraquezas, para não deixar eles finalizarem com tanta facilidade. Hoje, espero garra, força e raça, pois Flamengo sem raça não é nada”, diz a torcedora.

O estudante de Jornalismo, Douglas Braz, de 24 anos,  não esperava tanta dificuldade  nas oitavas, pelo investimento feito pelo rubro-negro e pelo adversário que o time carioca pegou no sorteio. Ele acredita em um resultado favorável para o Flamengo.

“Creio que o Emelec vai catimbar muito o jogo e que virá recuado, mas com a força da torcida, e como o adversário não mostrou muitas virtudes até mesmo quando estava 11 contra 11 em casa, espero que o Flamengo consiga reverter esse resultado até mesmo no tempo normal”, conta Douglas.

Apoio da Torcida

O clima é de decisão, e o Maracanã terá a casa cheia. Todos os 60.500 ingressos foram vendidos para a partida desta quarta (31). Diante da obsessão pelo bicampeonato continental, o Flamengo terá de reverter um cenário desfavorável para mostrar sua força. Entre a “crise na Gávea” e o “rumo ao Mundial”, o Fla tem 90 minutos para dar o tom da sua temporada.

images (4)

Maracanã terá casa cheia no confronto com o Emelec Foto: Rodrigo Coca/Flamengo 

Visão das especialistas

A jornalista Luciana Zogaib, narradora da Rádio Ferj e do Damas do Esporte, espera que o Flamengo se imponha e que responda à altura para sua torcida tamanha expectativa depositada.

“Será um jogo duro, apesar da superioridade técnica do Flamengo, o Emelec joga duro, baixando o sarrafo. Será importante manter o controle emocional.”

A repórter do programa Donos da Bola, da Band, acredita na virada do Flamengo, apesar dos desfalques de Diego, Vitinho, Rodrigo Caio, Lincoln e Leo Duarte, que deixou o Fla.

“Creio na recuperação de Everton Ribeiro e acho que ele tem tudo pra brilhar, como na partida contra o Emelec no ano passado, que ele fez dois gols!”

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO X EMELEC

Árbitro: Néstor Pitana (ARG)

Assistentes: Hernán Maidana e Julio Fernández (ambos da Argentina)

Árbitro de vídeo: Mauro Vigliano (ARG)

FLAMENGO: Diego Alves; Rafinha, Thuler, Pablo Marí e Renê; Cuéllar, Willian Arão e Gerson; e Berrío (Éverton Ribeiro) Bruno Henrique e Gabriel Barbosa. Técnico: Jorge Jesus

 EMELEC:  Dreer; Caicedo, Jaime, Mejía e Bagüí; Arroyo, Godoy, Queiroz, Cabezas (Orejuela); Guerrero e Angulo. Técnico: Ismael Rescalvo


Luhan Alves – 6° Período

Brasil vence no Maracanã e é campeão da Copa América

Com mais uma boa atuação do ataque, seleção conquista o torneio pela nona vez

Deu Brasil na final da Copa América, contra a seleção peruana neste domingo (7), no Maracanã. A equipe brasileira correspondeu às expectativas e venceu o Peru por 3 a 1, mesmo terminando a partida com um jogador a menos. Além do título, os jogadores brasileiros levaram para casa todos os prêmios individuais da competição.

No início, o time peruano ensaiou uma pressão na defesa brasileira, o que não durou nem vinte minutos, e logo o Brasil abriu o placar com um cruzamento de Gabriel Jesus que encontrou Everton sozinho na área. Ainda no primeiro tempo, a bola bateu na mão de Thiago Silva dentro da área e o pênalti foi convertido por Paolo Guerrero.

