Em Clima de Férias

Na tarde da última quarta-feira (24) a WebTv da Universidade Veiga de Almeida, TVUVA, realizou mais um Jogo Aberto em seu estúdio. O programa que ainda não tem data prevista para ir ao ar, contou com a presença de Evelyn Regly, famosa por suas dicas de maquiagem e seus vlogs na internet, com o cantor  Caio Prado e com o ator Alex Gomes e a atriz Michelly Campos, integrantes da peça de teatro “Funk Brasil: 40 anos de Baile”.

Tendo intenção de ajudar outras blogueiras a criarem seus sites, Evelyn – que também é WebMaster e Designer Gráfico – criou seu blog em 2002 que tinha como conteúdo posts com dicas de programação e de como organizar imagens e gifs animados em cada tipo de site.

Com o crescimento do portal, ela decidiu criar um canal no youtube, onde deixava um pouco de lado os assuntos sérios, relacionados a trabalhos, e apresentar um pouco mais do lado pessoal, com dicas de maquiagem e resenhas de produtos. Com a nova plataforma, Evelyn ficou famosa e, desde então, vive o dia- a- dia de uma celebridade. “Pra mim é gratificante, mesmo. É o reconhecimento do meu trabalho”, disse Regly, que mesmo tendo atrasado para alguns compromissos, por conta do assédio, não deixa de amar seus fãs.

11028365_840545702706882_8966952602278292392_n

Amanda e Letícia apresentadoras do Programa Jogo Aberto e a Blogueira Evelyn Regly.

Querendo descriminalizar a imagem do estilo musical, a peça teatral “Funk brasil: 40 anos de baile” traz aos palcos uma viagem sobre a história do rítimo carioca. Alex Gomes e Michelly Campos, representantes do espetáculo, tem fortes conexões com o rítimo.

16982_638351319600147_1372451698092017953_n

Michelly Campos e Alex Gomes do projeto “Funk Brasil: 40 anos de baile”

O ator, que  estudou teatro no tablado e participou da série Malhação de 2004, gravou 5 edições do programa “por toda minha vida”, da rede globo. Em uma dessas edições Alex interpretou Claudinho, da dubla Claudinho e Buchecha, foi então que a admiração pelo MC, e pelo funk, começou a aumentar “tudo o que ele batalhou para ter. Ele busca estar sempre feliz, independente do problema que esteja enfrentando”, completou o ator.

Michelly é formada em audiovisual, mas sua verdadeira paixão é o teatro. Durante sua vida, passou por diversas escolas e trabalhou atuando em diversas emisoras, como Multishow, HBO e Record, por exemplo. Encantada pela alegria que o funk apresenta, a atriz disse que se identifica bastante com a cantora Tati Quebra-Barraco, pois apóia a luta pela independencia feminina, tema presente nas letras da MC.

O cantor e compositor Caio Prado acaba de lançar seu mais novo disco, “Variável Eloquente”. Com 10 faixas, o cd reúne músicas completamente autorais com caracteristicas minimalistas. O artísta lançou o albúm no Oi Futuro Ipanema, no festival Levada 2015. Com um timbre vocal bem especial e com grandes músicos ao seu lado, Caio é um grande fruto da nova leva de artistas independentes nacionais e marca a todas as pessoas que escutam suas músicas.

10887846_1630969943781787_371856748_n

Apresentadoras do programa Jogo Aberto e o Cantor Caio Prado.

Por: Iago Moreira, Brigida Brito e Bruna Melo

Discriminação  é Tema de Debates no Campus da Tijuca

Em uma época que as intolerâncias sociais geram debates e polêmicas cada vez mais intensas, o curso de Enfermagem da UVA, campus Tijuca, promoveu o “Simpósio Universitário Zero Discriminação: Mais Ação e Menos Discriminação”. O evento, ocorrido no dia 10/06 (quarta-feira), teve como objetivo impulsionar discussões e reflexões sobre os diversos preconceitos encontrados na sociedade, como de gênero, raça, orientação sexual e religião. Junto aos alunos, o seminário foi organizado pelo coordenador do curso Marcio Tadeu e pela professora Maria Cristina Pimenta.

O evento começou, às 9h, com um vídeo no qual a atriz e modelo britânica, Emma Watson, discursa sobre o feminismo na sede da ONU (Organização das Nações Unidas), em Nova York, em setembro de 2014. Durante sua fala, Emma apresenta o HeForShe (Ele por Ela), seu primeiro projeto após ser nomeada Embaixadora da Boa Vontade da Agência ONU Mulher. A campanha tem o propósito de mostrar que a desigualdade de gêneros não causa problemas somente às mulheres. O evento seguiu e foi exibido um vídeo documentário, feito pelos alunos do curso.

