Tijuca Tênis Clube Vira a Alma do Bairro

O Tijuca Tênis Clube nasceu em 11 de junho de 1915, na rua Uruguai, com o nome de Tijuca Lawn Tennis Club, com o intuito de aproximar os jovens do bairro, e ser freqüentado pelas famílias. Depois de alguns anos seu nome se aportuguesou e foi instalado na rua Conde Bonfim, 451, que é sua atual localização. É um dos clubes do Rio que possui o maior número de associados. Um clube bem tradicional, que possui o convívio de crianças, adultos e adolescentes.
       
    Muitos moradores e associados não consideram só o clube uma área de lazer e distração para os moradores da tijuca, mas também a alma do bairro. Pois nele, há realizações de eventos, como shows, que já levaram para lá várias personalidades e com eles uma grande quantidade de pessoas. Tem bazar de natal, que ocorre todos os anos no início de dezembro e um bar do atleta que é um ponto de encontro dos sócios para festejos.

Quem vai ao clube na sexta feira à noite, poderá encontrar ali, uma reunião de amigos em volta de uma roda de samba feita pelos próprios sócios para encontros e bate-papos. Uma dessas sócias e freqüentadoras da roda de samba é a professora Vânia de Almeida, de 53 anos, sócia-atleta do clube há mais de vinte cinco anos.

   “Entrei de sócia bem nova, assim que me mudei para o bairro da Tijuca. Eu jogava Basquete ali e, fui convidada para competir, mas por alguns motivos não pude continuar a competição. O clube representa muito para mim, pois me proporciona momentos de lazer, convívio com os amigos e integração social. Ali criei laços de amizade que mantenho até hoje”. 

    O Tijuca tênis Clube é o encanto e o orgulho para muitos moradores do bairro e, mesmo para quem não é sócio, o clube traz benefícios e alegrias.Suas atividades são para todas as idades. Antigamente, aos domingos, o clube proporcionava aos adolescentes uma matinê, para que ali pudessem dançar e se divertir. Uma vez ao ano é realizado um campeonato de futebol amador chamado ‘Dente de Leite’, que reúne crianças e jovens de cinco a 19 anos para competir no clube mesmo, num Campeonato interno.

    O clube ocupa hoje uma área de 48 mil m2, onde se pratica vários esportes e tem como destaque suas oito quadras de tênis e seu parque aquático com quatro piscinas, uma delas olímpicas. Nas quadras são praticados também, os jogos de basquete e vôlei, que abriga jogos do circuito estadual e nacional e atraem um público bem grande. Já no parque aquático do clube são formados jovens nadadores tijucanos. O Clube é uma área de lazer, educação e formação para seus sócios e admiradores.

Flavia Cunha • 5º Período • Jornalismo Digital

Exposição sobre corpo humano ficará mais tempo na cidade

foto-corpo-humano
Devido ao sucesso da exposição Corpo Humano: Real e Fascinante, que está na cidade desde setembro, sua permanência no Museu Histórico Nacional foi prorrogada até o dia 1º de fevereiro de 2009 com preços promocionais às terças-feiras. A exposição, que destaca questões de saúde usando espécies humanas ao invés de modelos construídos, já foi vista por mais de 450 mil pessoas só em São Paulo, no ano passado, e já passou por outras 33 cidades em todo o mundo.

Segundo seus idealizadores – a empresa americana Premier Exhibitions Inc., sediada em Atlanta, líder mundial na organização de exposições de qualidade, incluindo a exibição Titanic: The Artifact Exhibition – a mostra permite que as pessoas aprendam mais sobre seus próprios corpos, e tem o intuito de ensinar cada um a cuidar melhor da sua saúde e a optar por hábitos de vida mais saudáveis.
“A exposição torna possível enxergar e entender de uma forma inteiramente nova as condições de saúde de diferentes pessoas, mostrando as complicações mais comuns hoje, incluindo os malefícios pelo fumo e pelas dietas extremas”, afirma a assessoria de imprensa do Museu.
A dúvida mais freqüente – conta a assessoria – é com relação à origem dos corpos apresentados na exposição. Eles são de pessoas que os doaram para universidades de ciências médicas da China onde passaram pelo processo chamado de polimerização, que serve para preservar as formas humanas para estudos científicos. A opção por corpos verdadeiros é devido ao que a exposição pretende passar para os visitantes: enxergar o real através do real.
A bilheteria fica aberta de terça a domingo das 10h às 17h. Os ingressos também podem ser comprados pelo Ingresso Rápido através do telefone 4003-1212 ou pelo site www.ingressorapido.com.br. Estudantes com identificação pagam meia. O Museu Histórico Nacional está localizado no centro da cidade, na Praça Marechal Âncora, s/nº.