O gol do Peru fez a torcida brasileira silenciar, mas não por muito tempo. Poucos minutos depois, Arthur deu bom passe para Gabriel Jesus fazer 2 a 1 para o Brasil. Gabriel ainda foi expulso no segundo tempo e saiu chorando do campo. Mesmo com um jogador a menos, a seleção não deixou de atacar. Faltando poucos minutos para o fim, Everton sofreu um duvidoso pênalti e ficou para Richarlisson fazer o gol do Título brasileiro.

As grandes atuações individuais renderam prêmios para os brasileiros. Com o mesmo número de gols de Paolo Guerrero (3), mas vencendo no critério de desempate, Everton foi o artilheiro e melhor jogador da final. Alisson foi o melhor goleiro e Daniel Alves ficou com o prêmio de craque do campeonato.


Daniel Fernandes- 7° Período 

Estados Unidos confirmam o favoritismo e vencem a Copa do Mundo feminina

Seleção norte-americana não deu chances para a Holanda e levou o cobiçado troféu para casa

Lideradas por Alex Morgan e Megan Rapinoe, os Estados Unidos venceram a Holanda e conquistaram a Copa do Mundo feminina na França. A equipe teve um primeiro tempo mais difícil que o habitual, mas ainda assim manteve o forte nível de atuação mostrado durante todo o campeonato, e levou o troféu pela quarta vez.

A proposta da Holanda era clara: não levar gols no primeiro tempo. Esse era o objetivo do jovem time que chegou à final como “zebra”, já que outras seleções, como Alemanha e França eram mais cotadas para disputar o título. A velocidade em contra-ataques com as atacantes Vivianne Miedema, Lieke Martens e Danielle Von De Donk era a principal aposta holandesa.

Donas de um ataque norte-americano quase imparável, no segundo tempo, as americanas abriram o placar com um gol de pênalti de Rapinoe. Cinco minutos depois, Rose Lavelle, eleita revelação do torneio, marcou o gol do quarto título da seleção dos Estados Unidos. O final ainda reservaria outro grande momento, a despedida de Carly Lloyd, que ficou como capitã para levantar o troféu após a saída de Rapino, eleita a melhor jogadora do campeonato.

O presidente da Fifa Gianni Infantino afirmou que o torneio foi a maior Copa feminina da história. Batendo recordes de audiência e lotando estádios, o público passou a conhecer novas estrelas como Martens que, aos vinte e dois anos, já é a maior artilheira ;da seleção holandesa; a francesa Le Sommer, candidata a melhor jogadora do mundo; e a brasileira Debinha, um dos destaques do torneio. Além disso, foi o momento de prestigiar os últimos jogos de Formiga, Carly Lloyd e Karen Carney por suas seleções.


Daniel Fernandes- 7° Período

Em jogo tenso, Brasil passa pela Argentina e vai à final da Copa América

Gabriel Jesus e Roberto Firmino em noite inspirada, e Alisson seguro, garantiram a vitória brasileira

Na noite desta terça (2), Brasil e Argentina se enfrentaram no Mineirão pela primeira partida da semifinal da Copa América. O jogo que é conhecido como “O super clássico das Américas” fez jus à fama e entregou tudo que se esperava de um grande confronto. O Brasil, melhor tecnicamente, impôs o seu jogo e vem ao Maracanã com uma vitória por 2 a 0 na bagagem.

Desde a primeira a fase, Brasil e Argentina apresentaram problemas bem semelhantes. Craques sem brilho, meio campo sem encaixe e técnicos questionados. Neste cenário, o único setor brasileiro que funcionou bem durante todo o torneio foi importantíssimo, a defesa.

Brasil vence Argentina e vai à final no Maracanã (Foto: Reprodução/Twitter)

Com Marquinhos, Thiago Silva e o lateral Daniel Alves, que jogam juntos no Paris Saint-Germain, e Alex Sandro, lateral esquerda da Juventus, Messi, Agüero e Martinez tiveram pouco espaço para chegar na área. Nas vezes em chegavam, esbarravam em um dos melhores goleiros do mundo, Alisson, que teve mais uma boa atuação.