Professores e Palestrantes

Professores e Palestrantes

Antes de abrir para os debates, a professora Maria Cristina Pimenta, da disciplina Seminários Avançados de Investigação Social, apresentou o objetivo do simpósio, que ocorreu como resultado das discussões realizadas em aula. Em seguida, Eduardo Maluf, diretor acadêmico do campus, completou Cristina ressaltando a importância do tema em questão para os alunos de enfermagem. “Vocês são profissionais da saúde e não podem ter preconceito algum”.

Para iniciar o seminário, o coordenador Mario Tadeu convidou o Juiz de Direito Rossidelio Lopes, presidente da AMERJ (Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro) para mostrar aos alunos a visão jurídica em relação às discriminações. Rossidelio trouxe exemplos positivos e negativos sobre o assunto. Lembrou o fato do Rio de Janeiro ter sido o primeiro estado brasileiro a realizar casamentos homoafetivos e comentou a lei do feminicídio, nome dado ao homicídio contra a mulher por razões de seu sexo. Passou por problemas como homofobia, agressão infantil, racismo, preconceito religioso, de idade e discriminação socioeconômica.

Quando foi aberta a sessão de debates, os alunos reapresentaram os vídeos e debateram em cima do documentário. Este, produzido pelos estudantes, trazia chamadas de matérias jornalísticas em que a intolerância era pauta e depoimentos de três pessoas que sofreram ou sofrem preconceitos. A mesa-redonda abriu espaço para Vagner de Almeida, representante da coordenação HSH/JOVENS/LGBT da  ABIA ( Associação Brasileira Interdisciplinar  de  Aids), que exaltou a diversidade, condenou toda forma de preconceito e, por meio de frases impactantes, destacou o conhecimento como  maneira   de  libertação de  qualquer intolerância. ”O  debate de diversidade sexual é importantíssimo  para a superação do tema”, diz ele.

O  discurso  de  Vagner  foi  o  ponto  alto do  evento,   porque instigou  os  alunos a  participarem  ainda  mais  do  debate,   levantando   diversas  questões  sociais  importantes para  a  superação  de  diferentes  tipos de   discriminação e questionando a  metodologia da  educação  brasileira.   O  debatedor ainda divulgou o  seu  trabalho à  frente da ABIA,  Associação Brasileira Interdisciplinar   de  Aids, que tem  sede no centro do RJ e atua no enfrentamento da  epidemia de HIV e AIDS a partir da perspectiva dos  direitos humanos, com da solidariedade, justiça e democracia.

  É  com  o  avanço  da  consciência  que a repressão da  discriminação é  superada. A  sexualidade é  um  tema  deve  ser  debatido  em  sua  totalidade em  todas  as  esferas  sociais  e  nos  mais  variados  lugares.  A  violência estrutural causada pelo obscurantismo da   intolerância representa as   correntes  da  ignorância,  no  qual  somente o  conhecimento  é  capaz de  quebrar  e  libertar  as mentes da opressão.

Interação no debate

Interação no debate

O assunto mais replicado , foi o da Parada do Orgulho LGBT. A polêmica gerada com a transexual crucificada dividiu os alunos que quiseram saber a opinião do magistrado. “A Parada poderia teatralizar a crucificação, mas, talvez, ultrapassaram a barreira do respeito. É o mesmo que chutar a imagem da Santa na TV”, avaliou o Juiz, fazendo referência ao caso ocorrido em outubro de 1995, no qual um Pastor chutou uma imagem de Nossa Senhora Aparecida no programa O Despertar da Fé, transmitido pela Rede Record. O Comercial da Boticário também foi lembrado.

“Crucificada” na parada gay transexual vira alvo de polêmica

Aconteceu no dia 7 de junho, a 19ª  Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, reunindo pessoas de diversas faixas etárias , perfis e crenças. Diferente dos eventos anteriores, esse, em especial, causou muita polêmica nas redes sociais e mídia em geral ao apresentar Viviany Beleboni, uma jovem transexual, crucificada, representando Jesus Cristo, causando revolta em internautas que acharam um desrespeito à fé cristã. “As pessoas estavam querendo a minha morte. Tinha gente falando que eu tenho que morrer”, disse Viviany, que também recebeu, pelas redes sociais, mensagens de apoio de simpatizantes à sua causa.

O ato foi classificado pelo pastor evangélico Marco Feliciano de “cristofobia”, internautas também lembraram de outras ocasiões em que a cruz foi usada para passar algum tipo de mensagem, que não a religiosa, mas sem a repercussão obtida após o protesto de Viviany. “Sou completamente contra, infelizmente ou felizmente somos o que somos não há carne, só o caráter que fica e não temos que envolver crenças ou religiões” diz Elaynne Cundari, gay assumida e que sempre participa da parada.