Sincer Ramalho • 5° Período • Jornalismo Digital

 

 

 

 

Com o samba na veia e na alma

Carloaugusto

 

Dia 2 de Dezembro é o dia Internacional do Samba, e para celebrar essa data especial conversamos com o músico Carlos Augusto , mais conhecido como Toco do Grupo Samba RJ que contagia os Estados Unidos com o gingado Carioca
 
Agência UVA – Quando foi seu primeiro contato com a música?
Toco – Na escola, aos 8 anos de idade, eu tocava atabaque.
 
Agência UVA – E no carnaval?
Toco – Na bateria mirim da Estação Primeira de Mangueira em 1975 tocando caixa. Foi show!
 
Agência UVA – Como foi o trabalho com a música no Brasil? 
Toco – Eu tocava no Oba-Oba com Oswaldo Sargentelli, Ivan Curi (irmão do Jorge Curi). Na antiga casa Roda Viva com Gasolina e Joãozinho Trinta no Morro da Urca.

Agência UVA – Quando foi sua primeira viagem internacional?
Toco – Na Venezuela em 1979 quando fui fazer show de pandeiro, cantar e dançar.

Agência UVA – Quais países já visitou levando o samba?
Toco – Venezuela, Argentina, Peru, Panamá, Equador, Itália, Japão, México, Portugal, Espanha, África (Zaire, Congo, Costa do Marfim), Haiti, Canadá, Uruguai, El Salvador e Estados Unidos.
 
Agência UVA – Qual dessas viagens foram marcantes?
Toco – Na Itália quando fiz uma apresentação no Scala de Milão, pois lá já passaram artistas como Pavarotti. Eu tive essa sorte, lá são só os gradiosos! E também no México durante a Copa do Mundo de 1986, quando conheci Pelé e Jairzinho.
 
Agência UVA – Atualmente você mora fora do país, em que local e há quanto tempo?
Toco – Nos Estados Unidos, no estado da Flórida cidade de Pompano Beach há 17 anos.
 
Agência UVA – No momento como está o contato com o samba?
Toco – Tenho um grupo musical, o Samba RJ, no qual toco com o meu filho Tiago. E também acabei de gravar um CD que será lançado em janeiro, todas as composições são minhas e uma dela a “Tô doce”, fiz com a parceria da minha filha Thays de 9 anos.
 
Agência UVA – Os americanos curtem o samba brasileiro?
Toco – Muito, tocamos nas principais casas de shows da cidade e em vários estados também.
 
Agência UVA – Qual sambista é o seu ídolo?
Toco – O Arlindo Cruz e o Zeca Pagodinho.
 
Agência UVA – Para finalizar, defina a palavra samba:
Toco – O samba para mim é tudo, meu sustento se completa com ele. És a minha alegria.

Vanessa Nobre • 6º período

O caráter de um Sambista

Em comemoração ao Dia Internacional do Samba, o escolhido para representar o Brasil é grande  Carlinhos de Jesus. Nascido no bairro de Marechal Hermes e criado em Cavalcante, o sambista é diretor da Casa de Dança Carlinhos de Jesus, no Rio de Janeiro, e proprietário da Casa de Dança e Espetáculos Lapa 40 Graus.
 
AgênciaUVA -Vida?
Carlinhos – Família
 
AgênciaUVA – Família?
Carlinhos – Amor
 
AgênciaUVA – Trabalho?
Carlinhos – Prazer
 
AgênciaUVA – Carreira?
Carlinhos – Caminho
 
AgênciaUVA – Carnaval?
Carlinhos – É tudo
 
AgênciaUVA – Dança?
Carlinhos – Minha existência
 
AgênciaUVA – Sonho?
Carlinhos – Dignificar a dança, antes tinha muito preconceito
 
AgênciaUVA – Lugar?
Carlinhos – Minha casa
 
AgênciaUVA – Viagem?
Carlinhos – Índia
 
AgênciaUVA – Cultura?
Carlinhos – Brasileira
 
AgênciaUVA – Lapa?
Carlinhos – 40º Graus
 
AgênciaUVA – Samba?
Carlinhos – Minha vida
 
AgênciaUVA – Comida preferida?
Carlinhos – Inhoque
 
AgênciaUVA – Time?
Carlinhos – Mengão
 
AgênciaUVA – Carioca?
Carlinhos – Eu e você, sou um carioca apaixonado
 
AgênciaUVA – Planos e projetos?
Carlinhos – Expandir a dança pelo Brasil
 
AgênciaUVA – Desejos?
Carlinhos – Que todo mundo seja feliz, menos violência e que todos se respeitem independente de cor, religião e opção sexual.
 