Já no ataque, Coutinho voltou a jogar bem, e Gabriel Jesus fez sua melhor atuação no torneio. Everton, sempre bem marcado, não teve espaço para correr, o que abria uma grande área do campo para as tabelas de Jesus e Firmino, resultando nos dois gols brasileiros.

A seleção ainda tem falhas no meio campo ofensivo. Arthur não consegue achar sua posição ajudando pouco no ataque e menos ainda na defesa, servindo apenas para dar cadência ao jogo, o que muitas vezes atrapalha os contra-ataques em velocidade. Por outro lado, Casemiro atacou, defendeu e fez boa ligação do meio até a área argentina. O Brasil aguarda seu adversário da partida entre Chile e a surpreendente seleção do Peru.


Daniel Fernandes – 7° Período

Brasil joga mal, mas vence Paraguai nos pênaltis e avança na Copa América

Equipe brasileira cria pouco e termina mais uma partida sem tirar o zero do placar, levando o jogo para as penalidades

Nesta quinta (27) a seleção brasileira entrou em campo pelas quartas de final da Copa América. O adversário da vez foi o Paraguai, que na teoria tem um time mais fraco, mas se mostrou bem mais organizado e fiel a sua proposta de jogo, muito mais preocupada em não sofrer gols, do que em fazer.

O histórico do adversário fala por si. A equipe paraguaia chegou às quartas de final sem vencer nenhum jogo, apenas dois empates contra Catar e Argentina, além da derrota para a invicta Colômbia. O jogo paraguaio propicia o empate, o que pode causar situações inusitadas, como na edição de 2010 do torneio em que o time chegou a final sem ganhar um jogo sequer.

br copa.jpg

Brasil avança para as semi finais nos pênaltis (Foto: Reprodução/twitter)

Desta vez não foi diferente. O Brasil, superior tecnicamente, não conseguiu impor seu jogo, e até atletas em boa fase, como Everton e Daniel Alves, não brilharam. Firmino, mais uma vez, não trouxe para a seleção a boa fase que vive no Liverpool. Coube a um paraguaio ser o destaque do jogo. O goleiro Gatito Fernandez fez outra atuação espetacular que ajudou a levar o empate até o fim.

Nos pênaltis, o primeiro grande momento foi brasileiro. Alisson pegou a cobrança inicial e os três primeiros batedores do Brasil marcaram, até Roberto Firmino chutar longe do gol e deixar a pressão para Gabriel Jesus na última cobrança. O atacante do Manchester City acertou e classificou o Brasil para as semifinais. A seleção agora vai jogar com a Argentina na semi final.

Daniel Fernandes – 7 Período

Mulheres na narração esportiva

Elas deixam o preconceito de lado, estão cada vez mais empoderadas no esporte e nem assim descem do salto

A prática esportiva nunca se restringiu a homens ou mulheres, mas o protagonismo sempre foi masculino e, durante muito tempo, mulher e esporte não caminharam juntos. Mas esse cenário está mudando. Além de muitas mulheres serem atletas, outras são narradoras e comentaristas esportivas na televisão.

A jornalista da Fox Sports, Dani Boaventura, é um exemplo dessa mudança. Ela, que sonhava com a profissão, mas nunca tinha se imaginado na editoria dos esportes, garante: “O esporte me levou por insistência”.

Eu sempre quis ser jornalista, mas meu objetivo era ser correspondente em zona de conflito. Por todos os lugares onde passei sempre me ofereceram vaga no esporte. Até que em 2013, como estavam chegando copa e Olimpíada no Brasil, eu aceitei”.