Segundo a psicóloga Amanda Santana, hétero, 30, a parada gay tem como objetivo principal mostrar  a luta de uma causa que ao longo dos anos vem ganhando espaço. Porém, nos últimos eventos, é notável uma mudança drástica nesse ideal, pois o mesmo trás consigo um claro teor sexual, com pessoas muitas vezes nuas e em atos que agridem a moral e a ética. “ É preciso focar na importância desse festa, ter um ideal , não usar de agressão seja ela qual for: religiosa, sexual, visual… pois dessa forma as pessoas veem  essa comemoração como um ato libertino e não de liberdade”, completa Amanda.

Por: Erick Douglas, Tadeu Thurler, Jéssica Vellasco, Sheyla Soares e Reginaldo Paixão.

CAMPANHA DE DIA DOS NAMORADOS DA BOTICÁRIO: A POLÊMICA CONTINUA

A propaganda despertou inúmeras ofensas de teor homofóbico nas redes sociais, pelo fato de defender a diversidade. 

Antecipando a comemoração dos dias dos namorados, no ultimo dia 24 de maio,  a marca Boticário, disponibilizou nos canais de Tv aberta e  no Youtube ,sua campanha de Dia dos Namorados o boticario, que mostra diferentes tipos de casais heterossexuais e homossexuais, presenteando a seus amados com o perfume “Egeo 7 tentações”, ao som da melodia de “Toda forma de amor”, do cantor e compositor Lulu Santos. O comercial foi alvo de muitos protestos e ameaças nas redes sociais, além das diversas denuncias feitas ao CONAR (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), pelos expectadores que alegam, ferir a moral e os bons costumes da família brasileira.

No ultimo dia 2 de junho o CONAR, informou ter aberto um processo para julgar a campanha, após ter recebido mais de 20 reclamações de consumidores, fora as queixas feitas através do Twitter e do site Reclame aqui. Que alegam que a peça é desrespeitosa com a sociedade e com a família, em nota nas redes sociais, o Boticário afirma ainda não ter recebido, até o presente momento qualquer tipo de notificação do CONAR, referente ao assunto. Já o órgão diz  ainda não ter data marca para audiência.

(Foto: Reprodução/ YouTube)

Foto: Reprodução/ YouTube (O Boticário)

A página da marca de cosméticos no Facebook foi palco de inúmeras manifestações a favor e contra. Enquanto uns elogiavam a campanha, outros faziam diversas ofensas, algumas até de teor homofóbico, além das ameaças de boicote a Boticário. Um dos casos que teve grande repercussão na mídia e nas redes sociais, foi a declaração feita em vídeo pelo Pastor Silas Malafaia, líder do ministério Vitória em Cristo, onde ele pedia a seus seguidores evangélicos, que se recusem a utilizar qualquer produto da linha.

A Aluna Juliana Duarte, que cursa o 7°período de  Serviço Social  na Uva, diz concordar com a colocação religiosa feita pelo Pastor Silas, pois acredita que nem tudo deve ser exposto na televisão de maneira explicita. “Creio que foi uma agressão muito forte. Não tinha necessidade disso. Ela (a peça) quis ser diferente e acabou usando a diferença como algo que gerou certa contradição. Não é pelo fato de ser evangélico (o pastor). Muitos não são e não aceitam a questão do homossexualismo porque não veem como modelo familiar”, completa.

Através das redes sociais a empresa de cosméticos, se mostrou transparente em relação a sua principal proposta com a campanha “Casais”, que era mostrar seu apoio e sensibilidade as diferentes formas de amor, sem estabelecer qualquer tipo de preconceito de acordo com a raça, idade, gênero ou orientação sexual. Apesar de  toda a repercussão gerada a partir do comercial, a maior parte do publico diz ser a favor, como é o caso da estudante de turismo, Rithiele Afonso, que diz que a campanha não apresenta nada demais e são as pessoas que acabam fantasiando algo que nem se quer existiu. “Mesmo que  a propaganda tivesse mostrado ,qualquer tipo de afeto mais intimo, como um beijo gay, não seria nenhuma anormalidade. Eles, como quaisquer outras pessoas, tem todo o direito de mostrar o amor que sentem  um pelo outro. Estamos em pleno século XXI, não há nada de errado nisso “, conta.