AgênciaUVA – Mangueira?
Carlinhos – “…é tão grande que nem cabe explicação…..” . Meu sonho se tornou realidade
 
AgênciaUVA – Comissão de frente?
Carlinhos – Muito trabalho

Vanessa Nobre • 6º período

O país dos feriados… Será?

No Brasil sempre que há um feriado, vemos nos jornais pessoas falando do excesso de feriados no Brasil. Fomos pesquisar o número de feriados daqui fazendo uma comparação com outros países mais desenvolvidos. No nosso país existem treze feriados nacionais. Porém cada Estado tem seus feriados próprios. Exemplo disso é o Rio de Janeiro, onde somam-se três feriados. Totalizando dezesseis durante o ano. Em outros países mais desenvolvidos como a Alemanha, também são treze o número de paralisações nacionais. Em Israel, neste mês de outubro, houve apenas seis dias úteis.

Na opinião do estudante de Direito Rogério Simões, “há um grande número de feriados desnecessários”. Para Paulo Assunção, estudante de História, “os feriados já fazem parte da vida do brasileiro, não tem como evitar”.

O fato é que se para os trabalhadores essas paralisações são sempre bem-vindas, para a economia os números são preocupantes. Exemplo disto é o próximo mês de novembro, quando teremos três feriados: 2 (Finados), 15 (República) e 20 (Zumbi), o impacto será de até 20% em perdas para o comércio.

Mas há o mito de que o Brasil é o país onde menos se trabalha, onde tem muitos feriados, certo? Errado. Na verdade somos uma das nações com menos feriados. Estados Unidos, China e Bélgica, essa última com incríveis vinte feriados são exemplos de países onde os feriados são mais presentes do que aqui.

Segundo o estudante de Economia Otávio Figueira, “o problema não são os feriados, e sim os feriadões, porque muitas vezes quando há um feriado na quinta-feira, emenda-se por todo o fim de semana”.

De fato vimos que o Brasil comparando a outras nações mais poderosas tem até poucos feriados, porém culturalmente, ao contrário de outros lugares, incorporamos os feriadões, transformando um dia de paralisação em dois.

Tendo em vista os próximos feriados de Natal e Ano Novo, os trabalhadores já vão preparando suas viagens, enquanto os economistas fazem os cálculos dos prejuízos vindouros.

Vinicius Badenes – 6° período

Dom Casmurro ganha leitura coletiva na Internet

“Capitu” é a nova minissérie da Rede Globo e promete recontar a história do livro Dom Casmurro, uma das obras literárias mais importantes de Machado de Assis. A segunda produção do projeto Quadrante, iniciado com “A Pedra do Reino”, promete dar novos ares a obra machadiana, fazendo uma convergência entre o moderno e o antigo. A estréia na TV está marcada para o dia 9 de dezembro.

Para provar essa fusão e promover a série, a Globo criou o site Mil Casmurros – uma página que propõe a leitura coletiva de Machado de Assis com a participação de internautas e artistas. A idéia inovadora apresenta 1000 fragmentos da obra “Dom Casmurro”, onde usando uma câmera e um microfone você pode escolher um trecho e gravar um vídeo que será exibido na página. Além disso, a gravação pode ser compartilhada no Orkut.

“Adorei a idéia da ‘Globo’ de poder gravar uma parte de Dom Casmurro narrada por mim.  Foi emocionate usar a internet para declamar um livro que eu gosto tanto, falando do jeito e podendo ter meu vídeo ao lado de atores da emissora”, conta a estudante Vânia Viana, de 25 anos, que deixou sua parte no site.

A minissérie “Capitu” tem cinco capítulos, com elenco formado por Maria Fernanda Cândido, Michel Melamed e Letícia Persiles. A direção é de Luiz Fernando, o mesmo diretor da Minissérie “A Pedra do Reino”, baseada em um romance homônimo de Ariano Suassuna.

Veja o trailer de “Capitu”:

Capitu teaser na íntegra high quality

Renato Costa – 6º período – Jornalismo Digital

Novidades no uniforme dos clubes desagrada torcedores

camisetas1

Saber o que vestir é muito importante nos dias de hoje. A imagem diz tudo e uma boa vestimenta é um divisor de águas entre o sucesso e o fracasso. Assim os clubes de futebol investem pesado nas negociações com os fornecedores de material esportivo, que nem sempre agradam o gosto exigente do tradicional ou do mais moderno torcedor. 