Jornalista Dani Boaventura apresentando programa da Fox Sports
(Foto: Reprodução/Rede social)

Sabe-se que muitas mulheres enfrentam dificuldades por escolherem trabalhar em um mercado majoritariamente masculino.  Dani Boaventura, comenta sobre o preconceito: “Isso é fácil resumir: no jornalismo esportivo, se um homem erra, ele se enganou. Se uma mulher erra, ela é burra e deveria ir lavar uma louça”, desabafa. Ela ainda ressalta a importância da atuação feminina no jornalismo esportivo:

Hoje me sinto feliz por abrir caminho para a igualdade. A estrada ainda é longa e nós, mulheres, precisamos administrar a velocidade dos nossos anseios com a velocidade que o preconceito demora pra sumir”.

 Primeira narradora do Campeonato Paulista Masculino, também participou do programa Narra Quem Sabe da Fox Sports, Natália Lara, conta que trabalhar na área esportiva era um sonho desde a infância. Agora, é realidade. .

Jornalista esportiva Natália Lara narrando partida de futebol pela rádio Arena Esportes.
(Foto: Arquivo pessoal)

Eu sempre fui muito ligada com esportes desde pequena, mas nunca tinha pensado em trabalhar nessa área. Eu estudava muito cinema, TV e atuação e, por isso, fui fazer uma faculdade de Rádio e TV”, conta Natália.

Disposta a investir na área, ela fez um curso de locução e se apaixonou pela narração esportiva. Hoje em dia, Natália se sente honrada por ser pioneira no âmbito esportivo e por poder ser uma referência feminina para outras mulheres que também gostam de esportes. “No começo, eu praticamente não tinha referências de mulheres, por conta dessa predominância de homens. E, agora, pensar que eu posso ser referência para as próximas gerações de mulheres que vierem pra narração esportiva, me deixa muito honrada”, comenta.

Não há dúvidas de que a presença feminina no mundo dos esportes é cada vez mais forte. Outra jornalista que se tornou uma referência no meio é a mineira Isabelly Morais: a primeira mulher a narrar uma copa do Mundo na TV.

Jornalista Isabelly Morais na emissora Fox Sports, onde atuou como a primeira mulher a narrar uma Copa do Mundo na TV
(Foto: Reprodução/Facebook)

Quando a gente trabalha com o jornalismo esportivo, sendo mulher, a gente levanta muitas bandeiras. A gente integra muitas lutas quando tem uma posição de destaque, quando quebramos barreiras muito impostas para a gente. Ficamos felizes e orgulhosas por inspirar outras mulheres. Ser mulher no jornalismo é mesmo militar por uma causa”, relata Isabelly Morais.

A jornalista e apresentadora da Fox Sports, Vanessa Riche, é outra inspiração. Ela, que já narrou Olimpíada e Pan-Americano, agora lidera o Narra Quem Sabe, um programa de narração feminina nos canais Fox Sports. “Treinei narradoras e comentaristas que pela primeira vez na história da TV Brasileira narraram e comentaram jogos de Copa do Mundo”, conta.

Jornalista e apresentadora do programa Narra quem sabe, Vanessa Riche
(Foto: Reprodução/Facebook)

As mulheres, definitivamente, estão na narração esportiva. Isso é motivo de orgulho para Vanessa, que faz parte do time feminino que vem ganhando lugar de destaque em um contexto dominado pelos homens.

É libertador. Estamos conquistando o nosso espaço com competência. Demorou mais tempo do que gostaríamos, mas hoje ocupamos espaços no campo, jogando e na arbitragem; na narração; nos comentários; nas reportagens e nas mesas redondas. A mulher é mais detalhista. Olha por outro prisma”, declara a jornalista Vanessa Riche.


Priscilla Romana – 7° período

Seleção feminina vence a Itália em dia de recorde de Marta

Brasil está classificado para as oitavas de final da Copa do Mundo

Na tarde de terça (18) a seleção brasileira feminina venceu a Itália por 1 a 0 e deixou bem encaminhada a classificação para a próxima fase, que se concretizou após o fim da rodada. O gol marcado por Marta foi de pênalti e agora a camisa 10 brasileira é a maior artilheira da histórias das Copas do Mundo.