O Boticário não seria a primeira marca, a aposta na diversidade como carro chefe de sua campanha, outras marcas como Sonho de Valsa, Gol, Renault e Microsoft,  apostaram no mesmo tema só que forma mais explicita e não tiveram tamanha repercussão que a campanha “Casais” . Um ótimo exemplo seria o comercial de 1 minuto do Sonho de Valsa que foi lançado, em abril desse ano, com o titulo “Pense Menos, Ame Mais”, No comercial amostra casais de idosos, casais de pessoas negras e brancas, uma gestante com seu marido, um deficiente na cadeira de rodas com uma mulher sentada em seu colo e casais homossexuais, detalhe todos dando beijos apaixonados, enquanto narrador descreve quais seriam seus pensamentos. Em observação o CONAR, diz não ter recebido qualquer tipo de reclamação sobre a campanha.

Por: Elias Paiva, Thamiris Vieira e Cassiane  Lima

AÇÃO CELEBRA O AMOR NO BOSQUE DA UVA

Existem muitas maneiras de expressar o amor. Cada pessoa manifesta ele de uma forma diferente como afirmar com palavras, mostrar que realmente se importa ou passar tempo de qualidade juntos. Há pessoas que amam caladas, e há as que amam abertamente.

IMG_4877

Casal apaixonado durante o evento

No dia 12 de Junho de cada ano, é comemorado o dia dos namorados, e aproveitando que o amor está no ar, a professora Luciene Aragon e os alunos da turma da disciplina Inovação e Criatividade, resolveram fazer algumas dinâmicas para espalhar o amor. A ideia inicial era ir às ruas e oferecer cupcakes, mas perceberam que não havia receptividade, nem gentileza, de forma que algumas pessoas se negaram a recebê-los.

Decidiram então, fazer um evento para celebrar e espalhar o amor e suas várias formas de amar, fazendo valer quaisquer declarações, quer fossem para seus amores, amigos, irmãos, para os pais, ou que fossem para a vida, para o mundo! E assim, inspirada na música “Love is in the Air”, nasceu a ideia da ação “O amor está no ar – declare seu amor na UVA”.

O evento , que apesar de contar com pouco tempo para ser realizado, encontrou receptividade imediata por parte dos professores, funcionários e alunos em sua organização, e conseguiu cumprir com os seus objetivos. “Embora tenha acontecido no dia dos namorados, não foi um evento para celebrar apenas a ocasião. Foi para resgatar o amor dentro das pessoas”, explicou a professora.

Árvore dos desejos

Árvore dos desejos

Durante a ação, que começou às 16h no bosque da faculdade, os alunos da UVA puderam externar seus sentimentos e participar de várias brincadeiras, tal como a árvore dos desejos, eram escritas mensagens que podiam ser trocadas por doces, cupcakes ou bombons pendurados na árvore, e o dardo do amor, que permitia que duplas arremessassem o dardo e realizassem as instruções do alvo acertado também pudessem participar do sorteio no final do evento.

Além do sorteio, também aconteceram declarações ao vivo, fotos divertidas e muita música boa. Durante a ação, um telão com mensagens previamente gravadas, contribuindo para um clima descontraído e romântico.

IMG_4848

Declarações ao vivo no bosque da universidade

O encerramento, às 18h, foi o ponto alto, quando as luzes do bosque apagaram, e todos, apenas com a iluminação  dos celulares e anéis pisca-pisca, puderam cantar e dançar ao som de  “All you need is love”, dos Beatles, mandado boas energias e muito amor para o mundo inteiro. “Apesar do pouco tempo para a organização, o evento encerrou  de forma tranquila e com boas vibrações”, conclui Luciene, feliz com o resultado.

Por: Marta Furta e Márcia Carvalho

Encerrando com chave de ouro a Secom 2015

“As Inovações na transmissão jornalistica da Copa”.

Fim de jogo, em clima de final de campeonato, se iniciou os últimos momentos da SECOM 2015 na UVA. Abrindo o evento, a Banda Dona Penha de Jacarepaguá, que deu um show de talento, animando a todos do auditório. Em seguida a palestra sobre “As inovações na transmissão jornalistica da copa”, contou com a ilustre presença de Carolina Castro ( O Globo), Bruno Voloch (R7), Jorge Nathãn (Globo Esporte.com) e Thiago Dias ( Globoesporte.com), mediando a mesa o professor de jornalismo Marcio Ferreira.