Um modelo sugerido pela canadense Champs, no início desta semana, para o Vasco da Gama gerou polêmica entre os apaixonados pela cruz de malta. “É um absurdo, um abuso. Aquilo ali é uma grande palhaçada. Só porque eles chegam com dinheiro, não quer dizer que possam alterar um símbolo que já dura quase 90 anos”, desabafa o estudante Jeferson Rodrigues, torcedor do Gigante da Colina.

Outros mais receptivos preferem o meio-termo. “Sempre diziam que a faixa representava um cinto de segurança, pelo menos agora não vão mais ter este argumento, mais que batido. O novo uniforme pode representar um renascimento”, ameniza o advogado Cássio Barreto. 

Mas não são só os vascaínos que andam preocupados com a roupa que irão vestir em 2009, os tricolores também estão bem apreensivos. No início desta semana foi divulgado um modelo comemorativo ao primeiro tetra campeonato do Fluminense. Faixa diagonal em verde, outra em grená. Um visual retrô, apenas hipotetizado pelo designer Natan Tozi, mas que acabou virando matéria de jornal e motivo de discórdia. “Não tem nada a ver! O Flu é branco, ou tricolor. Aquela blusa é horrorosa”, se revolta o engenheiro Luiz Carlos Silveira.
O designer responsável pelo modelo, e pela revolta de Silveira, é dono de um blog,
Rascunho FC, um espaço ousado onde as suposições chamam a atenção de torcedores carentes por belas vestimentas. Uma seção chamada Troca-Troca sugere inverter os patrocinadores e fornecedores de material esportivo de confrontos históricos, como Gre-Nal de 1999, Corinthians e Palmeiras em 1996, entre outros.

A moda dita o comportamento e as tendências de corte, cores e traços estão presentes em todos os tipos de trajes, não só nos esportivos. Mas há de se lembrar que quando mexe com a paixão do torcedor, é preferível deixar as novidades por conta de contratações e títulos. Se depender da criatividade dos designers é bem provável que terá muito time lutando contra o rebaixamento no torneio do mau-gosto.
 
Ricardo Almada • 6º período •  Jornalismo Digital

Excesso de feriados: necessidade ou prejuízo?

foto-materia

Os meses de outubro e novembro totalizam cinco feriados, quatro deles federais, que são o de Nossa Senhora Aparecida (12 de outubro), Dia do Mestre e do Comércio (15 de outubro), Dia de Finados (2 de novembro), Proclamação da República (15 de novembro) e um, por enquanto, em nível estadual que é o Dia da Consciência Negra (20 de novembro). O excesso de feriados durante esses dois meses tem despertado nas pessoas as mais variadas reações. Em pesquisa, feita nas ruas, muitas pessoas concordam com o excesso, porém um outro grupo discorda do ocorrido.

A lojista, Maria Irene Ferreira, 54 anos, afirma que esses feriados são necessários, principalmente o do Dia do Comércio, onde as lojas não abrem e ela pode dedicar esse dia especialmente para seu descanso, já que a mesma trabalha todos os dias. Se tratando dos outros feriados, Maria Irene diz que as pessoas vão para o Shopping fazer compras, o que é muito bom para a economia do país e para os seus lucros.

A fisioterapeuta, Anna Cecília Francisco, 27 anos, diz que o acúmulo de feriados em um curto período, afeta a economia nacional e o seu trabalho, visto que a mesma recebe por serviços realizados. Anna Cecília afirma que quando ocorrem muitos feriados seguidos, seus pacientes não comparecem às consultas, prejudicando assim o tratamento e a sua fonte de renda.

A estudante de medicina veterinária, Renata da Silva, 23 anos, acha muito ruim esse excesso de feriados em um curto espaço de tempo, afirmando ainda que se sente prejudicada em relação às matérias, que ficam muito atrasadas, e às aulas que ficam corridas, dificultando assim o seu aprendizado.

Já a estudante, Raphaella Monteiro, 7 anos, afirma com muita convicção que o grande número de feriados é muito necessário e que deveriam existir muitos desses no decorrer do ano. Raphaella diz que, só mesmo nessas férias improvisadas pode deixar os estudos um pouco de lado e brincar com suas bonecas sem que a sua mãe reclame.

Embora muitas pessoas sejam contra o excesso de feriados, eles representam para o país um grande ganho na economia nacional, já que nesse longo período de descanso, o índice de turistas que vêm para o país é muito grande.

Carolina Marques • 5º período • Jornalismo Digital

Seria o fim dos livros impressos?

Os livros eletrônicos, mais conhecidos como E-books, ocupam um espaço cada vez maior na sociedade, mesmo tendo sido criados para grupos pequenos, como manuais técnicos. Com a portabilidade, sua principal vantagem, em qualquer lugar do mundo é possível ler um livro sem gastar muito por isso. Em média, empresas vendem E-books por até metade do preço de livros impressos, outro motivo para o considerável aumento de leitores digital.