Com o primeiro tempo bem disputado era difícil dizer quem se sairia melhor. Sem Formiga, suspensa pelo segundo cartão amarelo, o Brasil começou a partida com Andressinha de titular, substituição que caiu muito bem na equipe, tomando conta do meio-campo ofensivo e oferecendo perigo nas bolas paradas.

IMG_20190619_092619

Brasil vence Itália e está nas oitavas de final (Foto: Reprodução/Twitter FIFA)

No segundo tempo, só o Brasil atacou, e a seleção italiana, acuada na área, acabou cometendo pênalti na camisa 9, Debinha, que fez sua melhor partida até aqui. Coube a Marta a responsabilidade de marcar o gol da vitória brasileira.

Foi o 17° gol de Marta em Copas do Mundo, passando Ronaldo com 15 gols e o alemão Miroslav Klose, com 16, ela agora é a maior artilheira da história das Copas. A jogadora amadora Andressa Santos fala sobre a atuação da seleção: “A Marta é importantíssima pra seleção, mas ontem a Debinha e principalmente a Andressinha foram as melhores jogadoras. Foi o melhor jogo do Brasil nessa Copa”.

Ela comenta ainda sobre o recorde de Marta: “Mais um recorde importante, não só pra Marta mas também para a seleção feminina, que já tem a Formiga, com o maior número de Copas disputadas (7), e a Cristiane, que é a maior artilheira da historia dos Jogos Olímpicos (14 gols)”.

Daniel Fernandes – 7° Período

Primeira rodada da Copa América é um fracasso de público

Mesmo com rendas altas, devido ao elevado preço dos ingressos, estádios vazios e com atmosferas frias, preocupam os organizadores

Iniciada na última sexta feira (14), a Copa América, sediada no Brasil, vem chamando atenção pela baixa procura de ingressos e arquibancadas vazias. Mesmo em jogos de seleções fortes, repletas de estrelas, o público recebido nos estádios foi bem abaixo do esperado pelos organizadores do torneio.

Já Em jogos envolvendo equipes mais modestas, como Venezuela e Peru, a ocupação dos estádios não chegou nem a trinta por cento de suas capacidades de público.

Paraguai X Catar, primeira partida do Maracanã, não atingiu nem trinta por cento da capacidade do estádio
Foto:Agência Brasil/ Tânia Rêgo

Se por um lado a Copa América, até então vem sendo um fracasso de bilheteria, o mesmo não se pode dizer do lucro. No jogo de abertura da competição, entre Brasil e Bolívia , a renda bruta do jogo foi de R$ 22,5 milhões, a maior já registrada no futebol brasileiro, sendo que apenas 46.342 torcedores estavam presentes no estádio do Morumbi, cerca de 20 mil torcedores a menos do que as estimativas indicavam. Esses números contrastantes evidenciam um grave problema na organização da copa, o alto preço dos ingressos.

O valor médio para assistir a estréia da seleção brasileira no Morumbi foi de R$ 485,00 , o que consiste em quase metade do salário mínimo no país.

Ao ser questionado pelo baixo público do campeonato, em um evento de divulgação em Copacabana, o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez se mostrou aflito e preocupado com a questão, no entanto o próprio dirigente já declarou que não haverão promoções com ingressos mais baratos para essa edição do torneio.

Felipe Pereira- 7° Período

Brasil perde de virada para Austrália na Copa do Mundo

Seleção feminina joga mal e sofre sua primeira derrota no torneio. Brasileiras reclamam de pênalti não marcado nos acréscimos

 Brasil e Austrália se enfrentaram nesta quinta-feira (13), pelo grupo C da Copa do Mundo de Futebol Feminino. A seleção foi derrotada por 3 a 2,  mesmo após chegar a abrir dois gols de vantagem. Marta, voltando de lesão só jogou 45 minutos e fez um dos gols brasileiros.