Ana Cristina, Márcio Ferreira, Bruno Voloch, Carolina Castro, Thiago Dias e Jorge Nathãn

Ana Cristina, Márcio Ferreira, Bruno Voloch, Carolina Castro, Thiago Dias e Jorge Nathãn

Dando início a palestra, o mediador Marcio abriu a mesa, questionando os palestrantes sobre a influência das novas tecnologias no jornalismo. Bruno Voloch explicou que a tecnologia é de extrema importância para a comunicação como um todo, mas deve ser administrada com cautela. “Precisamos saber utilizar todas essas inovações tecnológicas, sem exageros, para não nos tornamos robôs da modernidade”, explicou o jornalista. Os palestrantes também destacaram o cuidado que devemos ter com as redes sociais, tanto no âmbito social quanto no profissional, pois qualquer tipo de descuido, afeta diretamente a credibilidade do jornalista e do veículo que representa.

Voltando ao tema principal da palestra, os jornalistas Thiago, Jorge Nathãn e Carolina, ambos da editoria de esporte, contam como funciona toda cobertura de um grande evento esportivo como a Copa do mundo e as Olimpíadas. Explicaram também que nesse tipo de reportagem trabalharam com o imediatismo, tudo que acontecia era transmitido em tempo real, por isso tiveram que utilizar as redes sociais como Twitter , WhatsApp e outros, a seu favor. “Hoje temos que adaptar nosso conteúdo ao mundo digital, mas mantendo o jeito e o faro de jornalista. Em qualquer veículo a apuração é essencial”. – comentou Thiago Dias. A jornalista Carolina encerrou o debate confessando temer que ocorra nas Olimpíadas o mesmo que aconteceu na Copa, em relação a infraestrutura, organização e principalmente tecnologia. 11425275_810710315665414_1498904646_o

Fechando a 11ª edição da SECOM, a Coordenadora de Publicidade e Propaganda, Miriam Aguiar, agradeceu aos alunos pelo belíssimo evento. Em seguida a professora organizadora Ana Cristina, chamou ao palco todos os alunos que organizaram esse grandioso espetáculo evento, os parabenizou pelo grande esforço, dedicação e o trabalho em equipe. “Quando entramos no jogo é pra ganhar” afirma a professoram. Deixando o melhor para o final, o tão esperado sorteio da Rifa do Iphone 6. A ganhadora do concorridíssimo IPhone 6 já recebeu seu prêmio em casa.

Dióice Lopes Vieira, ganhadora do Iphone 6 e Desirée Aguiar, aluna da UVA.

Dióice Lopes Vieira, ganhadora do Iphone 6 e Desirée Aguiar, aluna da UVA.

Por: Cassiane Priscila e Jéssica Vellasco

Experiências e histórias emocionantes marcam as oficinas no último dia de SECOM 2015

Na tarde desta quarta-feira (3) calouros e veteranos dos cursos de Jornalismo e Publicidade se reuniram para assistir à oficina sobre “Cidadania no Esporte”. O workshop recebeu a presença da Família Oneto, o atleta Bernardo do Polo Aquático e seus pais, Gianmarco Gomes e Luciana. Minutos antes de iniciarem a oficina, Gian conversou com os alunos e explicou que o evento era uma oportunidade muito boa, já que iriam falar sobre cidadania. Durante as suas explicações, deu destaques aos atletas e afirmou que estes só conquistam reconhecimentos na carreira após alcançarem sucesso internacional. O profissional também contou experiências vividas por Bernardo, que no 2° semestre busca ganhar medalhas nos Jogos Pan-americanos em Toronto.

Família Oneto

Família Oneto

O palestrante apresentou aos universitários alguns slides com a intenção de que estes compreendessem as informações de forma fácil e prática. Um desses se referiu ao chamado Desenvolvimento Bottom Up – Identificação de Talentos, que mostrou alguns tópicos como “As coisas mais simples são as mais legítimas” e “É preciso saber torcer pelo colega”. No final, a aluna Juliana Cristine, uma das organizadoras do evento entregou certificados aos convidados, os agradeceu por terem aceito o convite e sorteou um boné da Rádio Cidade entre os participantes.

 

A oficina Design na Indústria do Entretenimento Digital, ministrada por Marcelo Casoli, teve por objetivo focar a área de design para os alunos de comunicação. “O que você, como aluno, pode fazer para se destacar no mercado?”, questionou o convidado, formado em Gestão de Tecnologia da Informação.

Marcelo Casoli

Marcelo Casoli

Após a pergunta, Marcelo iniciou sua palestra informando aos estudantes que, atualmente, se ganha mais no mercado de games do que em Hollywood e explicou em vídeo como funciona uma empresa de criação de jogos. Além de mostrar marcas responsáveis por produzir conteúdos de entretenimento e deu dicas de sites para criar portfólios.