Hoje, cerca de três milhões de livros são baixados eletronicamente por mês. Muitos que preferem os livros eletrônicos alegam o fato de não ser necessário cortar árvores para a criação de papel, além de obterem um menor tempo gasto com a leitura. “É mais viável ler E-books, porque posso ler várias coisas ao mesmo tempo com mais velocidade. Sem falar que não tenho muita paciência para ficar passando folhas”, explica Gabriel Assunção, 17, estudante.
 
Por outro lado, há aqueles que preferem livros impressos, devido ao incômodo da tela do computador ou a dificuldade de imprimir o livro em casa. “Prefiro livros impressos. Posso levar para onde eu quero. E pela Internet meus olhos cansam”, afirma Sami Neves, 22, funcionário da Cx Digital.

As empresas procuram investir cada vez mais em livros digitais. Estima-se que em 2009 cerca de 100 milhões de E-books sejam vendidos. Porém, por ainda haver uma resistência entre grande parte dos leitores, é pouco provável que ele substitua livros impressos.

Vantagens
– Ocupam menos espaço físico.
– Leitores que têm a dificuldade de ler livros impressos podem se adaptar ao novo meio.
– O custo é menor que um livro impresso.
– A leitura pode ser feita por um dispositivo próprio. Não há a necessidade de ir à uma biblioteca.
 Desvantagens
– Por depender de um equipamento para ser lido, pode apresentar falhas.
– Se o dispositivo de leitura for roubado, os livros não poderão ser lidos.
– Exige energia elétrica.
– Podem ser divulgados sem a permissão do autor. Risco de plágio.

Carine Pennaforte • 3º período • Jornalismo Digital

Plano de Saúde: uma dor de cabeça

A maioria das pessoas que contrata um serviço de assistência médica acredita que esta é a melhor opção para assegurar o atendimento. Mas a pequena parcela dos 20% dos brasileiros que possuem um plano de saúde não está nada satisfeita com o que recebe do seguro. Os planos de saúde representam o segundo assunto com o maior número de ações judiciais no Tribunal de justiça de São Paulo. Esta semana milhares de beneficiários de planos de saúde antigos da Bradesco Saúde, continuaram a receber boletos que cobravam o ajuste de 8,76% em suas mensalidades, além dos 11,75% previstos na Lei 9656/98, que regula os planos de saúde.

A Justiça vetou o reajuste, cobrado indevidamente pela seguradora. A empresa deveria enviar cartas em até 48 horas, após ser comunicada da determinação – o que já ocorreu -, aos seus 200 mil consumidores informando sobre o embargo na cobrança e sobre a devolução dos valores. Mas, os beneficiários dizem que recebem informações imprecisas e ainda sofrem pressões para efetuar o pagamento. O Ministério Público estadual quer que a empresa prove que está informando corretamente seus usuários da decisão. A Bradesco Saúde informou à Justiça ter tido dificuldades para cumprir a ordem dentro do prazo estabelecido.

Há atualmente no Brasil duas mil operadoras de planos de saúde. A maior parte delas atende à população de São Paulo que representam 45% dos usuários do serviço em todo o país. Mesmo após a Lei dos Planos de Saúde de 1998, as empresas que prestam o serviço ainda cometem muitos abusos contra seus usuários. O caso da Bradesco Saúde não é isolado. Em 2004 e 2005 várias companhias de seguro, entre elas a própria Bradesco e a Sulaméria foram à Justiça reclamar reajustes acima do previsto em lei para os planos anteriores a regulamentação do setor. A ação movida pelas empresas foi julgada neste período e vencida pelos consumidores.

Segundo o advogado do PROCON-RJ, Flávio José Ferreira, a Bradesco Saúde está ferindo o Código do Consumidor e desobedecendo a procedimentos legais já julgados. “Este reajuste que a Bradesco Saúde está requerendo de seus consumidores antigos não só é abusivo, como ilegal. É um absurdo o que a empresa está fazendo”.

Flávio José Ferreira orienta a todos os consumidores que ainda estão recebendo boletos com o aumento e não estão sendo informados corretamente pela Bradesco Saúde a procurarem o Procon e, também, moverem uma ação nos Juizados Especiais Cíveis, já que a ação já foi julgada, pedindo a suspensão da cobrança e o ressarcimento em dobro do que foi pago indevidamente como prevê o Artigo 42§ único do Código do Consumidor.

Emanuelle Bezerra – 6º período – Jornalismo digital.