Primeiro Tempo

Na etapa inicial a Austrália teve mais posse de bola e o Brasil sofreu para aguentar a pressão das australianas, que além de, contar com uma seleção fisicamente forte, também apresentou um bom futebol. As brasileiras tinham dificuldade de encaixar um ataque, muito também, pela forte marcação adversária no meio de campo. Mas aos 26 minutos, Marta, em seu primeiro jogo neste mundial, abre o placar em cobrança de pênalti, após lance em que Letícia Santos é puxada dentro da área por Knight.

2019-06-13t160827z-626724696-rc1c31edfe30-rtrmadp-3-soccer-worldcup-aus-bra

Marta faz gol pela seleção brasileira contra a Austrália e se torna a maior artilheira das Copas do Mundo Foto: Reuters

Mesmo com o gol, a seleção brasileira não conseguia ditar o ritmo do jogo e oferecia bastante campo para a Austrália jogar, mas em uma jogada bem construída pelo Brasil, a equipe de Vadão marcou mais uma vez. O lance iniciou com uma caneta da Tamires, que deu um passe em profundidade para Debinha cruzar e Cristiane acertar uma cabeçada certeira, sem chances para a goleira adversária. As australianas continuaram insistindo e foram premiadas com um gol no final do primeiro tempo, com a camisa 9 Foord, também de cabeça.

Segundo Tempo

No segundo tempo, o técnico do Brasil, Vadão, voltou com duas substituições, saíram Marta e Formiga, e entraram Ludmila e Luana. O cenário da partida era o mesmo da etapa inicial, com a seleção brasileira tendo muita dificuldade de construir jogadas e a Austrália imprimindo seu jogo, adiantando a linha de marcação e indo em busca da virada. E aos 12 minutos, as australianas empataram o jogo. A meia Logarzo cruzou a bola para a área e sem ninguém desviar a goleira Bárbara acabou traída e saiu atrasada, resultando no empate da seleção da Oceânica

A virada da Austrália veio após mais uma bola alçada na área brasileira, na qual a zagueira Mônica acabou desviando contra o próprio gol.  De início a árbitra não validou o lance e chamou o auxílio do Árbitro de Vídeo. Após checar a jogada, deu o gol para a seleção australiana. Com isso, o Brasil perdeu o psicológico dentro de campo e sem suas referências, não teve forças para reverter o placar.

Situação no grupo

Com o resultado, o Brasil permanece em 1º lugar com três pontos no Grupo C, mas pode ser ultrapassado pela Itália, que ainda joga com a Jamaica no complemento da segunda rodada nesta sexta-feira (14). A Seleção volta a campo na próxima terça-feira (18), contra a Itália, em Valenciennes. 

FICHA TÉCNICA

AUSTRÁLIA 3 X 2 BRASIL

Local: Stade de la Mosson, Montpellier (FRA)

Público: 17.032 (torcedores)

Cartões amarelos: Formiga, Luana, Andressa Alves (Brasil)

Árbitra: Esther Staubli (SUI)

Auxiliares: Sian Massey (ING) e Susanne Kung (SUI)

Árbitro de vídeo: Bastian Dankert (ALE)

GOLS: Marta (26’/1ºT), Cristiane (37’/1ºT), Foord (46/1ºT), Logarzo (12’/2ºT), Mônica (contra, 23’/2ºT)

BRASIL: Bárbara; Letícia S., Mônica, Kathellen e Tamires; Thaisa, Formiga (Luana) e Marta (Ludmilla); Andressa, Debinha e Cristiane (Bia Zaneratto). Técnico: Vadão

AUSTRÁLIA: Williams; Carpenter, Kennedy, Catley e Kellond-Knight; Van Egmond, Yallop e Logarzo ; Gielnik (Raso), Kerr e Foord (Roestbakken) Técnico: Ante Milicic

Luhan Alves- 6° Período