Em clima descontraído, o convidado encerrou apresentando a REDZERO, Escola de Games e Entretenimento Digital na qual é coordenador de ensino. O curso é um núcleo da Full Sail University, considerada a maior Instituição de entretenimento digital do mundo, por ter alunos que trabalharam em grandes produções cinematográficas, como as franquias de Homem de Ferro e Transformers, e games, como Call of Duty.

O publicitário André Monnerat , Gerente de relacionamento e Marketing do Flamengo, ministrou a oficina de “Estratégia de Comunicação no programa Sócio Torcedor”, a ultima da SECOM 2015. Na apresentação, André explicou, de forma descontraída, como funciona o plano de Marketing dos clubes no Brasil. Destacou que o foco principal é estabelecer vínculos com o torcedor, e, ao mesmo tempo, gerar renda para investir no time. “O flamengo está transformando o futebol brasileiro”, disse o publicitário, fazendo referencia ao programa de sócio torcedor do clube.

Durante a oficina, o oficineiro enfatizou que o fato do torcedor se associar ao programa, não está só ligado necessariamente aos benefícios que lhe são oferecidos, como descontos nos ingressos e produtos licenciados da marca, mas pode também, ter vínculos com sua paixão pelo time. ”Hoje em dia o torcedor quer estar cada vez mais perto do seu time, seja nos jogos ou em casa, ele quer se sentir parte do time” disse o profissional.

André Monnerat

André Monnerat

O convidado fechou a oficina contando histórias de sócio torcedores, que foram sorteados através de promoções do programa , para estarem presentes em momentos históricos de seu  time, um exemplo citado, foi de uma torcedora do flamengo que presenciou a contração do meio-campista Héctor Canteros Canteros e teve a oportunidade de entregar a primeira camisa do time para seu ídolo. “São momentos assim que fazem o torcedor ter orgulho de pertencer ao seu clube”, completou André.

Por: Brigida Brito, Thamiris Vieira, Erick Douglas e Jéssica Motta, Cassiane Ribeiro e Iago Moreira

Marketing esportivo: Cenário de Oportunidades

A IMPORTÂNCIA DA RELAÇÃO DO TORCEDOR COM O ATLETA

Em clima de clássico, a partida da SECOM 2015 vai caminhando para o seu desfecho.  Abrindo o último dia, Jonathan Assis, aluno de comunicação da UVA, deu um show de voz e violão, fazendo com que todos os presentes cantassem junto. Em seguida, a palestra “Marketing Esportivo: Cenário de Oportunidades”, trouxe Bernardo Pontes – Gerente de Marketing do Vasco , Thiago Krafzik – Gerente de Planejamento Ogilvy, Alexandre Neves – CEO Backseven, e Márcio Mac Culloch – Gerente de Comunicação do Flamengo. O evento contou com o professor Isnard Vieira como mediador.

Isnard, Thiago Krafzik, Alexandre Neves, Bernardo Pontes e Márcio Mac Culloch

Isnard, Thiago Krafzik, Alexandre Neves, Bernardo Pontes e Márcio Mac Culloch

Para dar início a palestra, Alexandre apresentou a Backseven, uma rede social voltada inteiramente para possibilitar aos atletas uma melhor estrutura, principalmente a questão do patrocínio. “A rede é focada no esporte, especialmente para os atletas de grande rendimento, como se fosse o currículo profissional do esportista”, diz Alexandre, que ainda explica que o acesso é só para quem é convidado a se conectar, proporcionando uma interação de quem tem interesse em patrocinar os atletas. Também ressalta que o importante é o legado de reconhecimento que vai ficar pelo trabalho dos esportistas.

A preocupação com os profissionais do esporte em geral permeia a palestra, tanto que Thiago, Bernardo e Márcio, respectivamente, do Sport Recife, Vasco e Flamengo, apesar de trabalharem para o futebol, também ressaltaram em seus Cases, apresentando a importância de estabelecer laços entre o torcedor e o clube, dentre eles, um Case apresentado por Thiago destacou-se, sobre a violência nos estádios, no qual as mães de torcedores fizeram a segurança do jogo.

Em debate,

Em debate, “Marketing esportivo: Cenário de Oportunidades”.

O que fica de mensagem nessa palestra, além da importância da aproximação entre as partes. “Não disputo torcedor.” , explica Bernardo. Apesar da rivalidade entre torcedores, não importa o time em questão, os profissionais por trás dos clubes, estão eventualmente trabalhando juntos e trocando ideias, para o desenvolvimento do esporte.

Por: Cassiane Lima, Marta Furtado e Tadeu Thurler

Product Placement no Esporte, planejamento ou coincidência? 

Como as marcas se apropriam dos megaeventos esportivos

No encerramento do segundo dia da SECOM, a palestra do turno da noite falou sobre como as marcas atuam nos eventos esportivos, com o tema: “A marcas se apropriando dos grandes eventos: Product Placement no Esporte”.Maria Doria (Consultora de Marketing da MariaDoria.com e ex- Gerente de Marketing da Blue Man), Mauro Rodrigues  (Gerente de Atendimento Agência Textual) e Felipe Dannemann (Advogado e Agente da Propriedade Industrial) foram os convidados do evento.  Guilherme Carvalhido, professor de comunicação social da UVA, foi o mediador da mesa.

Palestrantes e professor

Palestrantes e professor

Dando início ao debate, a consultora de marketing, Maria Doria, apresentou o Product Placement (marketing indireto) de maneira macro e mostrou como usar essas tecnicas no eventos esportivos. A ex-Gerente da marca da Blue Man, usou como exemplo o caso do Neymar, que – acidentalmente – utilizou a cueca da grife carioca, na Copa de 2014. Isso gerou uma repercussão mundial da marca, que não pagou nada pela propaganda gratuita.

Falando ainda sobre como as marcas participam dos grandes eventos esportivos, o convidado Mauro Rodrigues, Gerente de Atendimento da Agência Textual, disse como foi a atuação da agência em que trabalha, nas Olimpíadas e Copa. Além de mostrar a diferença de como a marca é usadanos Jogos Olímpicos e na Copa. Citando ainda, projetos feito pela Coca-Cola, que deram apoio à cobertura da Copa de 1998, e das bicicletas do Itaú, que foram colocadas na Granja Comary, onde Neymar apareceu em uma das bikes gerando repercussão mundial.

Advogado Felipe Dannemann

Advogado Felipe Dannemann (Foto: Murilo Borges)

Saindo um pouco do assunto de como trabalhar as marcas em eventos esportivos, Felipe Dannemann, Advogado e Agente da Propriedade Industrial, mostrou as Leis que são usadas especialmente em eventos esportivos, os direitos das marcas, que são exclusivas em cada evento. Falou também do caso Guga Kuerten, na Olimpíadas de Sydney de 2000, em que teve o conflito entre as marcas Olympikus e Diadora, para ver quem sairia como o patrocinador do jogador.

Finalizando a palestra com as perguntas dos alunos do auditório, a convidada Maria Doria e o convidado Felipe Mannemann, falaram de como as marcas devem agir nos eventos para gerarem visibilidade, assim como foi o caso de alguns exemplos dados pelos palestrantes, e também foi questionado do direito das músicas que são usadas nos eventos, que deve, na maioria dos casos, ter autorização legal do evento.

Por: Jéssica Motta, Thamyres Vieira. 

Interatividade foi o tema do segundo dia de oficinas da SECOM 2015 

E no segundo dia evento, a SECOM 2015 recebeu o redator publicitário, Pedro Carvalho para a oficina de “Redação Publicitária”. A pouco mais de 5 anos no mercado o redator que já passou pelas agências Giovani+Draft Fcb (Atual FcbBrasil), am.pm. e Kaus Mídia, atualmente responsável pela área de assessoria de imprensa da Agência Estufa, trouxe para os alunos um pouco da sua experiência e paixão pela publicidade. “Você tem que ter essa paixão pelo o que você quer. E essa paixão pela profissão que me fez entrar na Giovani. Tinha gente que tinha pena de mim, mas eu estava muito feliz por estar ali, porque era o que eu realmente queria fazer.” Disse o redator.

Pedro Carvalho e seu sócio Luís Gomes

Pedro Carvalho e seu sócio Luís Gomes

Durante a oficina, Pedro apresentou seu portfólio e falou que o publicitário precisa estar sempre pronto para cumprir prazos, virar noites na agência, receber um não e partir para um novo início, sem se apegar á ideia anterior. Com o objetivo de mostrar aos futuros publicitários a verdadeira realidade do mercado de trabalho, focando que na área de publicidade você precisa trabalhar com referencias e ser sempre muito decidido sobre qual setor optar dentro de uma redação publicitária. “O mercado quer pessoas decididas. É o que o mercado precisa”.  Completa o  profissional.

No final da oficina, Pedro fez uma brincadeira com os alunos, dividindo os em trios  para que criassem, em 5 minutos,  50 títulos para uma imagem. Logo depois, pediu para que os trios se  apresentassem. Na apresentação fez uma seleção de 5 títulos dentre os 50 e mais uma vez pediu para que os grupos desenvolvessem uma ideia  a partir deles. O profissional fez críticas, deu ideias  e explicou que eles são apenas estudantes, porém a ideia era muito boa, nada que um pouco mais de prática e incentivo não ajudasse numa ótima formação dos futuros publicitários.

André Mourão tirando Selfie com a turma

André Mourão tirando Selfie com a turma

André Mourão, do jornal O Dia, conduziu a oficina de Fotojornalismo Esportivo no 2º dia da SECOM. Com passagens pelo Jornal O Povo e Agência AGIF, o convidado falou de suas experiências profissionais, mostrou fotos de seus trabalhos nas últimas Copa e Olimpíadas e deu dicas técnicas de como utilizar uma câmera fotográfica. “Você tem que sentir a necessidade de usar o equipamento, e não usar só porque alguém disse que é legal”, disse o fotógrafo.

Durante o oficina, André Mourão respondeu perguntas dos alunos sobre o mercado profissional, mostrando as diferenças entre o mercado atual e o da época em que começou a trabalhar com fotografia. Também explicou como capta imagens em movimentos durante os eventos esportivos, sua especialidade, além de contar um pouco sobre o começo de sua história profissional.

Outra ação que chamou atenção dos alunos, aconteceu quando André abriu sua mala e tirou uma Lente super teleobjetiva, que ele usa para fotografar, principalmente, partidas de futebol. Para fechar a oficina, o fotografo tirou uma Selfie com a turma para registrar o momento.

Agostinho Segundo, Fotopublicitario e –atualmente – estudante de Publicidade e Propaganda da UVA, ministrou a oficina de Fotografia Publicitária. Durante duas horas, o oficineiro deu dicas de iluminação, foco, posicionamento de modelos e angulações adequadas para cada tipo de fotografia.

Agostinho Segundo instruindo aluna

Agostinho Segundo instruindo aluna

Na parte final da palestra, Agostinho convidou os alunos para que assumissem seu lugar de fotografar a modelo. A interatividade logo despertou o interesse dos estudantes, que prontamente se voluntariaram para a atividade.

Por: Thamires Vieir,  Brigida Brito, Erick Douglas, Jéssica Motta, Tadeu Thurler e Iago Moreira

MULHERES DÃO UM SHOW DE BOLA EM PALESTRA

Comportamento feminino é a bola da vez

Bola em jogo e dessa vez são elas que fazem o gol de placa, dando início às 9h, ao segundo dia da SECOM, com a palestra “Mulheres no Jornalismo Esportivo  –  O FIM DO TABU”, em clima de bastante empolgação. O evento contou com a participação de Martha Esteves (O Dia),  Aline Bordalo (O Dia), Renata Cordeiro (Fox Sports) e Carla Matera (Rádio Tupi),  e como mediadora,  a  professora de jornalismo da UVA,  Daniela Oliveira.

Daniela Oliveira e Carla Matera.

Carla Matera e Daniela Oliveira.

A mesa foi aberta com uma breve apresentação das palestrantes, logo depois Martha falou “sobre como a experiência é satisfatória, mas também igualmente difícil, pois ainda há muito machismo no jornalismo esportivo”. Renata complementou a ideia, ao afirmar que a postura da mulher é primordial para que consiga conquistar seu espaço.  Esse fato pode ser observado ainda nos dias atuais, quando não é confiado à mulher, cargos mais altos nas redações de esporte. Martha e Carla concordam que a mulher deveria assumir um comportamento menos feminino para melhor se encaixar no âmbito e, assim, ganhar o respeito dos profissionais com quem convivem. Já Aline não abre mão de sua feminilidade quando está em campo, mas sem deixar sua boa conduta de lado.

Apesar desses fatos, a sensibilidade feminina é primordial. Saber enxergar por outro ponto de vista é algo positivo para uma abordagem melhor nas entrevistas. “A mulher tem um outro olhar, jeito, sensibilidade, percepção e carisma”, observa Martha. Usar os contatos certos é a peça-chave para conseguir as informações necessárias. “Fazer amizade com seguranças, roupeiros e massagistas é fundamental”,  instruiu Renata.

Martha Esteves, Aline Bordalo, Renata Cordeiro e Carla Matera reunidas

Martha Esteves, Aline Bordalo, Renata Cordeiro e Carla Matera reunidas

Ao abrirem as perguntas para o auditório, o momento mais marcante foi quando questionadas sobre seus ídolos no esporte. Com exceção de Aline, que tinha Seedorf como seu maior ídolo, Zico foi o nome que permeou, quase em um consenso. “Até eu, que sou tricolor, sou fã dele”, declarou Carla. Já para Renata, o futebol foi o responsável por permitir que ela estivesse perto de seus ídolos, o maior deles, Zico. Com esse ambiente extrovertido e muito bem-humorado, foi encerrada mais uma palestra da SECOM.

Por: Cassiane Lima e Marta Furtado